Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ex-ministra de Dilma critica nova secretária de Mulheres

Marina Brandão/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Eleonora Menicucci questiona a ex-deputada Fátima Pelaes, nomeada por Michel Temer


Vitória Rocha
Especial para o Diário

13/06/2016 | 07:00


Ex-ministra da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres da Presidência da República, Eleonora Menicucci (PT-MG) criticou a postura da ex-deputada Fátima Pelaes (PMDB-AP), nomeada para a Pasta há duas semanas. Evangélica, a peemedebista se declarou abertamente contra o aborto, inclusive em caso de estupro, questão permitida pelo artigo 128 da Lei número 2.848, de 1940. Por conta de questionamentos de movimentos sociais e da sociedade civil sobre o assunto, Fátima corre o risco de ser retirada da secretaria.

Em evento internacional com mulheres guerrilheiras da América Latina promovido, no dia 4, pelo Centro de Memória de Santo André em parceria com a Prefeitura, Eleonora também ironizou o fato de o presidente interino Michel Temer (PMDB) colocar em seu lugar uma ex-deputada acusa de desviar de R$ 4 milhões de emenda parlamentar. “Não se pode misturar crenças pessoais com política, com gestão pública. É preciso pensar no bem-estar da mulher. Criticam minha gestão, mas diminuímos a violência contra mulher no País. Acho engraçado que aquele que liderou o golpe, o Temer, tenha colocado uma mulher investigada no meu lugar.”

Para a ex-ministra, a presidente Dilma Rousseff (PT), afastada por até 180 dias para prosseguimento do processo de impeachment, teve apoio do governo e do partido. “Eu estou lá em Brasília há mais de cinco anos e não concordo com essa perspectiva (de que faltou amparo). O PT deu todo apoio para ela, visto agora como estamos vendo o que está acontecendo nas ruas. Acredito que (o impeachment) possa ser revertido no Senado, mas também quero deixar claro que a articulação golpista é muito forte, muito consolidada e nós não podemos colocar salto alto”, avaliou.

Eleonora afirmou que a presidente não cometeu crimes e que é por isso que está sofrendo impeachment. “Eu vejo de uma injustiça absoluta, inominável (a deposição de Dilma), porque ela é uma mulher decente, honesta, sem crime nenhum de responsabilidade.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ex-ministra de Dilma critica nova secretária de Mulheres

Eleonora Menicucci questiona a ex-deputada Fátima Pelaes, nomeada por Michel Temer

Vitória Rocha
Especial para o Diário

13/06/2016 | 07:00


Ex-ministra da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres da Presidência da República, Eleonora Menicucci (PT-MG) criticou a postura da ex-deputada Fátima Pelaes (PMDB-AP), nomeada para a Pasta há duas semanas. Evangélica, a peemedebista se declarou abertamente contra o aborto, inclusive em caso de estupro, questão permitida pelo artigo 128 da Lei número 2.848, de 1940. Por conta de questionamentos de movimentos sociais e da sociedade civil sobre o assunto, Fátima corre o risco de ser retirada da secretaria.

Em evento internacional com mulheres guerrilheiras da América Latina promovido, no dia 4, pelo Centro de Memória de Santo André em parceria com a Prefeitura, Eleonora também ironizou o fato de o presidente interino Michel Temer (PMDB) colocar em seu lugar uma ex-deputada acusa de desviar de R$ 4 milhões de emenda parlamentar. “Não se pode misturar crenças pessoais com política, com gestão pública. É preciso pensar no bem-estar da mulher. Criticam minha gestão, mas diminuímos a violência contra mulher no País. Acho engraçado que aquele que liderou o golpe, o Temer, tenha colocado uma mulher investigada no meu lugar.”

Para a ex-ministra, a presidente Dilma Rousseff (PT), afastada por até 180 dias para prosseguimento do processo de impeachment, teve apoio do governo e do partido. “Eu estou lá em Brasília há mais de cinco anos e não concordo com essa perspectiva (de que faltou amparo). O PT deu todo apoio para ela, visto agora como estamos vendo o que está acontecendo nas ruas. Acredito que (o impeachment) possa ser revertido no Senado, mas também quero deixar claro que a articulação golpista é muito forte, muito consolidada e nós não podemos colocar salto alto”, avaliou.

Eleonora afirmou que a presidente não cometeu crimes e que é por isso que está sofrendo impeachment. “Eu vejo de uma injustiça absoluta, inominável (a deposição de Dilma), porque ela é uma mulher decente, honesta, sem crime nenhum de responsabilidade.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;