Fechar
Publicidade

Sábado, 24 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Em nota, Temer, Maia e Eunício pedem que caminhoneiros retornem ao trabalho



29/05/2018 | 17:21


Em nota oficial conjunta, o presidente Michel Temer e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), fizeram um apelo nesta terça-feira, 29, para que os caminhoneiros retornem ao trabalho. No texto, eles reiteraram que vão cumprir o acordo com os manifestantes "no menor tempo possível". Os três estiveram reunidos por cerca de 40 minutos nesta terça-feira, 29, antes de o documento ser divulgado.

"Neste momento, os Poderes Executivo e Legislativo estão unidos na defesa dos interesses nacionais. Assumem o compromisso de aprovar e colocar em prática, no menor tempo possível, todos os itens do acordo", diz trecho da nota.

Durante as negociações com os caminhoneiros, o presidente Temer editou três medidas provisórias para atender à categoria dos caminhoneiros. As MPs têm vigência imediata, mas precisarão ser aprovadas pelo Congresso para não perder a validade. Além disso, será preciso aprovar o projeto da reoneração da folha de pagamento no Senado, que já foi aprovado na semana passada pela Câmara, para ser possível compensar a eliminação da Cide que recai sobre o preço do diesel.

Na nota, os chefes afirmam que "há necessidade indispensável" de abastecer todos os setores da economia nacional, destacando os setores da alimentação, medicamentos e combustíveis.

"Em face do acordo firmado para pôr fim à greve dos caminhoneiros, que tiveram as suas reivindicações acolhidas, os presidentes da República, Michel Temer, do Senado Federal, Eunício Oliveira, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, conclamam todos os envolvidos nas manifestações a retornarem ao trabalho e propiciar normalidade à vida de todos os brasileiros."

Os chefes do Executivo e do Legislativo afirmaram que "é importante ainda evitar que, tendo alcançado seus objetivos, esse movimento venha a ser usado com objetivos políticos. Temos certeza de que o desejo de toda família brasileira é garantir a normalidade do abastecimento e assegurar a retomada da economia".

O governo já acionou a Polícia Rodoviária Federal (PRF) para investigar e separar possíveis infiltrados políticos das manifestações dos caminhoneiros.

Mais cedo, houve mal estar entre Maia e o governo. O presidente da Câmara criticou o fato de o governo federal não ter enviado nenhum ministro para participar da comissão geral do Congresso para discutir a questão dos preços dos combustíveis no Brasil.

"Estamos prontos para discutir o tamanho do Estado brasileiro. Só que ele (ministro da Fazenda, Eduardo Guardia) não vem hoje (terça) para discutir a questão do petróleo. É muito fácil ficar no gabinete dele e não vir aqui discutir. Aliás, não veio nenhum dos ministros do governo. O governo talvez não esteja com a dimensão do tamanho da crise que o Brasil vive", disse Maia pela manhã.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em nota, Temer, Maia e Eunício pedem que caminhoneiros retornem ao trabalho


29/05/2018 | 17:21


Em nota oficial conjunta, o presidente Michel Temer e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), fizeram um apelo nesta terça-feira, 29, para que os caminhoneiros retornem ao trabalho. No texto, eles reiteraram que vão cumprir o acordo com os manifestantes "no menor tempo possível". Os três estiveram reunidos por cerca de 40 minutos nesta terça-feira, 29, antes de o documento ser divulgado.

"Neste momento, os Poderes Executivo e Legislativo estão unidos na defesa dos interesses nacionais. Assumem o compromisso de aprovar e colocar em prática, no menor tempo possível, todos os itens do acordo", diz trecho da nota.

Durante as negociações com os caminhoneiros, o presidente Temer editou três medidas provisórias para atender à categoria dos caminhoneiros. As MPs têm vigência imediata, mas precisarão ser aprovadas pelo Congresso para não perder a validade. Além disso, será preciso aprovar o projeto da reoneração da folha de pagamento no Senado, que já foi aprovado na semana passada pela Câmara, para ser possível compensar a eliminação da Cide que recai sobre o preço do diesel.

Na nota, os chefes afirmam que "há necessidade indispensável" de abastecer todos os setores da economia nacional, destacando os setores da alimentação, medicamentos e combustíveis.

"Em face do acordo firmado para pôr fim à greve dos caminhoneiros, que tiveram as suas reivindicações acolhidas, os presidentes da República, Michel Temer, do Senado Federal, Eunício Oliveira, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, conclamam todos os envolvidos nas manifestações a retornarem ao trabalho e propiciar normalidade à vida de todos os brasileiros."

Os chefes do Executivo e do Legislativo afirmaram que "é importante ainda evitar que, tendo alcançado seus objetivos, esse movimento venha a ser usado com objetivos políticos. Temos certeza de que o desejo de toda família brasileira é garantir a normalidade do abastecimento e assegurar a retomada da economia".

O governo já acionou a Polícia Rodoviária Federal (PRF) para investigar e separar possíveis infiltrados políticos das manifestações dos caminhoneiros.

Mais cedo, houve mal estar entre Maia e o governo. O presidente da Câmara criticou o fato de o governo federal não ter enviado nenhum ministro para participar da comissão geral do Congresso para discutir a questão dos preços dos combustíveis no Brasil.

"Estamos prontos para discutir o tamanho do Estado brasileiro. Só que ele (ministro da Fazenda, Eduardo Guardia) não vem hoje (terça) para discutir a questão do petróleo. É muito fácil ficar no gabinete dele e não vir aqui discutir. Aliás, não veio nenhum dos ministros do governo. O governo talvez não esteja com a dimensão do tamanho da crise que o Brasil vive", disse Maia pela manhã.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;