Fechar
Publicidade

Domingo, 13 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Feirão imobiliário da Caixa termina neste domingo


Leandro Cervantes
Do Diário do Grande ABC

29/04/2006 | 08:41


Os interessados em comprar um imóvel e que pretendem conferir as ofertas do Feirão Caixa da Casa Própria devem se apressar. O evento, que começou na quinta-feira com mais de 43 mil imóveis na Capital e Grande São Paulo em comercialização, termina neste domingo.

Com centenas de construtoras e dezenas de imobiliárias, além dos serviços de atendimento da Caixa e de cartórios reunidos em um só local, o Feirão recebeu a visita de aproximadamente 45 mil pessoas somente nos primeiros dois dias. E a expectativa da Caixa é que mais de 105 mil pessoas visitem o evento nesse final de semana. Portanto, é bom reservar uma boa dose de disposição. Na sexta-feira, algumas filas chegavam a demorar mais de hora até o atendimento.

Separados por setores – novos, usados e adjudicados (retomados pela Caixa por inadimplência), os imóveis mais procurados eram desses dois últimos tipos. “Vim à procura de um imóvel usado por conta do preço, que imagino ser mais acessível. Mas também vou olhar os novos. Tá tudo aqui perto”, afirmou a publicitária de São Bernardo, Cristiane Rabello, que buscava uma casa na mesma cidade e disse ter esperado uma hora e meia na fila para conferir as ofertas desse tipo.

Os imóveis novos e na planta estão agrupados em estandes separados por região. Somente do Grande ABC foram postos em comercialização mais de 1,8 mil imóveis novos, cerca de 300 usados e 102 adjudicados. “Somente com os imóveis do Grande ABC, esperamos um volume de negócios fechados no Feirão cerca de 50% maior que o ano passado”, afirma po gerente regional da Caixa, Marcelo Damião.

Segundo ele, no ano passado foram comercializadas cerca de 30 unidades novas diretamente do evento e esse ano a expectativa e que esse número chegue a 40. “Mas o principal é o que vem depois do feirão. Muitos negócios começam aqui, com o interesse, e serão fechados ao longo das próxima semanas. As pessoas querem consultar a família e ver bem o local.”

É o caso do analista de telecomunicações Carlos Eduardo Machado, que procurava um imóvel em São Bernardo. “O Feirão chama a atenção pela estrutura. Vim à procura de uma casa, mas pode ser apartamento. O que vai prevalecer é o valor. Mas é só para pesquisar, depois vou com minha noiva conferir o local”, afirmou.

A concentração de serviços e a grande variedade de ofertas foram os pontos que mais atraíram os visitantes. “Estou aqui porque encontro tudo, centralizado. Tem muitas opções e é mais fácil procurar as oportunidades”, disse o inspetor de qualidade Ogi Monteiro, que foi com a mulher, a filha e a mãe procurar uma casa em São Bernardo.

Nem todo mundo, no entanto, saiu satisfeito do evento. “Isto aqui parece mais uma reunião e corretores e construtoras. Não há nada de especial. O que tem aqui, se acha diretamente nas imobiliárias ou agências da Caixa, sem pegar filas”, desabafava o comerciante Valdir Alves, de Santo André, na saída do setor de usados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Feirão imobiliário da Caixa termina neste domingo

Leandro Cervantes
Do Diário do Grande ABC

29/04/2006 | 08:41


Os interessados em comprar um imóvel e que pretendem conferir as ofertas do Feirão Caixa da Casa Própria devem se apressar. O evento, que começou na quinta-feira com mais de 43 mil imóveis na Capital e Grande São Paulo em comercialização, termina neste domingo.

Com centenas de construtoras e dezenas de imobiliárias, além dos serviços de atendimento da Caixa e de cartórios reunidos em um só local, o Feirão recebeu a visita de aproximadamente 45 mil pessoas somente nos primeiros dois dias. E a expectativa da Caixa é que mais de 105 mil pessoas visitem o evento nesse final de semana. Portanto, é bom reservar uma boa dose de disposição. Na sexta-feira, algumas filas chegavam a demorar mais de hora até o atendimento.

Separados por setores – novos, usados e adjudicados (retomados pela Caixa por inadimplência), os imóveis mais procurados eram desses dois últimos tipos. “Vim à procura de um imóvel usado por conta do preço, que imagino ser mais acessível. Mas também vou olhar os novos. Tá tudo aqui perto”, afirmou a publicitária de São Bernardo, Cristiane Rabello, que buscava uma casa na mesma cidade e disse ter esperado uma hora e meia na fila para conferir as ofertas desse tipo.

Os imóveis novos e na planta estão agrupados em estandes separados por região. Somente do Grande ABC foram postos em comercialização mais de 1,8 mil imóveis novos, cerca de 300 usados e 102 adjudicados. “Somente com os imóveis do Grande ABC, esperamos um volume de negócios fechados no Feirão cerca de 50% maior que o ano passado”, afirma po gerente regional da Caixa, Marcelo Damião.

Segundo ele, no ano passado foram comercializadas cerca de 30 unidades novas diretamente do evento e esse ano a expectativa e que esse número chegue a 40. “Mas o principal é o que vem depois do feirão. Muitos negócios começam aqui, com o interesse, e serão fechados ao longo das próxima semanas. As pessoas querem consultar a família e ver bem o local.”

É o caso do analista de telecomunicações Carlos Eduardo Machado, que procurava um imóvel em São Bernardo. “O Feirão chama a atenção pela estrutura. Vim à procura de uma casa, mas pode ser apartamento. O que vai prevalecer é o valor. Mas é só para pesquisar, depois vou com minha noiva conferir o local”, afirmou.

A concentração de serviços e a grande variedade de ofertas foram os pontos que mais atraíram os visitantes. “Estou aqui porque encontro tudo, centralizado. Tem muitas opções e é mais fácil procurar as oportunidades”, disse o inspetor de qualidade Ogi Monteiro, que foi com a mulher, a filha e a mãe procurar uma casa em São Bernardo.

Nem todo mundo, no entanto, saiu satisfeito do evento. “Isto aqui parece mais uma reunião e corretores e construtoras. Não há nada de especial. O que tem aqui, se acha diretamente nas imobiliárias ou agências da Caixa, sem pegar filas”, desabafava o comerciante Valdir Alves, de Santo André, na saída do setor de usados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;