Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Executivos e legislativos da região perdem mulheres


Beto Silva
Do Diário do Grande ABC

02/03/2009 | 07:00


Do mandato passado para o atual período político de quatro anos, a participação das mulheres nos executivos e legislativos da região caiu acentuadamente. Um ponto antagônico em relação ao eleitorado feminino, que consolida crescimento ano após ano.

No secretariado que terminou a gestão 2005-2008 nas sete prefeituras do Grande ABC, 30 de um total de 115 pastas das administrações eram comandadas por mulheres. A ala feminina representava 26%.

São Caetano e Diadema foram as cidades com maior índice de representatividade do gênero. No município com o maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil, metade das 16 antigas diretorias eram lideradas por mulheres. Já na cidade gerida à época pelo petista José de Fillipi Júnior, oito das 17 secretarias estavam sob responsabilidade de mulheres.

Iniciaram o mandato corrente apenas 25 mulheres, num universo de 118 secretarias, o que diminuiu para 22,9% a atuação delas nos Executivos. Os dois municípios que lideraram o ranking das fileiras femininas se mantêm na ponta no quesito gênero.

Em números brutos (diminuição de 30 para 25), do mandato passado para o atual houve queda de 16,7% na participação feminina no comando de pastas nas prefeituras.

Legislativo - No Legislativo, a queda do número de mulheres eleitas é ainda maior. Em 2004, das 106 cadeiras disponíveis no Grande ABC, 11 foram conquistadas por candidatas - o mandato terminou com 10, pois Vanessa Damo (PV-Mauá) disputou com sucesso a eleição para deputado estadual em 2006.

Já em 2008, apenas seis políticas obtiveram êxito na corrida pelas 108 vagas nas Câmaras - queda de 45% em relação ao pleito anterior. Destaque para as quatro vereadores de Diadema que foram reconduzidas ao cargo: Maria Regina Gonçalves (PV), Marion Magali Alves de Oliveira (PTB), Irene dos Santos (PT) e Maria Aparecida Ferreira (PMDB).

Eleitorado - O declínio feminino na política da região corre na contramão do eleitorado brasileiro. Segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), 51,8% dos cerca de 130 milhões de eleitores registrados são mulheres - em 2008 eram 50,5%. No Grande ABC o número é ainda maior: das 1.857.534 pessoas aptas a votar no pleito de 2008, 973.777, ou 52,42%, eram do sexo feminino.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Executivos e legislativos da região perdem mulheres

Beto Silva
Do Diário do Grande ABC

02/03/2009 | 07:00


Do mandato passado para o atual período político de quatro anos, a participação das mulheres nos executivos e legislativos da região caiu acentuadamente. Um ponto antagônico em relação ao eleitorado feminino, que consolida crescimento ano após ano.

No secretariado que terminou a gestão 2005-2008 nas sete prefeituras do Grande ABC, 30 de um total de 115 pastas das administrações eram comandadas por mulheres. A ala feminina representava 26%.

São Caetano e Diadema foram as cidades com maior índice de representatividade do gênero. No município com o maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil, metade das 16 antigas diretorias eram lideradas por mulheres. Já na cidade gerida à época pelo petista José de Fillipi Júnior, oito das 17 secretarias estavam sob responsabilidade de mulheres.

Iniciaram o mandato corrente apenas 25 mulheres, num universo de 118 secretarias, o que diminuiu para 22,9% a atuação delas nos Executivos. Os dois municípios que lideraram o ranking das fileiras femininas se mantêm na ponta no quesito gênero.

Em números brutos (diminuição de 30 para 25), do mandato passado para o atual houve queda de 16,7% na participação feminina no comando de pastas nas prefeituras.

Legislativo - No Legislativo, a queda do número de mulheres eleitas é ainda maior. Em 2004, das 106 cadeiras disponíveis no Grande ABC, 11 foram conquistadas por candidatas - o mandato terminou com 10, pois Vanessa Damo (PV-Mauá) disputou com sucesso a eleição para deputado estadual em 2006.

Já em 2008, apenas seis políticas obtiveram êxito na corrida pelas 108 vagas nas Câmaras - queda de 45% em relação ao pleito anterior. Destaque para as quatro vereadores de Diadema que foram reconduzidas ao cargo: Maria Regina Gonçalves (PV), Marion Magali Alves de Oliveira (PTB), Irene dos Santos (PT) e Maria Aparecida Ferreira (PMDB).

Eleitorado - O declínio feminino na política da região corre na contramão do eleitorado brasileiro. Segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), 51,8% dos cerca de 130 milhões de eleitores registrados são mulheres - em 2008 eram 50,5%. No Grande ABC o número é ainda maior: das 1.857.534 pessoas aptas a votar no pleito de 2008, 973.777, ou 52,42%, eram do sexo feminino.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;