Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 13 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Doenças do Verão

Chegada da estação mais quente do ano traz riscos


Leo Kahn

01/12/2011 | 00:00


Com a chegada da estação do calor, estamos propícios ao deleite de piscinas, praias, bronzeamentos e, junto com essas atividades, o verão pode trazer algumas doenças típicas dessa estação do ano. Elas são mais frequentes nessa época devido à exposição inadequada ao sol, perda de líquidos e uso de práticas prejudiciais à pele. As mais frequentes são as micoses, herpes labial, queimaduras solares, insolação e desidratação. Hoje, vamos nos ater às doenças da pele, o maior órgão do corpo humano, representando 16% do peso corpóreo total, com área de 20 mil cm², volume de 4.000 ml e com vasos cutâneos que contêm 30% do sangue circulante do organismo. 

Constituindo uma barreira entre os meios externo e o interno, a pele desempenha papel fundamental na proteção contra o frio e o calor; e no equilíbrio de água e eletrólitos do corpo humano. 

Micoses - São infecções causadas por fungos ou leveduras que atingem mais a pele e as unhas. 

Micose de unha (onicomicoses) - É mais comum nas unhas dos pés e em mulheres. Começa com lesão esbranquiçada no canto da unha, que vai aumentando e deixando a unha grossa e quebradiça. É necessário tratamento com antimicóticos locais e orais. O tratamento dura em média de três a seis meses, obtendo melhora completa entre nove meses e um ano. Para que isso não ocorra, enxugue seus pés e mãos muito bem após o contato com água, dê preferência a calçados abertos, tenha seus próprios utensílios para manicure e use chinelos de borracha em banheiros públicos. 

Pé-de-atleta (tinea pedis) - Essa micose ocorre entre os dedos e sola dos pés, causando coceira, pele esbranquiçada e descamativa, muito comum em pessoas que utilizam sapatos fechados por longos períodos. O tratamento geralmente se dá pela utilização de antimicóticos tópicos, uso de sandálias e cuidado em deixar o espaço entre os dedos bem secos e arejados. 

Micose de corpo (tinea corporis) - Lesão escamosa, circular e borda elevada, geralmente acometem dobras de braços, joelhos e axilas. Transmissível por meio de toalhas e roupas. O tratamento é feito com antimicóticos tópicos. 

Micose de virilha (tinea cruris) - Manchas avermelhadas de coceira intensa que acometem as virilhas, nádegas e abdome. Deve-se manter a pele bem seca nessas regiões, utilizar roupas íntimas de algodão e procurar seu médico para o tratamento.

Micose de praia (ptiríase versicolor) - Manchas geralmente claras ou acastanhadas, avermelhadas nas bordas, altamente contagiosas, adquiridas em piscinas e praias com alto índice de frequência de pessoas. O tratamento inclui cremes tópicos e xampus. 

Herpes labial - Doença viral que atinge a maior parte da população, não tem cura, fica em estado latente, e se desencadeia geralmente em situações de frio ou calor excessivo e períodos de estresse acentuado. Começa com ardor e coceira no lábio; após algumas horas aparece pequeno inchaço e lesões bolhosas em cachos, dolorosas. Essa é a fase mais transmissível da doença. Após alguns dias aparecem lesões crostosas na área, até o término do período da manifestação da doença. Pode demorar de sete a 10 dias desde o início até o término. Utiliza-se creme tópico para minimizar os efeitos da doença. Durante o período bolhoso, o paciente deve evitar o beijo, manuseio da ferida e uso de talheres e copos que possam conter resíduos do líquido das bolhas. 

Como a melhor medida é a prevenção, aqui vão algumas dicas para o cuidado da saúde da pele nessa época do ano: beba bastante líquido para manter a pele hidratada, lembrando que só se hidrata de dentro para fora e que os hidratantes tópicos ajudam apenas impedindo a perda de água. Dois litros de água ao dia são suficientes; cuidar da pele implica, muitas vezes, em mudanças de hábitos. Utilize sempre filtro solar com fator de proteção mínimo de 20, não fique exposto ao sol entre 10h e 15h, sempre se protegendo com camiseta, boné e óculos escuros; procure utilizar calçados abertos; enxugue o corpo com toalha seca, limpa, trocando-a todos os dias; pare de fumar. A nicotina prejudica a saúde da pele, diminuindo o fluxo sanguíneo e deixando-a desnutrida, amarelada e ressecada.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Doenças do Verão

Chegada da estação mais quente do ano traz riscos

Leo Kahn

01/12/2011 | 00:00


Com a chegada da estação do calor, estamos propícios ao deleite de piscinas, praias, bronzeamentos e, junto com essas atividades, o verão pode trazer algumas doenças típicas dessa estação do ano. Elas são mais frequentes nessa época devido à exposição inadequada ao sol, perda de líquidos e uso de práticas prejudiciais à pele. As mais frequentes são as micoses, herpes labial, queimaduras solares, insolação e desidratação. Hoje, vamos nos ater às doenças da pele, o maior órgão do corpo humano, representando 16% do peso corpóreo total, com área de 20 mil cm², volume de 4.000 ml e com vasos cutâneos que contêm 30% do sangue circulante do organismo. 

Constituindo uma barreira entre os meios externo e o interno, a pele desempenha papel fundamental na proteção contra o frio e o calor; e no equilíbrio de água e eletrólitos do corpo humano. 

Micoses - São infecções causadas por fungos ou leveduras que atingem mais a pele e as unhas. 

Micose de unha (onicomicoses) - É mais comum nas unhas dos pés e em mulheres. Começa com lesão esbranquiçada no canto da unha, que vai aumentando e deixando a unha grossa e quebradiça. É necessário tratamento com antimicóticos locais e orais. O tratamento dura em média de três a seis meses, obtendo melhora completa entre nove meses e um ano. Para que isso não ocorra, enxugue seus pés e mãos muito bem após o contato com água, dê preferência a calçados abertos, tenha seus próprios utensílios para manicure e use chinelos de borracha em banheiros públicos. 

Pé-de-atleta (tinea pedis) - Essa micose ocorre entre os dedos e sola dos pés, causando coceira, pele esbranquiçada e descamativa, muito comum em pessoas que utilizam sapatos fechados por longos períodos. O tratamento geralmente se dá pela utilização de antimicóticos tópicos, uso de sandálias e cuidado em deixar o espaço entre os dedos bem secos e arejados. 

Micose de corpo (tinea corporis) - Lesão escamosa, circular e borda elevada, geralmente acometem dobras de braços, joelhos e axilas. Transmissível por meio de toalhas e roupas. O tratamento é feito com antimicóticos tópicos. 

Micose de virilha (tinea cruris) - Manchas avermelhadas de coceira intensa que acometem as virilhas, nádegas e abdome. Deve-se manter a pele bem seca nessas regiões, utilizar roupas íntimas de algodão e procurar seu médico para o tratamento.

Micose de praia (ptiríase versicolor) - Manchas geralmente claras ou acastanhadas, avermelhadas nas bordas, altamente contagiosas, adquiridas em piscinas e praias com alto índice de frequência de pessoas. O tratamento inclui cremes tópicos e xampus. 

Herpes labial - Doença viral que atinge a maior parte da população, não tem cura, fica em estado latente, e se desencadeia geralmente em situações de frio ou calor excessivo e períodos de estresse acentuado. Começa com ardor e coceira no lábio; após algumas horas aparece pequeno inchaço e lesões bolhosas em cachos, dolorosas. Essa é a fase mais transmissível da doença. Após alguns dias aparecem lesões crostosas na área, até o término do período da manifestação da doença. Pode demorar de sete a 10 dias desde o início até o término. Utiliza-se creme tópico para minimizar os efeitos da doença. Durante o período bolhoso, o paciente deve evitar o beijo, manuseio da ferida e uso de talheres e copos que possam conter resíduos do líquido das bolhas. 

Como a melhor medida é a prevenção, aqui vão algumas dicas para o cuidado da saúde da pele nessa época do ano: beba bastante líquido para manter a pele hidratada, lembrando que só se hidrata de dentro para fora e que os hidratantes tópicos ajudam apenas impedindo a perda de água. Dois litros de água ao dia são suficientes; cuidar da pele implica, muitas vezes, em mudanças de hábitos. Utilize sempre filtro solar com fator de proteção mínimo de 20, não fique exposto ao sol entre 10h e 15h, sempre se protegendo com camiseta, boné e óculos escuros; procure utilizar calçados abertos; enxugue o corpo com toalha seca, limpa, trocando-a todos os dias; pare de fumar. A nicotina prejudica a saúde da pele, diminuindo o fluxo sanguíneo e deixando-a desnutrida, amarelada e ressecada.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;