Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Bairro Serraria tem seu anjo da guarda

Nário Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

31/01/2011 | 07:35


"Preservar vidas e não recolher corpos". Esse é o lema do coordenador do Nudec (Núcleo Comunitário da Defesa Civil) Hermes Egídio Freitas, 40 anos, do bairro Serraria, em Diadema.

Gildão, como é conhecido, pode ser considerado um anjo da guarda. Mesmo aposentado por invalidez, por conta de problemas nas costas, ele já salvou pelo menos 21 pessoas, desde 1986, quando se mudou para o bairro.

Há dois meses, assumiu como coordenador do segundo Nudec - o outro núcleo é no bairro Eldorado - e, com as orientações dadas pela Defesa Civil e pelos ensinamentos da profissão, salvou 16 pessoas de serem levadas junto com suas residências pelo córrego dos Monteiros, próximo à Rua do Mar, no início do mês.

Segundo a Prefeitura de Diadema, o córrego está sendo canalizado desde o ano passado. O valor da obra é de R$ 13 milhões.

"Por ser vigilante, tive o curso de primeiros-socorros e de combate a incêndios, o que me ajuda ainda mais a salvar vidas. Lembro que chovia muito no sábado (dia 8) e, quando fui ver, a água tinha invadido praticamente a casa de uma mulher da rua. Olhei pelo buraco da porta e vi que a água já estava no pescoço dela. Na hora, com uma marreta, arrombei a porta e consegui salvá-la", afirma.

Naquele fim de semana, a chuva não deu trégua para Hermes e o testou mais uma vez. "No domingo, foi outro dia de muita chuva; de madrugada, escutei um barulho e fui ver o que era. Liguei para a Defesa Civil pedindo orientação, e me disseram para retirar o mais rápido as famílias das residências na beira do córrego. Só lembro que depois que todos saíram, tudo caiu. Foi um milagre não ter acontecido nada com ninguém". Naquela noite, seis casas desabaram, quatro ocupadas por famílias que escaparam.

Quando o tempo fecha e ameaça chover, todos os moradores da rua, próximo ao córrego, podem contar com Hermes. Ele fica atento e pronto para acionar os agentes e o coordenador da Defesa Civil. "Ele sempre está de olho em tudo, é alguém que está no bairro e que pode ajudar, antes mesmo da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros chegarem", afirma o prensista David Nosola, 23.

"Meu objetivo é solucionar ou amenizar os problemas da população, e sei que faço o meu papel e cobro medidas", explica Hermes.

Ao contar da experiência que já passou durante o período de chuvas, Hermes logo cita o salvamento de uma família com quatro crianças, em 1989. "Entrei com a água na cintura para salvar a família. Lembro que as quatro crianças estavam em cima de um colchão, sendo levadas pela água do córrego."

Desde então, Hermes vem registrando a situação das moradias e do córrego e cobrando medidas. "Tiro foto de tudo, para que a administração veja a situação e tome providências. Agora, como coordenador da Nudec, esse contato ficou mais próximo e espero que as coisas melhorem."

INTERDITADAS
Com as chuvas, desde o início do ano, 28 casas foram interditadas pela Defesa Civil de Diadema. Uma delas é a da família da dona de casa Izani Batista da Silva, 18.

"A casa foi comprada há menos de um mês e já foi interditada, por estar próxima das residências que desabaram no início de janeiro. Ficamos com medo, mas não temos para onde ir, não temos parentes onde possamos ficar", explica.

Famílias agradecem ajuda de morador

É triste perder tudo aquilo que foi construído com muito suor, mas agradecemos por estarmos vivos", afirma a dona de casa Maria das Graças da Silva, 46 anos, que vivia há 24 anos na Rua do Mar e perdeu a residência nas chuvas do dia 9.

"O susto foi grande, começamos a ouvir estalos e as rachaduras aparecerem. Chamamos o Gildão e, dez minutos depois da ajuda, tudo veio abaixo. Só conseguimos salvar documentos e roupas", lembra Maria, que atualmente vive com a família no Jardim Ruyce, com o auxílio-aluguel da Prefeitura.

Outra família que agradece a ajuda de Hermes é a da operadora de caixa Marta Cristina Prudêncio Pastori, 24. Há 27 anos, a família dela construiu a residência que ruiu no dia 9.

Com a chuva daquele dia, por volta das 21h, começamos a observar trincas e estalos. Fomos chamar o Hermes para ligar para a Defesa Civil. Ele recebeu a orientação de nos retirar e foi a sorte. Tudo desabou e tenho a agradecer a Deus e a ele", conta.

Marta lembra que há 11 anos, por conta da chuva, parte do banheiro tinha caído. A casa de dois cômodos ganhou o segundo andar há oito anos.

"Meu pai resolveu ampliar a casa, mas não pensávamos que iria acontecer isso. Toda vez que chovia, a água chegava no degrau de casa, mas nunca invadiu", afirma. Atualmente a família mora em casa alugada, no bairro Jardim dos Eucaliptos.

A auxiliar de limpeza Ivanilda de Araújo de Sousa, 52, já previa o pior. A casa dela foi uma das seis residências que desabaram no início do mês, mas a moradora já havia deixado o imóvel havia mais de um mês. "Em novembro, comecei a escutar estalos, depois surgiram as rachaduras de quatro dedos, até que a casa foi interditada; saí em dezembro, com duas netas. Quando soube do desabamento, agradeci por não estar lá."

Neste ano foram removidas na Rua do Mar cerca de 15 famílias, que foram incluídas no programa de renda mínima, modalidade auxílio-aluguel, cujo benefício é de R$ 300 a R$ 350, de acordo com o número de pessoas da família.

Prefeitura de Diadema disse ter aprovado recursos da ordem de R$ 21,6 milhões do governo federal, no âmbito do PAC (Programa de Aceleramento do Crescimento) 2, e mais R$ 13 milhões do programa Minha Casa, Minha Vida para projeto da UAP (Urbanização Integrada de Assentamentos Precários) Gazuza, que inclui a Rua do Mar e mais 11 núcleos habitacionais do município.

 Diadema quer implantar mais 10 núcleos até o fim do ano

 A Defesa Civil de Diadema pretende instalar, ainda em 2011, mais dez Nudecs (Núcleos Comunitários de Defesa Civil). Além do bairro Serraria, outra unidade foi criada em novembro, no Inamar.

 "No próximo mês está prevista a criação no bairro Casa Grande e, até março, na Naval. Estamos fazendo contato com outros bairros, como o Jardim Canhema e Sítio Joaninha", explica o coordenador da Defesa Civil no município, Frank Miller.

Para Miller é fundamental o interesse da população. "No Serraria foram 60 pessoas que participaram da reunião. Procuramos eleger o coordenador do núcleo e outros para que possam ajuda-lo."

TREINAMENTO
Integrantes das comunidades são treinados para formar os núcleos e agir como braços da Defesa Civil na prevenção de acidentes, identificação de problemas de imediato e contato com os órgãos responsáveis, além da interação entre comunidade e Defesa Civil.

Para Miller, o trabalho que Gildão realizou no início do mês mostra a importância do núcleo na prevenção. "Ele, por viver no bairro, pode evitar muitas tragédias até que os órgãos possam chegar no local", pontua o coordenador da Defesa Civil de Diadema.

Para a professora de Engenharia Ambiental da UFABC (Universidade Federal do Grande ABC) Rosana Denaldi, tanto os núcleos quanto a Defesa Civil são importantes para evitar acidentes e tragédias.

"Um não exclui o outro. Mesmo com uma Defesa Civil bem estruturada, por exemplo, é preciso desse apoio dos núcleos comunitários", afirma.

Santo André foi a primeira a instalar os núcleos comunitários

Santo André, São Bernardo e São Caetano, juntas, possuem 30 Nudecs (Núcleos Comunitários da Defesa Civil). Santo André foi a pioneira e mantém o serviço desde 2001.

Ao todo são 15 núcleos e 300 moradores capacitados pelo treinamento oferecido por equipes da Defesa Civil, Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), profissionais da área de Saúde da Prefeitura e do Corpo de Bombeiros.

Em São Bernardo, são 11 núcleos, que abrangem mais de 20 comunidades, implantados desde 2009. "São núcleos criados para atender áreas vulneráveis. Além de capacitar, é preciso sensibilizar as lideranças sobre a importância", afirma o responsável pela Defesa Civil Luiz Bongiovanni.

Além do monitoramento, os núcleos criam o próprio pluviômetro. "É só pegar uma garrafa PET que tenha paredes retas, misturar água e cimento e colocar no fundo da garrafa para nivelar e não deixá-la tombar. Depois é só colar uma régua para medir", explica.

São Caetano possui Nudecs no Jardim São Caetano, Prosperidade e bairros São José e Fundação. Cada núcleo possui entre 15 e 35 pessoas. A Defesa Civil realiza palestras nos bairros, orienta e apresenta o Plano de Contingenciamento para Inundações.

Em Ribeirão Pires, a prefeitura estuda a implantação de um Nudec, porém não há previsão. As prefeituras de Mauá e Rio Grande da Serra não responderam ao Diário até o fechamento da edição.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bairro Serraria tem seu anjo da guarda

Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

31/01/2011 | 07:35


"Preservar vidas e não recolher corpos". Esse é o lema do coordenador do Nudec (Núcleo Comunitário da Defesa Civil) Hermes Egídio Freitas, 40 anos, do bairro Serraria, em Diadema.

Gildão, como é conhecido, pode ser considerado um anjo da guarda. Mesmo aposentado por invalidez, por conta de problemas nas costas, ele já salvou pelo menos 21 pessoas, desde 1986, quando se mudou para o bairro.

Há dois meses, assumiu como coordenador do segundo Nudec - o outro núcleo é no bairro Eldorado - e, com as orientações dadas pela Defesa Civil e pelos ensinamentos da profissão, salvou 16 pessoas de serem levadas junto com suas residências pelo córrego dos Monteiros, próximo à Rua do Mar, no início do mês.

Segundo a Prefeitura de Diadema, o córrego está sendo canalizado desde o ano passado. O valor da obra é de R$ 13 milhões.

"Por ser vigilante, tive o curso de primeiros-socorros e de combate a incêndios, o que me ajuda ainda mais a salvar vidas. Lembro que chovia muito no sábado (dia 8) e, quando fui ver, a água tinha invadido praticamente a casa de uma mulher da rua. Olhei pelo buraco da porta e vi que a água já estava no pescoço dela. Na hora, com uma marreta, arrombei a porta e consegui salvá-la", afirma.

Naquele fim de semana, a chuva não deu trégua para Hermes e o testou mais uma vez. "No domingo, foi outro dia de muita chuva; de madrugada, escutei um barulho e fui ver o que era. Liguei para a Defesa Civil pedindo orientação, e me disseram para retirar o mais rápido as famílias das residências na beira do córrego. Só lembro que depois que todos saíram, tudo caiu. Foi um milagre não ter acontecido nada com ninguém". Naquela noite, seis casas desabaram, quatro ocupadas por famílias que escaparam.

Quando o tempo fecha e ameaça chover, todos os moradores da rua, próximo ao córrego, podem contar com Hermes. Ele fica atento e pronto para acionar os agentes e o coordenador da Defesa Civil. "Ele sempre está de olho em tudo, é alguém que está no bairro e que pode ajudar, antes mesmo da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros chegarem", afirma o prensista David Nosola, 23.

"Meu objetivo é solucionar ou amenizar os problemas da população, e sei que faço o meu papel e cobro medidas", explica Hermes.

Ao contar da experiência que já passou durante o período de chuvas, Hermes logo cita o salvamento de uma família com quatro crianças, em 1989. "Entrei com a água na cintura para salvar a família. Lembro que as quatro crianças estavam em cima de um colchão, sendo levadas pela água do córrego."

Desde então, Hermes vem registrando a situação das moradias e do córrego e cobrando medidas. "Tiro foto de tudo, para que a administração veja a situação e tome providências. Agora, como coordenador da Nudec, esse contato ficou mais próximo e espero que as coisas melhorem."

INTERDITADAS
Com as chuvas, desde o início do ano, 28 casas foram interditadas pela Defesa Civil de Diadema. Uma delas é a da família da dona de casa Izani Batista da Silva, 18.

"A casa foi comprada há menos de um mês e já foi interditada, por estar próxima das residências que desabaram no início de janeiro. Ficamos com medo, mas não temos para onde ir, não temos parentes onde possamos ficar", explica.

Famílias agradecem ajuda de morador

É triste perder tudo aquilo que foi construído com muito suor, mas agradecemos por estarmos vivos", afirma a dona de casa Maria das Graças da Silva, 46 anos, que vivia há 24 anos na Rua do Mar e perdeu a residência nas chuvas do dia 9.

"O susto foi grande, começamos a ouvir estalos e as rachaduras aparecerem. Chamamos o Gildão e, dez minutos depois da ajuda, tudo veio abaixo. Só conseguimos salvar documentos e roupas", lembra Maria, que atualmente vive com a família no Jardim Ruyce, com o auxílio-aluguel da Prefeitura.

Outra família que agradece a ajuda de Hermes é a da operadora de caixa Marta Cristina Prudêncio Pastori, 24. Há 27 anos, a família dela construiu a residência que ruiu no dia 9.

Com a chuva daquele dia, por volta das 21h, começamos a observar trincas e estalos. Fomos chamar o Hermes para ligar para a Defesa Civil. Ele recebeu a orientação de nos retirar e foi a sorte. Tudo desabou e tenho a agradecer a Deus e a ele", conta.

Marta lembra que há 11 anos, por conta da chuva, parte do banheiro tinha caído. A casa de dois cômodos ganhou o segundo andar há oito anos.

"Meu pai resolveu ampliar a casa, mas não pensávamos que iria acontecer isso. Toda vez que chovia, a água chegava no degrau de casa, mas nunca invadiu", afirma. Atualmente a família mora em casa alugada, no bairro Jardim dos Eucaliptos.

A auxiliar de limpeza Ivanilda de Araújo de Sousa, 52, já previa o pior. A casa dela foi uma das seis residências que desabaram no início do mês, mas a moradora já havia deixado o imóvel havia mais de um mês. "Em novembro, comecei a escutar estalos, depois surgiram as rachaduras de quatro dedos, até que a casa foi interditada; saí em dezembro, com duas netas. Quando soube do desabamento, agradeci por não estar lá."

Neste ano foram removidas na Rua do Mar cerca de 15 famílias, que foram incluídas no programa de renda mínima, modalidade auxílio-aluguel, cujo benefício é de R$ 300 a R$ 350, de acordo com o número de pessoas da família.

Prefeitura de Diadema disse ter aprovado recursos da ordem de R$ 21,6 milhões do governo federal, no âmbito do PAC (Programa de Aceleramento do Crescimento) 2, e mais R$ 13 milhões do programa Minha Casa, Minha Vida para projeto da UAP (Urbanização Integrada de Assentamentos Precários) Gazuza, que inclui a Rua do Mar e mais 11 núcleos habitacionais do município.

 Diadema quer implantar mais 10 núcleos até o fim do ano

 A Defesa Civil de Diadema pretende instalar, ainda em 2011, mais dez Nudecs (Núcleos Comunitários de Defesa Civil). Além do bairro Serraria, outra unidade foi criada em novembro, no Inamar.

 "No próximo mês está prevista a criação no bairro Casa Grande e, até março, na Naval. Estamos fazendo contato com outros bairros, como o Jardim Canhema e Sítio Joaninha", explica o coordenador da Defesa Civil no município, Frank Miller.

Para Miller é fundamental o interesse da população. "No Serraria foram 60 pessoas que participaram da reunião. Procuramos eleger o coordenador do núcleo e outros para que possam ajuda-lo."

TREINAMENTO
Integrantes das comunidades são treinados para formar os núcleos e agir como braços da Defesa Civil na prevenção de acidentes, identificação de problemas de imediato e contato com os órgãos responsáveis, além da interação entre comunidade e Defesa Civil.

Para Miller, o trabalho que Gildão realizou no início do mês mostra a importância do núcleo na prevenção. "Ele, por viver no bairro, pode evitar muitas tragédias até que os órgãos possam chegar no local", pontua o coordenador da Defesa Civil de Diadema.

Para a professora de Engenharia Ambiental da UFABC (Universidade Federal do Grande ABC) Rosana Denaldi, tanto os núcleos quanto a Defesa Civil são importantes para evitar acidentes e tragédias.

"Um não exclui o outro. Mesmo com uma Defesa Civil bem estruturada, por exemplo, é preciso desse apoio dos núcleos comunitários", afirma.

Santo André foi a primeira a instalar os núcleos comunitários

Santo André, São Bernardo e São Caetano, juntas, possuem 30 Nudecs (Núcleos Comunitários da Defesa Civil). Santo André foi a pioneira e mantém o serviço desde 2001.

Ao todo são 15 núcleos e 300 moradores capacitados pelo treinamento oferecido por equipes da Defesa Civil, Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), profissionais da área de Saúde da Prefeitura e do Corpo de Bombeiros.

Em São Bernardo, são 11 núcleos, que abrangem mais de 20 comunidades, implantados desde 2009. "São núcleos criados para atender áreas vulneráveis. Além de capacitar, é preciso sensibilizar as lideranças sobre a importância", afirma o responsável pela Defesa Civil Luiz Bongiovanni.

Além do monitoramento, os núcleos criam o próprio pluviômetro. "É só pegar uma garrafa PET que tenha paredes retas, misturar água e cimento e colocar no fundo da garrafa para nivelar e não deixá-la tombar. Depois é só colar uma régua para medir", explica.

São Caetano possui Nudecs no Jardim São Caetano, Prosperidade e bairros São José e Fundação. Cada núcleo possui entre 15 e 35 pessoas. A Defesa Civil realiza palestras nos bairros, orienta e apresenta o Plano de Contingenciamento para Inundações.

Em Ribeirão Pires, a prefeitura estuda a implantação de um Nudec, porém não há previsão. As prefeituras de Mauá e Rio Grande da Serra não responderam ao Diário até o fechamento da edição.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;