Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Orquestrinha de bolso para chorões

Intitulada 'Choro 100', coleção de livro com CD permite ao aluno tocar com grandes músicos do gênero


Melina Dias
Do Diário do Grande ABC

29/12/2008 | 07:07


Que nos últimos anos vêm se renovando a legião de seguidores e praticantes do choro não há dúvida. No Grande ABC, mesmo, região onde historicamente não há tradição, cada vez mais abrimos espaço nestas páginas para os chorões. O gênero já rendeu encontros musicais memoráveis por aqui, como os concertos da Sinfônica de Santo André com o mais importante quarteto feminino do País, as Choronas, ano passado.

Existem hoje dezenas de grupos em atividade, boa parte formada por jovens ávidos por conhecimento. E falta material didático. Para suprir esta lacuna chega às livrarias e lojas especializadas a coleção Choro 100, uma realização da gravadora carioca Biscoito Fino, sempre criteriosa ao colocar produtos no mercado.

Como a maioria das idéias bacanas, o projeto é simples. O livro é um misto de songbook e dados históricos, sempre acompanhado de um CD, mixado de modo a permitir a interatividade do ouvinte/ praticante. Em um equipamento estéreo, pode-se escutar de um lado o instrumento isoladamente e no outro o restante da roda de choro. São seis volumes, cada um dedicado a um instrumento: cavaquinho, pandeiro, sopros, violão, bandolim e baixo. Os primeiros a serem lançados são pandeiro e violão, com valor sugerido de R$ 49.

É uma espécie de karaokê musical, ou "uma orquestrinha de bolso" como prefere definir no prefácio Hermínio Bello de Carvalho, agitador cultural, poeta, produtor musical, compositor e descobridor de talentos - que tocou e dirigiu ‘Deus e o mundo', de Cartola a Paulinho da Viola.

Para cada caderno bilíngüe (português/inglês) foi chamado um dos músicos do grupo Nó em Pingo d'Água, que desde os anos 1990 é referência na música instrumental. Faltava um cavaquinista e convocou-se Jayme Vignoli.

Tome-se como exemplo o volume dedicado ao pandeiro, assinado por Celsinho Silva. Na abertura Jorginho do Pandeiro louva a iniciativa. Seguem-se explicações sobre as partes do instrumento, sua história, uma lista de grandes pandeiristas e breves biografias, a técnica (movimento básico, divisão rítmica para choro, samba, polca, maxixe e baião), comentários sobre as 13 músicas do disco (cada uma apresenta uma levada diferente), as respectivas partituras e, finalmente, o CD encartado.

Trechos

"A idéia deste projeto surgiu quando percebi a quase inexistência de material didático para músicos interessados em aprofundar-se no estudo do choro. Digo quase porque quando existe algo é difícil de ser encontrado. (...) Os arranjos foram gravados na forma e no tom em que costumam ser tocados nas rodas de choro - que não é necessariamente a tonalidade escolhida pelo compositor da música.

Optamos por manter na execução, pequenas modificações e a surpresa de alguns improvisos, para dar ao resultado final a credibilidade do que se ouve em uma autêntica roda de choro. Essas variações forçam o estudante a praticar a percepção, tirando alguns detalhes ‘de ouvido'. Dessa forma, mantemos um pouco da didática intuitiva utilizada no universo do choro, pela qual todos os grandes chorões de outrora tocavam e estudavam."
- Rodrigo de Castro Lopes, produtor geral do projeto

"A gente nunca sabe quem foi o primeiro professor de música nem a identidade daquele menino, que, curioso, atravessou a sala de aula com seu instrumento debaixo do braço. E nem quando isso se deu.

Por exemplo: meu professor de violão, o açougueiro açoriano Antonio Rebello, foi discípulo de Quincas Laranjeiras, que segundo consta, foi precursor do ensino por música do nosso mais popular instrumento. Depois, Mestre Rebello e Luiz Bonfá foram estudar com Isaias Sávio, e dessa escola-matriz foram surgindo Turíbio Santos (...).
- Hermínio Bello de Carvalho, no prefácio de Choro 100

"Quando o choro surgiu, em meados do século 19, músicos encontravam-se em casas de amigos, festas, bares e em salões da cidade, ainda que naquela época a maioria dos músicos de choro não tivesse relação profissional com a música. Nascido no Rio de Janeiro, ainda com influência da música européia, o choro não utilizava instrumentos rítmicos, que viriam a ser incorporados anos mais tarde. Os grupos de músicos que se reuniam para tocar eram formados apenas por flauta, violão e cavaquinho. O conjunto de choro formado por Joaquim da Silva Callado, flautista e compositor, talvez tenha sido o primeiro dos grupos da história do choro. O pandeiro só viria a participar da formação de um grupo regional de choro por intermédio do músico Jacó Palmieri, pandeirista do conjunto Os Oito Batutas, formado em 1919 com Pixinguinha (flauta), Donga (violão) (...) o primeiro grupo de que se tem notícia a utilizar o pandeiro e o primeiro grupo de MPB a se apresentar no Exterior."
- Choro 100 - Pandeiro, por Celsinho Silva



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Orquestrinha de bolso para chorões

Intitulada 'Choro 100', coleção de livro com CD permite ao aluno tocar com grandes músicos do gênero

Melina Dias
Do Diário do Grande ABC

29/12/2008 | 07:07


Que nos últimos anos vêm se renovando a legião de seguidores e praticantes do choro não há dúvida. No Grande ABC, mesmo, região onde historicamente não há tradição, cada vez mais abrimos espaço nestas páginas para os chorões. O gênero já rendeu encontros musicais memoráveis por aqui, como os concertos da Sinfônica de Santo André com o mais importante quarteto feminino do País, as Choronas, ano passado.

Existem hoje dezenas de grupos em atividade, boa parte formada por jovens ávidos por conhecimento. E falta material didático. Para suprir esta lacuna chega às livrarias e lojas especializadas a coleção Choro 100, uma realização da gravadora carioca Biscoito Fino, sempre criteriosa ao colocar produtos no mercado.

Como a maioria das idéias bacanas, o projeto é simples. O livro é um misto de songbook e dados históricos, sempre acompanhado de um CD, mixado de modo a permitir a interatividade do ouvinte/ praticante. Em um equipamento estéreo, pode-se escutar de um lado o instrumento isoladamente e no outro o restante da roda de choro. São seis volumes, cada um dedicado a um instrumento: cavaquinho, pandeiro, sopros, violão, bandolim e baixo. Os primeiros a serem lançados são pandeiro e violão, com valor sugerido de R$ 49.

É uma espécie de karaokê musical, ou "uma orquestrinha de bolso" como prefere definir no prefácio Hermínio Bello de Carvalho, agitador cultural, poeta, produtor musical, compositor e descobridor de talentos - que tocou e dirigiu ‘Deus e o mundo', de Cartola a Paulinho da Viola.

Para cada caderno bilíngüe (português/inglês) foi chamado um dos músicos do grupo Nó em Pingo d'Água, que desde os anos 1990 é referência na música instrumental. Faltava um cavaquinista e convocou-se Jayme Vignoli.

Tome-se como exemplo o volume dedicado ao pandeiro, assinado por Celsinho Silva. Na abertura Jorginho do Pandeiro louva a iniciativa. Seguem-se explicações sobre as partes do instrumento, sua história, uma lista de grandes pandeiristas e breves biografias, a técnica (movimento básico, divisão rítmica para choro, samba, polca, maxixe e baião), comentários sobre as 13 músicas do disco (cada uma apresenta uma levada diferente), as respectivas partituras e, finalmente, o CD encartado.

Trechos

"A idéia deste projeto surgiu quando percebi a quase inexistência de material didático para músicos interessados em aprofundar-se no estudo do choro. Digo quase porque quando existe algo é difícil de ser encontrado. (...) Os arranjos foram gravados na forma e no tom em que costumam ser tocados nas rodas de choro - que não é necessariamente a tonalidade escolhida pelo compositor da música.

Optamos por manter na execução, pequenas modificações e a surpresa de alguns improvisos, para dar ao resultado final a credibilidade do que se ouve em uma autêntica roda de choro. Essas variações forçam o estudante a praticar a percepção, tirando alguns detalhes ‘de ouvido'. Dessa forma, mantemos um pouco da didática intuitiva utilizada no universo do choro, pela qual todos os grandes chorões de outrora tocavam e estudavam."
- Rodrigo de Castro Lopes, produtor geral do projeto

"A gente nunca sabe quem foi o primeiro professor de música nem a identidade daquele menino, que, curioso, atravessou a sala de aula com seu instrumento debaixo do braço. E nem quando isso se deu.

Por exemplo: meu professor de violão, o açougueiro açoriano Antonio Rebello, foi discípulo de Quincas Laranjeiras, que segundo consta, foi precursor do ensino por música do nosso mais popular instrumento. Depois, Mestre Rebello e Luiz Bonfá foram estudar com Isaias Sávio, e dessa escola-matriz foram surgindo Turíbio Santos (...).
- Hermínio Bello de Carvalho, no prefácio de Choro 100

"Quando o choro surgiu, em meados do século 19, músicos encontravam-se em casas de amigos, festas, bares e em salões da cidade, ainda que naquela época a maioria dos músicos de choro não tivesse relação profissional com a música. Nascido no Rio de Janeiro, ainda com influência da música européia, o choro não utilizava instrumentos rítmicos, que viriam a ser incorporados anos mais tarde. Os grupos de músicos que se reuniam para tocar eram formados apenas por flauta, violão e cavaquinho. O conjunto de choro formado por Joaquim da Silva Callado, flautista e compositor, talvez tenha sido o primeiro dos grupos da história do choro. O pandeiro só viria a participar da formação de um grupo regional de choro por intermédio do músico Jacó Palmieri, pandeirista do conjunto Os Oito Batutas, formado em 1919 com Pixinguinha (flauta), Donga (violão) (...) o primeiro grupo de que se tem notícia a utilizar o pandeiro e o primeiro grupo de MPB a se apresentar no Exterior."
- Choro 100 - Pandeiro, por Celsinho Silva

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;