Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Paço de Mauá e FUABC iniciam costura de acordo

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Município e entidade voltam a falar a mesma língua sobre valores de dívidas; Atila garante pagamento a demitidos


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

08/12/2017 | 07:00


A Prefeitura de Mauá e a FUABC (Fundação do ABC) começam a falar a mesma língua no que se refere à dívida cobrada pela entidade referente a serviços prestados e não pagos pelo município a dois meses do fim do contrato.

Ontem, em reunião entre comissões das duas partes, os valores voltaram a ser debatidos. Enquanto a FUABC reivindica passivo na ordem de R$ 123 milhões, o município discorda do débito e pede comprovação desse deficit.

Embora o caso não tenha sido encerrado definitivamente no encontro de ontem, os discursos da FUABC e do governo do prefeito Atila Jacomussi (PSB) já indicam início de consenso. “Os valores da dívida da Prefeitura com a FUABC, apesar de ainda divergentes, já estão muito mais próximos, o que sinaliza que as partes possivelmente chegarão a um número consensual em breve, com solução definitiva para a situação”, informou a entidade, por meio de nota.

Atila, por sua vez, disse que “foi uma conversa muito boa com a Fundação”. O chefe do Executivo revelou que pautou na reunião o imbróglio que envolve o não pagamento de direitos trabalhistas a servidores demitidos que atuavam nos equipamentos de Saúde da cidade via FUABC. “Estamos trabalhando duro para poder liberar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e o seguro-desemprego de quem foi desligado da FUABC em Mauá. Estou otimista. Acredito que o mais rápido possível conseguiremos solucionar esse impasse. Estamos dependendo de recurso do governo do Estado, de repasses para Mauá que estão em atraso. O governo do Estado nos deve R$ 6,5 milhões no complemento do custeio da Saúde”, destacou o prefeito, sem citar datas.

O caso já se arrasta desde o primeiro semestre e, na terça-feira, ex-funcionários da entidade paralisaram a sessão e ocuparam o plenário da Câmara por cinco horas. “Estamos dialogando com os verdadeiros trabalhadores. Porque há muita interferência política, muita gente do meio político querendo pegar carona. O movimento (de terça-feira, na Câmara) foi político. Tanto que fizeram parte o presidente do PT (Getúlio Júnior) e do Psol (André Sapanos)”, frisou Atila.

Na tarde de ontem, o governo informou que a reunião com grupo de demitidos para debater a solução do impasse não ocorreu porque os ex-funcionários “não apareceram”. Por outro lado, o grupo alegou que o local onde ocorreria a reunião teria sido mudado da FUABC para o Paço de “última hora”. Esse bloco também realizou protesto na região central e acusou funcionários da Prefeitura de impedirem a manifestação com agressões. O caso foi registrado no 1º DP (Centro).

Embora iniciem acordo, o futuro da FUABC em Mauá segue incerto. O contrato vigente vence no fim de fevereiro e a entidade externou formalmente interesse em continuar gerenciando a Saúde do município. Entre os equipamentos está o Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;