Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Musical 'Opera do Malandro' reergue TBC


Mauro Fernando
Da Redaçao

24/09/2000 | 16:59


Sexta-feira é dia de uma estréia especial em Sao Paulo. Opera do Malandro une o texto e a música de Chico Buarque, a direçao de Gabriel Villela, a cenografia de J.C. Serroni e a iluminaçao de Guilherme Bonfanti. Acompanhando essas premiadas assinaturas, está a do TBC (Teatro Brasileiro de Comédia). O musical é a primeira montagem da Cia. Estável de Repertório do TBC, criada em maio.

Ambientada no Rio de Janeiro dos anos 40 - a entao capital federal -, Opera do Malandro relata o relacionamento entre o malandro Max Overseas, chefe de uma quadrilha de contrabando, e Terezinha. Ela é filha de Fernandes de Duran e Vitória Régia, donos de prostíbulos, foi criada longe do submundo, mas se apaixona por Max, com quem se casa. O musical também retrata as promíscuas relaçoes do contrabandista com o chefe de polícia, inspetor Chaves, e deste com Duran e Vitória.

A proposta cênica do diretor leva em consideraçao as situaçoes política e social do Brasil. "É a estética do equívoco, um reflexo do país", sintetiza Villela. O erro deliberado é tomado como mote pelos 22 atores, que desafinam em algumas músicas. No cenário foram acondicionadas mais de 700 caixas que constituem uma bagunça proposital.

Ao criar a cenografia, Serroni montou no palco um saloon com três andares, que evoca o faroeste e o bangue-bangue. "Essa linguagem lembra o coronelismo, a lei das armas, um mundo de inversoes, falcatruas, esquemas", diz Serroni. "É a efetivaçao do banditismo, é o Lalau, um juiz procurado pela polícia, com cartazes do tipo wanted (procura-se) nos aeroportos", conclui o diretor. Além disso, a montagem ainda reflete sobre a americanizaçao do Brasil.

Essa "estética do equívoco" é também fruto do próprio texto, no qual uma emergente contrata uma companhia amadora para protagonizar um espetáculo beneficente, o que resulta numa interpretaçao "mal feita". "Também é uma brincadeira em cima da idéia de que o artista brasileiro nao pode fazer musical, o que é um engano", diz Villela.

"A interpretaçao exagerada e caricatural faz parte do jogo cênico", arremata. Os atores usam como recurso a linguagem circense popular. A montagem tem como característica marcante o trabalho com o excesso de signos, a sobreposiçao de informaçoes, o exagero do barroco.

Além do equipamento tradicional, compoem a iluminaçao neon, lâmpadas fluorescentes e de fibra ótica e refletores computadorizados. "É uma luz high-tech brega, que remete a Miami e Las Vegas", conta o diretor. Confeccionado por Villela e Leopoldo Pacheco, o figurino reflete sobre a falência do casamento tradicional. Inclui retalhos de vestidos de noiva e próteses de seios e nádegas sobre as roupas das atrizes.

Homenagem ao Malandro, Folhetim, Geni e Zepelim sao algumas das cançoes do espetáculo, escrito em 1978 e inspirado na Opera dos Vinténs, obra de 1928 de Bertolt Brecht e Kurt Weill, que, por sua vez, basearam-se na Opera dos Mendigos, escrita em 1728 por John Gay.

Marcelo Várzea dá vida a Max e Naomy Scholling, a Terezinha. Gustavo Trestine interpreta Duran e Vera Mancini, Vitória. Leonardo Diniz vive Chaves. Os atores também cantam e se responsabilizam pela música ao vivo. "A desconstruçao dos arranjos originais descaracteriza a sonoridade mítica das músicas e desmitifica o Chico", afirma o diretor.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;