Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Os verdureiros que faziam feira livre


Ademir Medici

03/02/2017 | 07:00


A primeira feira livre montada em São Bernardo, ainda na primeira metade do

século 20, tinha suas barracas erguidas em torno da Igreja Matriz

da Boa Viagem.

Fonte: Newton Ataliba Madsen Barbosa, o primeiro estudioso a se preocupar, sistematicamente, com a história de São Bernardo ‘do Campo’.

Mitsuru Tikaishi, a dona Rita: 101 anos completados nesta semana. Lúcida. Ela e o marido, Sr. Hajime, inserem-se entre aqueles personagens anônimos que levaram para as ruas de São Bernardo as feiras livres semanais.

Diogo, o primogênito, lembra bem: sua família atuou em feiras mais antigas que já funcionavam no Centro de São Bernardo e em bairros como o Assunção e Baeta Neves. E participaram da inauguração de várias outras feiras, em Santa Terezinha, Diadema, Vila Gonçalves, Jardim Silvina, Vila Rosa e Vila Mussolini, em Rudge Ramos.

Havia as festas do Mizuho, a Undokai, ou Festa dos Japoneses, em maio, aos domingos. Mas, domingo era dia de feira – a folga do feirante já caia na segunda-feira. Então os Tikaishi, assim que terminava a feira, seguiam para o bairro da Cooperativa, a tempo de participar do Undokai no período da tarde.

Seus parentes, os Nakajima, já lá estavam, em local à sombra ao lado do campo das gincanas para os piqueniques de todos os anos, em maio. E os Tikaishi a eles se juntavam.

Pelos cálculos e lembranças dos irmãos Diogo, Pedro e Carlos, a família trabalhou em feira até 1971.

E ASSIM...

Dona Mitsuru até hoje, aos 101 anos, participa das reuniões de duas antigas associações nipo-brasileiras de São Bernardo, no Mizuho e na Vila Gonçalves.

Yoshikao Nakajima, sua irmã, viveu até os 99 anos e tem uma grande família em São Bernardo.

Os filhos estudaram nas escolas públicas locais. Diogo, o primeiro, foi um dos alunos que inauguraram o Grupo Escolar Maria Iracema Munhoz, na Praça Lauro Gomes, depois de ter estudado os primeiros anos no salão paroquial da Boa Viagem – enquanto era desativado o casarão colonial que existia na Marechal Deodoro, esquina com a Rua Tenente Sales.

Onde estão os oito filhos de dona Mitsuru: Diogo, Antonio (do Foto Líder do bairro Assunção) e Carlos residem no bairro Assunção; Anita, em Santo Amaro; Lilian e Marina, em Rio Preto; João tem casa em Mogi das Cruzes, mas está no Japão. Dona Mitsuru tem dez netos e três bisnetos.

Aos 90 anos

Dois moradores nascidos em São Bernardo estão celebrando 90 anos de idade: Aparecida de Oliveira Alves e Renê Cassettari.

Dona Cida nasceu e vive em Rudge Ramos. Descende dos Piranga, antigos carreiros que com seus carroções levavam produtos como lenha e carvão de Diadema, antigas matas da Vila Conceição, para São Bernardo, São Caetano, São Paulo.

Renê nasceu no Centro. Jovem, comandou serviço de alto-falante na Rua Marechal Deodoro. Profissionalmente, atuou na Prefeitura, no setor de Trânsito. Foi ele quem determinou mão única de direção para a Rua Marechal, um acontecimento para a época, aplaudido por uns, criticado por outros, mas que prevalece há mais de meio século. Hoje Renê Cassettari reside em Santos.

Diário há 30 anos

Terça-feira, 3 de fevereiro de 1987 – ano 29, edição 6357

Manchete – Ulysses preside Câmara e Constituinte

Brasília – O deputado Ulysses Guimarães foi eleito, ontem à noite, presidente do Congresso Constituinte, e reeleito, à tarde, presidente da Câmara Federal.

Constituinte aberta com força total. Joaquim Alessi, de Brasília.

Grande ABC – Eleitos seis dos sete novos presidentes das Câmaras do Grande ABC:

Santo André, Antonio Maria (PTB).

São Bernardo, Miguel Uematsu (PMDB).

São Caetano – eleição adiada.

Diadema, Severino Arcanjo de Oliveira (PMDB).

Mauá, Ademir Jacomussi (PMDB).

Ribeirão Pires, Luiz Arruda de Oliveira Cabral (PMDB).

Rio Grande da Serra, Rui da Costa Pereira (PMDB).

Em 3 de fevereiro de...

1917 – Revista de São Bernardo anunciava o lançamento de um semanário, previsto para circular a partir de 4 de fevereiro, um domingo.

Nota – Seria um verdadeiro achado, para a história do Grande ABC, localizar a coleção destas publicações hoje centenárias.

A guerra. Do noticiário do Estadão: preparativos para a chamada da classe de 1899 pela Itália.

1987 – Lei assinada pelo governador Franco Montoro dá o nome de Luiz Martins de Oliveira ao viaduto do km 22,5 da Via Anchieta, o que dá acesso ao bairro Assunção, em São Bernardo.

O homenageado nasceu em Paramirim, na Bahia, em 18 de abril de 1920, e faleceu em São Bernardo em 2 de maio de 1983. Foi presidente da Sociedade Amigos do Jardim Lavínia, integrante do bairro Assunção.

Santos do Dia

São Brás (Sebaste, Armênia, fim do século 3 – 316). Médico e bispo de Sebaste. A tradição da ‘Bênção de São Brás’, ou ‘Bênção das Gargantas’, que se faz cruzando duas velas sobre as gargantas, se atribui a um milagre que o santo fez em vida, quando curou uma criança que morria engasgada com um osso na garganta.

Oscar

Celerina

Hoje

Dia da Bênção Contra os Males da Garganta.

Municípios Brasileiros

Aniversariam em 3 de fevereiro:

Em Alagoas, Jequiá da Praia.

Em Santa Catarina, Urubici.

Fonte: IBGE.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Os verdureiros que faziam feira livre

Ademir Medici

03/02/2017 | 07:00


A primeira feira livre montada em São Bernardo, ainda na primeira metade do

século 20, tinha suas barracas erguidas em torno da Igreja Matriz

da Boa Viagem.

Fonte: Newton Ataliba Madsen Barbosa, o primeiro estudioso a se preocupar, sistematicamente, com a história de São Bernardo ‘do Campo’.

Mitsuru Tikaishi, a dona Rita: 101 anos completados nesta semana. Lúcida. Ela e o marido, Sr. Hajime, inserem-se entre aqueles personagens anônimos que levaram para as ruas de São Bernardo as feiras livres semanais.

Diogo, o primogênito, lembra bem: sua família atuou em feiras mais antigas que já funcionavam no Centro de São Bernardo e em bairros como o Assunção e Baeta Neves. E participaram da inauguração de várias outras feiras, em Santa Terezinha, Diadema, Vila Gonçalves, Jardim Silvina, Vila Rosa e Vila Mussolini, em Rudge Ramos.

Havia as festas do Mizuho, a Undokai, ou Festa dos Japoneses, em maio, aos domingos. Mas, domingo era dia de feira – a folga do feirante já caia na segunda-feira. Então os Tikaishi, assim que terminava a feira, seguiam para o bairro da Cooperativa, a tempo de participar do Undokai no período da tarde.

Seus parentes, os Nakajima, já lá estavam, em local à sombra ao lado do campo das gincanas para os piqueniques de todos os anos, em maio. E os Tikaishi a eles se juntavam.

Pelos cálculos e lembranças dos irmãos Diogo, Pedro e Carlos, a família trabalhou em feira até 1971.

E ASSIM...

Dona Mitsuru até hoje, aos 101 anos, participa das reuniões de duas antigas associações nipo-brasileiras de São Bernardo, no Mizuho e na Vila Gonçalves.

Yoshikao Nakajima, sua irmã, viveu até os 99 anos e tem uma grande família em São Bernardo.

Os filhos estudaram nas escolas públicas locais. Diogo, o primeiro, foi um dos alunos que inauguraram o Grupo Escolar Maria Iracema Munhoz, na Praça Lauro Gomes, depois de ter estudado os primeiros anos no salão paroquial da Boa Viagem – enquanto era desativado o casarão colonial que existia na Marechal Deodoro, esquina com a Rua Tenente Sales.

Onde estão os oito filhos de dona Mitsuru: Diogo, Antonio (do Foto Líder do bairro Assunção) e Carlos residem no bairro Assunção; Anita, em Santo Amaro; Lilian e Marina, em Rio Preto; João tem casa em Mogi das Cruzes, mas está no Japão. Dona Mitsuru tem dez netos e três bisnetos.

Aos 90 anos

Dois moradores nascidos em São Bernardo estão celebrando 90 anos de idade: Aparecida de Oliveira Alves e Renê Cassettari.

Dona Cida nasceu e vive em Rudge Ramos. Descende dos Piranga, antigos carreiros que com seus carroções levavam produtos como lenha e carvão de Diadema, antigas matas da Vila Conceição, para São Bernardo, São Caetano, São Paulo.

Renê nasceu no Centro. Jovem, comandou serviço de alto-falante na Rua Marechal Deodoro. Profissionalmente, atuou na Prefeitura, no setor de Trânsito. Foi ele quem determinou mão única de direção para a Rua Marechal, um acontecimento para a época, aplaudido por uns, criticado por outros, mas que prevalece há mais de meio século. Hoje Renê Cassettari reside em Santos.

Diário há 30 anos

Terça-feira, 3 de fevereiro de 1987 – ano 29, edição 6357

Manchete – Ulysses preside Câmara e Constituinte

Brasília – O deputado Ulysses Guimarães foi eleito, ontem à noite, presidente do Congresso Constituinte, e reeleito, à tarde, presidente da Câmara Federal.

Constituinte aberta com força total. Joaquim Alessi, de Brasília.

Grande ABC – Eleitos seis dos sete novos presidentes das Câmaras do Grande ABC:

Santo André, Antonio Maria (PTB).

São Bernardo, Miguel Uematsu (PMDB).

São Caetano – eleição adiada.

Diadema, Severino Arcanjo de Oliveira (PMDB).

Mauá, Ademir Jacomussi (PMDB).

Ribeirão Pires, Luiz Arruda de Oliveira Cabral (PMDB).

Rio Grande da Serra, Rui da Costa Pereira (PMDB).

Em 3 de fevereiro de...

1917 – Revista de São Bernardo anunciava o lançamento de um semanário, previsto para circular a partir de 4 de fevereiro, um domingo.

Nota – Seria um verdadeiro achado, para a história do Grande ABC, localizar a coleção destas publicações hoje centenárias.

A guerra. Do noticiário do Estadão: preparativos para a chamada da classe de 1899 pela Itália.

1987 – Lei assinada pelo governador Franco Montoro dá o nome de Luiz Martins de Oliveira ao viaduto do km 22,5 da Via Anchieta, o que dá acesso ao bairro Assunção, em São Bernardo.

O homenageado nasceu em Paramirim, na Bahia, em 18 de abril de 1920, e faleceu em São Bernardo em 2 de maio de 1983. Foi presidente da Sociedade Amigos do Jardim Lavínia, integrante do bairro Assunção.

Santos do Dia

São Brás (Sebaste, Armênia, fim do século 3 – 316). Médico e bispo de Sebaste. A tradição da ‘Bênção de São Brás’, ou ‘Bênção das Gargantas’, que se faz cruzando duas velas sobre as gargantas, se atribui a um milagre que o santo fez em vida, quando curou uma criança que morria engasgada com um osso na garganta.

Oscar

Celerina

Hoje

Dia da Bênção Contra os Males da Garganta.

Municípios Brasileiros

Aniversariam em 3 de fevereiro:

Em Alagoas, Jequiá da Praia.

Em Santa Catarina, Urubici.

Fonte: IBGE.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;