Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Com medo da Sars, asiáticos param de cuspir no chão


Da AFP

21/05/2003 | 10:18


A epidemia de Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) que afeta a Ásia conseguiu o que várias campanhas públicas tentaram sem êxito: acabar com o mau hábito dos asiáticos de cuspir no chão. O hábito é comum em muitas cidades da região, onde, com exceção do Japão, as normas de higiene estão muito abaixo das que são comuns em diversos países industrializados.

"Acho que a Sars pôs em evidência nossas contradições em relação aos costumes de higiene pessoal", disse Braema Mathi, parlamentar em Cingapura. "Se há um lado positivo na Sars é que nos permitiu perceber que éramos demasiadamente laxistas (aqueles que têm tendência a fugir à lei) e que não podemos aceitar tais comportamentos", afirmou Mathi, que também integra a direção de um hospital.

Em Cingapura, onde os regulamentos são bastantes rigorosos, 11 infratores foram condenados a pagar US$ 170 de multa cada um ao serem surpreendidos cuspindo em lugares públicos. Um homem que não atendeu às advertências foi detido e os multados nem se atreveram a tossir quando compareceram ante o tribunal, disse o jornal Streots Times, que publica as fotos dos infratores para servir de exemplo.

Limpesa - Até agora, a Sars já infectou quase oito mil pessoas no mundo e 660 morreram, a maioria no leste da Ásia, na China, Hong Kong, Taiwan e Cingapura. Neste último três países, as autoridades iniciaram em maio uma grande campanha para a limpeza de locais públicos, inclusive banheiros.

Na China, as administrações da capital, o Exército, os estudantes e as empresas foram obrigados a fazer a limpeza de seus locais, como parte de uma campanha para evitar a propagação do vírus.

Em Cantão, na Província meridional chinesa de Guangdong, onde a epidemia começou em novembro do ano passado (fato reconhecido pelas autoridades somente cinco meses mais tarde), uma patrulha sanitária formada por cerca de mil pessoas percorreu as ruas para evitar as cuspidas. Os infratores devem pagar uma multa de 50 iuanes (US$ 6) e ainda limpar o que sujaram.

Em várias ocasiões no passado, a China lançou campanhas para acabar com esse costume, mas sem grande sucesso porque a prática continuou sendo muito comum, principalmente nas cidades onde a qualidade do ar é má, o que obriga os habitantes a limpar a garganta e, "naturalmente", cuspir, segundo os médicos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com medo da Sars, asiáticos param de cuspir no chão

Da AFP

21/05/2003 | 10:18


A epidemia de Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) que afeta a Ásia conseguiu o que várias campanhas públicas tentaram sem êxito: acabar com o mau hábito dos asiáticos de cuspir no chão. O hábito é comum em muitas cidades da região, onde, com exceção do Japão, as normas de higiene estão muito abaixo das que são comuns em diversos países industrializados.

"Acho que a Sars pôs em evidência nossas contradições em relação aos costumes de higiene pessoal", disse Braema Mathi, parlamentar em Cingapura. "Se há um lado positivo na Sars é que nos permitiu perceber que éramos demasiadamente laxistas (aqueles que têm tendência a fugir à lei) e que não podemos aceitar tais comportamentos", afirmou Mathi, que também integra a direção de um hospital.

Em Cingapura, onde os regulamentos são bastantes rigorosos, 11 infratores foram condenados a pagar US$ 170 de multa cada um ao serem surpreendidos cuspindo em lugares públicos. Um homem que não atendeu às advertências foi detido e os multados nem se atreveram a tossir quando compareceram ante o tribunal, disse o jornal Streots Times, que publica as fotos dos infratores para servir de exemplo.

Limpesa - Até agora, a Sars já infectou quase oito mil pessoas no mundo e 660 morreram, a maioria no leste da Ásia, na China, Hong Kong, Taiwan e Cingapura. Neste último três países, as autoridades iniciaram em maio uma grande campanha para a limpeza de locais públicos, inclusive banheiros.

Na China, as administrações da capital, o Exército, os estudantes e as empresas foram obrigados a fazer a limpeza de seus locais, como parte de uma campanha para evitar a propagação do vírus.

Em Cantão, na Província meridional chinesa de Guangdong, onde a epidemia começou em novembro do ano passado (fato reconhecido pelas autoridades somente cinco meses mais tarde), uma patrulha sanitária formada por cerca de mil pessoas percorreu as ruas para evitar as cuspidas. Os infratores devem pagar uma multa de 50 iuanes (US$ 6) e ainda limpar o que sujaram.

Em várias ocasiões no passado, a China lançou campanhas para acabar com esse costume, mas sem grande sucesso porque a prática continuou sendo muito comum, principalmente nas cidades onde a qualidade do ar é má, o que obriga os habitantes a limpar a garganta e, "naturalmente", cuspir, segundo os médicos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;