Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Advogado paraguaio pede extradiçao de Stroessner


Do Diário do Grande ABC

14/04/1999 | 11:47


O advogado Martín Almada, representante da Associaçao Americana de Juristas, pediu esta quarta-feira ao juiz espanhol Baltasar Garzón que solicite ao Brasil a extradiçao do ex-ditador paraguaio Alfredo Stroessner, para processá-lo por crime de genocídio.

Stroessner está asilado no Brasil há 10 anos e seu visto de residente vence em agosto, afirmou o advogado, atual presidente do Tribunal Ético contra a Impunidade, no Paraguai. Em seu testemunho diante de Garzón, o advogado paraguaio denunciou a ``participaçao direta'' da Agência Central de Inteligência norte-americana (CIA) na sinistra ``Operaçao Condor'', uma rede repressiva militar que operou nos anos 70 e 80 na América do Sul.

Segundo disse Almada, participaram deste plano repressivo cerca de 90. 000 militares argentinos, chilenos, paraguaios, uruguaios e de outros países sulamericanos, ressaltando que ``oficialmente é possível apresentar provas documentais contra 46.000 militares implicados, mas este número pode ser o dobro''. O advogado também denunciou ``as atuaçoes da Interpol paraguaia'' na repressao militar, durante a ditadura de Stroessner (1954-89).

O escritor paraguaio Augusto Roa Bastos, que na semana passada disse na Espanha que apóia categoricamente a petiçao de extradiçao de Stroessner, iria acompanhar o advogado em seu depoimento perante Garzon, mas nao compareceu por problemas de saúde. ``Eu confio na justiça espanhola'', afirmou Almada antes de responsabilizar o ex-ditador chileno (1973-90) Augusto Pinochet como o principal gestor e promotor da Operaçao Condor.

Almada - descobridor em 1992, no Paraguai, dos "Arquivos do Terror" relacionados com a Operaçao Condor - entregou a Garzón uma série de documentos para comprovar suas denúncias. Ele relatou especialmente o caso de um chileno que foi entregue pelo Paraguai ao Chile e que posteriormente ``desapareceu depois de ser torturado'' na chamada Villa Grimaldi, de Santiago. ``Este é um caso que evidencia o poder que Pinochet tinha sobre Stroessner'', afirmou o advogado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Advogado paraguaio pede extradiçao de Stroessner

Do Diário do Grande ABC

14/04/1999 | 11:47


O advogado Martín Almada, representante da Associaçao Americana de Juristas, pediu esta quarta-feira ao juiz espanhol Baltasar Garzón que solicite ao Brasil a extradiçao do ex-ditador paraguaio Alfredo Stroessner, para processá-lo por crime de genocídio.

Stroessner está asilado no Brasil há 10 anos e seu visto de residente vence em agosto, afirmou o advogado, atual presidente do Tribunal Ético contra a Impunidade, no Paraguai. Em seu testemunho diante de Garzón, o advogado paraguaio denunciou a ``participaçao direta'' da Agência Central de Inteligência norte-americana (CIA) na sinistra ``Operaçao Condor'', uma rede repressiva militar que operou nos anos 70 e 80 na América do Sul.

Segundo disse Almada, participaram deste plano repressivo cerca de 90. 000 militares argentinos, chilenos, paraguaios, uruguaios e de outros países sulamericanos, ressaltando que ``oficialmente é possível apresentar provas documentais contra 46.000 militares implicados, mas este número pode ser o dobro''. O advogado também denunciou ``as atuaçoes da Interpol paraguaia'' na repressao militar, durante a ditadura de Stroessner (1954-89).

O escritor paraguaio Augusto Roa Bastos, que na semana passada disse na Espanha que apóia categoricamente a petiçao de extradiçao de Stroessner, iria acompanhar o advogado em seu depoimento perante Garzon, mas nao compareceu por problemas de saúde. ``Eu confio na justiça espanhola'', afirmou Almada antes de responsabilizar o ex-ditador chileno (1973-90) Augusto Pinochet como o principal gestor e promotor da Operaçao Condor.

Almada - descobridor em 1992, no Paraguai, dos "Arquivos do Terror" relacionados com a Operaçao Condor - entregou a Garzón uma série de documentos para comprovar suas denúncias. Ele relatou especialmente o caso de um chileno que foi entregue pelo Paraguai ao Chile e que posteriormente ``desapareceu depois de ser torturado'' na chamada Villa Grimaldi, de Santiago. ``Este é um caso que evidencia o poder que Pinochet tinha sobre Stroessner'', afirmou o advogado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;