Fechar
Publicidade

Sábado, 7 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Região 'exporta' pacientes com câncer


William Cardoso
Do Diário do Grande ABC

18/09/2008 | 07:02


O Grande ABC conta com 2,5 milhões de habitantes e está localizado em uma das regiões mais ricas do País. Porém, quem depende de tratamento radioterápico contra o câncer tem apenas um único equipamento em operação, instalado em um instituto particular, em Santo André. Mesmo assim, a máquina não é suficiente para atender à grande demanda.

Pacientes com câncer pélvico em profundidade (reto, próstata, útero e intestino, por exemplo) não podem ser atendidos porque o equipamento que tem sido utilizado (de telecobalto) não conta com a precisão necessária para, nestes casos, atacar apenas as células atingidas pela doença. Resta o atendimento a quem tem câncer de mama ou em estágios avançados (metástases). Fora isso, pacientes com mais de 90 kg (limite de operação do equipamento) também ficam impedidos de receber tratamento, como é o caso da corretora Hermir Avoleta Tavares.

O problema ganhou proporções em 27 de dezembro, quando um dos dois equipamentos existentes no Instituto de Radioterapia do ABC quebrou (o acelerador linear de partículas). Além de particulares e convênios, o local atende aos pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) dos sete municípios da região, com gerenciamento da Prefeitura de Santo André, que recebe repasse de R$ 80 mil mensais do governo federal. Nove meses depois, o máximo que se conseguiu foram soluções paliativas, com o agendamento de sessões em unidades de tratamento da Capital, como o Hospital AC Camargo, na Liberdade. Mesmo assim, a fila para atendimento chegar a durar cinco meses.

No Grande ABC, a capacidade de atendimento foi prejudicada. Em média, apenas 80 pessoas conseguem realizar sessões diariamente, contra 200 que recebiam tratamento antes de a máquina apresentar avarias. Isso foi possível porque funcionários estenderam o horário de funcionamento até a 1h30 - anteriormente, funcionava apenas entre 8h e 17h.

O instituto trocou de administração em abril, tendo como novo proprietário Miguel Abrão Miziara Filho. A expectativa é de que em 70 dias a máquina quebrada volte a funcionar e aquela que está em operação receba nova fonte de cobalto. "As limitações devem acabar nos próximos dois meses", explica Marilsa Vicente Guarniari Gomes, que há 35 anos trabalha no instituto.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Região 'exporta' pacientes com câncer

William Cardoso
Do Diário do Grande ABC

18/09/2008 | 07:02


O Grande ABC conta com 2,5 milhões de habitantes e está localizado em uma das regiões mais ricas do País. Porém, quem depende de tratamento radioterápico contra o câncer tem apenas um único equipamento em operação, instalado em um instituto particular, em Santo André. Mesmo assim, a máquina não é suficiente para atender à grande demanda.

Pacientes com câncer pélvico em profundidade (reto, próstata, útero e intestino, por exemplo) não podem ser atendidos porque o equipamento que tem sido utilizado (de telecobalto) não conta com a precisão necessária para, nestes casos, atacar apenas as células atingidas pela doença. Resta o atendimento a quem tem câncer de mama ou em estágios avançados (metástases). Fora isso, pacientes com mais de 90 kg (limite de operação do equipamento) também ficam impedidos de receber tratamento, como é o caso da corretora Hermir Avoleta Tavares.

O problema ganhou proporções em 27 de dezembro, quando um dos dois equipamentos existentes no Instituto de Radioterapia do ABC quebrou (o acelerador linear de partículas). Além de particulares e convênios, o local atende aos pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) dos sete municípios da região, com gerenciamento da Prefeitura de Santo André, que recebe repasse de R$ 80 mil mensais do governo federal. Nove meses depois, o máximo que se conseguiu foram soluções paliativas, com o agendamento de sessões em unidades de tratamento da Capital, como o Hospital AC Camargo, na Liberdade. Mesmo assim, a fila para atendimento chegar a durar cinco meses.

No Grande ABC, a capacidade de atendimento foi prejudicada. Em média, apenas 80 pessoas conseguem realizar sessões diariamente, contra 200 que recebiam tratamento antes de a máquina apresentar avarias. Isso foi possível porque funcionários estenderam o horário de funcionamento até a 1h30 - anteriormente, funcionava apenas entre 8h e 17h.

O instituto trocou de administração em abril, tendo como novo proprietário Miguel Abrão Miziara Filho. A expectativa é de que em 70 dias a máquina quebrada volte a funcionar e aquela que está em operação receba nova fonte de cobalto. "As limitações devem acabar nos próximos dois meses", explica Marilsa Vicente Guarniari Gomes, que há 35 anos trabalha no instituto.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;