Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

São Caetano iguala pior série sem vencer da história

Equipe já não triunfa há 15 jogos; última vez em que saiu de campo vencedora foi em setembro de 2018


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

27/02/2019 | 07:00


O São Caetano vive a pior fase de sua história justamente na temporada em que completa três décadas de fundação. A derrota de virada para o Guarani, sábado, em Campinas, pelo Paulistão, fez o Azulão igualar a maior série sem vitórias desses 29 anos de vida: 15 jogos, o mesmo número da temporada 2006, quando foi rebaixado e se despediu do Campeonato Brasileiro da Série A. Restando quatro rodadas para o encerramento da primeira fase do Estadual, time, comissão técnica e dirigentes buscam alternativas para pôr fim ao mau momento, evitando uma desastrosa degola.

No Brasileirão-2006 os são-caetanenses ficaram de 20 de agosto até 5 de novembro (dois meses e meio) sem vencer, colecionando três empates e 12 derrotas – em uma Primeira Divisão nacional, vale destacar. Agora, o período (em dias) é maior, já que o time não triunfa desde a primeira fase da Copa Paulista de 2018, em 15 de setembro, quando bateu o Santos B, por 2 a 1. De lá para cá, somando as duas competições estaduais, foram oito empates e sete derrotas em um período superior a cinco meses.

Em caso de empate ou derrota frente ao Mirassol, sexta-feira, às 18h45, no Estádio Anacleto Campanella, o Azulão alcançará seu maior período sem vitórias no jogo de número 1.412 da história – segundo dados do historiador do clube, José Pires Maia, o Zezé.

Em comparação com aquela época, a diretoria trocou três vezes de treinador para tentar reverter a situação e evitar a queda à Série B. PC Gusmão, Hélio dos Anjos, Dino Camargo (interinamente) e Dorival Júnior tentaram salvar o Azulão, mas não conseguiram. Desta vez, o técnico Pintado é quem está no comando do time durante todo este período e ganhou mais um voto de confiança da diretoria. Com contrato até o fim de 2020, o comandante utilizou a Copa Paulista do ano passado para realizar testes e definir o grupo para o Paulistão 2019. Afinal, o clube já detinha vaga na Série D nacional – a competição, inclusive, começa no dia 5 de maio e vai até 18 de agosto. Entretanto, em campo os resultados ainda não vieram.

E os números pesam contra o São Caetano: passadas oito rodadas, não bastasse o fato de ainda não ter vencido, o time ostenta a pior defesa do Paulistão, com 16 gols sofridos (média de dois por partida). E os quatro últimos compromissos da equipe no Paulistão prometem ser complicados, diante de adversários que lutam pela classificação às quartas de final: depois de receber o Mirassol, enfrenta Novorizontino (em Novo Horizonte), Ferroviária (em Araraquara) e São Paulo (em casa, no Anacleto Campanella). 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Caetano iguala pior série sem vencer da história

Equipe já não triunfa há 15 jogos; última vez em que saiu de campo vencedora foi em setembro de 2018

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

27/02/2019 | 07:00


O São Caetano vive a pior fase de sua história justamente na temporada em que completa três décadas de fundação. A derrota de virada para o Guarani, sábado, em Campinas, pelo Paulistão, fez o Azulão igualar a maior série sem vitórias desses 29 anos de vida: 15 jogos, o mesmo número da temporada 2006, quando foi rebaixado e se despediu do Campeonato Brasileiro da Série A. Restando quatro rodadas para o encerramento da primeira fase do Estadual, time, comissão técnica e dirigentes buscam alternativas para pôr fim ao mau momento, evitando uma desastrosa degola.

No Brasileirão-2006 os são-caetanenses ficaram de 20 de agosto até 5 de novembro (dois meses e meio) sem vencer, colecionando três empates e 12 derrotas – em uma Primeira Divisão nacional, vale destacar. Agora, o período (em dias) é maior, já que o time não triunfa desde a primeira fase da Copa Paulista de 2018, em 15 de setembro, quando bateu o Santos B, por 2 a 1. De lá para cá, somando as duas competições estaduais, foram oito empates e sete derrotas em um período superior a cinco meses.

Em caso de empate ou derrota frente ao Mirassol, sexta-feira, às 18h45, no Estádio Anacleto Campanella, o Azulão alcançará seu maior período sem vitórias no jogo de número 1.412 da história – segundo dados do historiador do clube, José Pires Maia, o Zezé.

Em comparação com aquela época, a diretoria trocou três vezes de treinador para tentar reverter a situação e evitar a queda à Série B. PC Gusmão, Hélio dos Anjos, Dino Camargo (interinamente) e Dorival Júnior tentaram salvar o Azulão, mas não conseguiram. Desta vez, o técnico Pintado é quem está no comando do time durante todo este período e ganhou mais um voto de confiança da diretoria. Com contrato até o fim de 2020, o comandante utilizou a Copa Paulista do ano passado para realizar testes e definir o grupo para o Paulistão 2019. Afinal, o clube já detinha vaga na Série D nacional – a competição, inclusive, começa no dia 5 de maio e vai até 18 de agosto. Entretanto, em campo os resultados ainda não vieram.

E os números pesam contra o São Caetano: passadas oito rodadas, não bastasse o fato de ainda não ter vencido, o time ostenta a pior defesa do Paulistão, com 16 gols sofridos (média de dois por partida). E os quatro últimos compromissos da equipe no Paulistão prometem ser complicados, diante de adversários que lutam pela classificação às quartas de final: depois de receber o Mirassol, enfrenta Novorizontino (em Novo Horizonte), Ferroviária (em Araraquara) e São Paulo (em casa, no Anacleto Campanella). 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;