Fechar
Publicidade

Política

Publicado em quarta-feira, 25 de setembro de 2013 às 07:00 Histórico

Ditadura permanece viva na sociedade do Brasil e do Chile

Os militares chegaram ao poder em diversos países da América Latina entre as décadas de 1960 e 1970, mas as marcas da ditadura continuam vivas na sociedade latino-americana. As influências militares nos dias atuais unem Brasil e Chile, países do continente que sofreram as mais violentas repressões, são realidade, assim como a sede de Justiça.

O seminário internacional para discutir a ligação entre brasileiros e chilenos no período militar, organizado pelo projeto Acorda ABC, ontem, em Santo André, deixou claro que os dois povos ainda tentam superar os anos de chumbo. O Chile luta para mudar sua constituição que foi elaborada pelo general Augusto Pinochet, autor do golpe militar em 1973. O Brasil batalha para conseguir a condenação de militares e torturadores através da revisão da Lei da Anistia, aprovada em 1979.

O fim do regime chileno não colocou um ponto final na forma de oferecer serviços públicos. A educadora Camila Donato Pizarro disse que é inaceitável viver numa sociedade regida pelas leis criadas pelos militares. “Estamos falando da mesma constituição que criou a ferro e fogo a ditadura. Temos que conviver com Educação, Cultura e direitos humanos previstos daquela época.”

O dirigente da CUT no Chile Jose Figueroa ressaltou que os movimentos sociais no país continuam marginalizados porque a constituição chilena permite. Se uma pessoa quiser concorrer ao cargo eletivo, ela não pode ocupar função sindical, por exemplo. “Os direitos humanos precisam ser para todos. A soberania precisa ser preservada”, declarou. Cerca de 300 sindicalistas capturados pelo regime continuam desaparecidos.

Moises Labraña é um sindicalista que conseguiu escapar das garras da ditadura. Fundador da CUT chilena e dirigente da juventude comunista é filho de militar. Ele defendeu a luta pela independência latino-americana. “Parece contraditório dizer que minha família era de militares e eu militei contra a ditadura, mas muitos policiais foram fuzilados por não concordarem com as ordens do general (Pinochet). Precisamos deixar um legado para que nunca mais a América Latina seja dominada por um estado imperialista”, ressaltou. 

O antropólogo e decano da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade do Chile, Osvaldo Torres Gutierrez, avaliou que o resgate da lembrança dos presos, exilados e torturados é capaz de apagar a marca institucionalizada dos militares na sociedade. “A memória é combativa e é ela que vai nos reconduzir a redemocratização do país”, analisou o professor.

Gutierrez destacou que a política de Pinochet teve quatro eixos: tratamento hostil aos estrangeiros, execução de pessoas ligadas aos movimentos de esquerda, repressão e tratamento arbitrário dos chilenos no exílio. “Não estamos buscando restos do passado. Somos o presente e com isso poderemos pensar no futuro”, concluiu o antropólogo.

ANISTIA

Os depoimentos dos brasileiros no seminário clamavam por justiça. O professor mauaense Olivier Negri reivindicou a revisão da Lei de Anistia, que isenta os militares de responder pelos crimes contra os direitos humanos. “Não prego espírito de revanche, mas não é justo saber onde moram os meus torturadores. Vivem numa boa, anistiados e ganhando salário do Estado. Precisa acabar com essa pouca vergonha”, esbravejou.

No Chile, 59 militares que atuaram no regime estão presos. “Estão em prisão de luxo e vivem como se fossem pessoas livres”, reclamou Camila Donato.



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC