Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ronco



20/06/2011 | 00:00



Geralmente, quando se reclama do ronco do parceiro, vem a resposta defensiva: "Eu não ronco!" Mas a história não é bem assim. O problema afeta cerca de 30% dos homens a partir dos 20 anos de idade e cerca de 40% das mulheres a partir dos 40 anos. Dormir com um barulho desses pode não só afetar a saúde dos relacionamentos, mas também a saúde da pessoa que sofre do problema. Quem ronca sofre sonolência durante o dia, tem menor capacidade intelectual e os reflexos diminuídos e até pouca disposição para o sexo. Sem contar que o ronco de um dos parceiros pode influir na libido do outro, além de insônia e ansiedade em quem precisa conviver com o barulho.

Os casos mais graves de ronco podem provocar apneia (espaço mais longo entre uma respiração e outra) e alterações cardiovasculares, como AVC e hipertensão. Por isso quem ronca deve procurar orientação de especialistas em pneumologia, otorrinolaringologia e neurologia, se possível credenciados pela Sociedade Brasileira de Sono.

Por Yasmin Barcellos



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ronco


20/06/2011 | 00:00



Geralmente, quando se reclama do ronco do parceiro, vem a resposta defensiva: "Eu não ronco!" Mas a história não é bem assim. O problema afeta cerca de 30% dos homens a partir dos 20 anos de idade e cerca de 40% das mulheres a partir dos 40 anos. Dormir com um barulho desses pode não só afetar a saúde dos relacionamentos, mas também a saúde da pessoa que sofre do problema. Quem ronca sofre sonolência durante o dia, tem menor capacidade intelectual e os reflexos diminuídos e até pouca disposição para o sexo. Sem contar que o ronco de um dos parceiros pode influir na libido do outro, além de insônia e ansiedade em quem precisa conviver com o barulho.

Os casos mais graves de ronco podem provocar apneia (espaço mais longo entre uma respiração e outra) e alterações cardiovasculares, como AVC e hipertensão. Por isso quem ronca deve procurar orientação de especialistas em pneumologia, otorrinolaringologia e neurologia, se possível credenciados pela Sociedade Brasileira de Sono.

Por Yasmin Barcellos

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;