Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Micros e pequenas empresas da região são líderes em SP


Frederico Rebello Nehme
Do Diário do Grande ABC

10/08/2005 | 08:13


As micro e pequenas empresas do Grande ABC foram o destaque do mês de junho na mais recente pesquisa de conjuntura do Sebrae-SP (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de São Paulo). O faturamento real dos estabelecimentos do segmento na região foi o maior do Estado de São Paulo, com crescimento de 9,6% na comparação com maio.

O crescimento médio do faturamento das MPEs (Micro e Pequenas Empresas) no Estado de São Paulo foi de 4,9%. A RMSP (Região Metropolitana de São Paulo) teve uma alta de 8,3% em junho; o interior do Estado cresceu 0,9% e o município de São Paulo, 7,6%.

O resultado que colocou as MPEs do Grande ABC na liderança estadual foi impulsionado pelos setores de serviço e comércio, que tiveram um crescimento proporcional maior do que outras regiões do Estado, segundo o coordenador de pesquisas econômicas do Sebrae-SP, Marco Aurélio Bedê.

A alta do faturamento do mês de junho na região e no Estado de São Paulo foi sustentada pelo crescimento da massa salarial dos trabalhadores, na avaliação do Sebrae-SP, e influenciada diretamente pelo Dia dos Namorados e pelo recebimento de valores relativos a parcelamento de compras no Dia das Mães. Também pesou o calendário deste ano - junho teve um dia útil a mais que maio.

Indústria - Apesar do crescimento, a pesquisa do Sebrae-SP indica que as MPEs industriais do Grande ABC e do Estado estão em desaceleração em 2005, com uma queda de 2,4% no primeiro semestre em todo o Estado, enquanto os setores de serviço e comércio tiveram altas de 3,6% e 5,3%, respectivamente. No mesmo período, as MPEs paulistas geraram 233 mil novas vagas.

O resultado da indústria fez com que o superintendente do Sebrae em São Paulo, José Luiz Ricca, revisasse a projeção de crescimento das MPEs paulistas para 2005 de 5% para menos de 3%.

"A indústria já acendeu a luz vermelha e puxou o freio de mão. Está sofrendo com os altos juros praticados no Brasil. A pequena indústria é um indicador do que acontecerá com a economia nos próximos meses, é a primeira que sofre e a última que se recupera. Esse resultado nos fez revisar nossas metas para este ano", afirmou Ricca.

Mesmo com a retração no semestre, a indústria teve resultado positivo em junho: alta de 2,5% em relação a maio. O item Serviços, entretanto, liderou o crescimento setorial, com 10,2% na comparação com o mês anterior, seguido do comércio, com 3,1%. Esses resultados, entretanto, vieram acompanhados da redução de 35 mil postos de trabalho em junho - considerada um "ajuste normal" de mão-de-obra, segundo o Sebrae-SP.

Redução maior - No Grande ABC, o faturamento da micro e pequena indústria registra uma baixa ainda maior em 2005 do que no resto do Estado, segundo Bedê, coordenador de pesquisas econômicas do Sebrae-SP (os dados por setor de atividade não foram divulgados), fazendo com que os resultados do semestre fossem inferiores à média estadual.

"A indústria do Grande ABC registrou um crescimento mais acentuado ao longo do ano passado, o que influenciou no resultado deste ano. Depois de crescer em 2004, a micro e pequena indústria do Grande ABC está num ritmo menor que o resto do Estado", afirmou o pesquisador.

Para o economista Marcos Cesar Lopes Barros, coordenador do Observatório Econômico de Santo André, o desempenho da micro e pequena indústria no Grande ABC pode ser explicado pela própria natureza da cadeia automotiva e do setor químico e petroquímico - aos quais essas empresas estão essencialmente ligadas.

"Temos uma estrutura industrial muito concentrada no Grande ABC, e as micro e pequenas indústrias são muito sensíveis às oscilações de mercado, e à forte competição. A saída para essas empresas é trabalhar em associação, como nos APLs (Arranjos Produtivos Locais)", afirmou.

A pesquisa do Sebrae-SP sofreu alteração na sua metodologia, com o objetivo de ampliar a base de dados e atualizar seus parâmetros. O estudo, realizado há oito anos e que representa 1,3 milhão de MPEs paulistas, passará a considerar empresas de pequeno porte com faturamento de até R$ 2,1 milhões anuais - contra R$ 1,2 milhão, anteriormente.

Também foi alterada a composição da pesquisa. Antes, a indústria representava 13% do total das MPEs, e agora representa 11%; o setor de serviços passou de 30% para 32%; e as MPEs do comércio continuaram representando 57% do total.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;