Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ex-secretário britânico reconhece erros na invasão do Iraque


Da AFP

02/05/2007 | 08:41


Geoff Hoon, ex-secretário britânico de Defesa no momento da invasão aliada ao Iraque, ocorrida em março de 2003, admitiu nesta quarta-feira em uma entrevista ao jornal 'The Guardian' que seu país e os Estados Unidos não previram o que poderia acontecer após a invasão deste país. "Não previmos as verdadeiras conseqüências desta guerra. Estávamos muito otimistas por ver as ruas cheias de pessoas que nos recebiam calorosamente", disse.

Geoff Hoon, atualmente ministro de Assuntos Europeus, declarou ainda que a Grã-Bretanha se opôs ao governo norte-americano em dois temas chaves em maio de 2003, dois meses depois da intervenção: desmantelar o Exército iraquiano e afastar o partido oficial do antigo regime dos serviços públicos do país.

Hoon afirmou que a história dirá se os responsáveis pelos planos da coalizão deveriam ter antecipado o nível de violência que surgiria entre as comunidades rivais xiita e sunita. "Com o que sabemos atualmente, a resposta é que teríamos que ter sabido, mas na época não sabíamos", disse o ex-secretário britânico de Defesa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ex-secretário britânico reconhece erros na invasão do Iraque

Da AFP

02/05/2007 | 08:41


Geoff Hoon, ex-secretário britânico de Defesa no momento da invasão aliada ao Iraque, ocorrida em março de 2003, admitiu nesta quarta-feira em uma entrevista ao jornal 'The Guardian' que seu país e os Estados Unidos não previram o que poderia acontecer após a invasão deste país. "Não previmos as verdadeiras conseqüências desta guerra. Estávamos muito otimistas por ver as ruas cheias de pessoas que nos recebiam calorosamente", disse.

Geoff Hoon, atualmente ministro de Assuntos Europeus, declarou ainda que a Grã-Bretanha se opôs ao governo norte-americano em dois temas chaves em maio de 2003, dois meses depois da intervenção: desmantelar o Exército iraquiano e afastar o partido oficial do antigo regime dos serviços públicos do país.

Hoon afirmou que a história dirá se os responsáveis pelos planos da coalizão deveriam ter antecipado o nível de violência que surgiria entre as comunidades rivais xiita e sunita. "Com o que sabemos atualmente, a resposta é que teríamos que ter sabido, mas na época não sabíamos", disse o ex-secretário britânico de Defesa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;