Fechar
Publicidade

Sábado, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Cuba pode ter tentado introduzir drogas nos EUA


Do Diário do Grande ABC

04/01/2000 | 17:09


Jorge Masetti, ex-agente de inteligência cubano, e Ileana de la Guardia, filha de um coronel cubano executado em 1989 na ilha por narcotráfico, disseram a uma comissao da Câmara de Representantes americana que o governo de Cuba está envolvido em tentativas de introduzir drogas ilegalmente nos Estados Unidos.

"Cuba utilizou a rota do narcotráfico para enviar armas para a Colômbia e, em troca, lhe pagaram com favores: por exemplo, muitos deles trazem drogas via Cuba", disse Masetti, que atualmente vive na Espanha, à comissao.

Alguns membros da comissao desejam que Cuba seja acrescentada à lista do governo americano de países envolvidos com o narcotráfico. Cuba negou que tivesse participaçao no tráfico de drogas.

O general Barry McCaffrey, diretor do Departamento de Política Nacional para o Controle de Drogas, ressaltou que nao há provas de que o governo cubano tenha participaçao no narcotráfico.

Masetti, que afirma que o governo cubano contribuiu para financiar, em 1983, o roubo de um caminhao blindado de Wells Fargo, em West Hartford, Conecticut, que deixou um prejuízo de US$ 7,2 milhoes, disse também à comissao que viu levar para Cuba maletas cheias de dólares - presumivelmente produto do narcotráfico - em notas de pequeno valor. Masetti contou que o dinheiro foi "metade para o Ministério do Interior e a outra metade para José Naranjo, assistente de Fidel Castro".

Já Ileana de la Guardia, filha do coronel cubano Antonio de la Guardia, revelou que seu pai carregou a culpa de figuras de maior hierarquia no governo.

Ressaltou que seu pai nao tinha patente para permitir a passagem dos avioes dos narcotraficantes pelo espaço aéreo cubano. "Isso deveria partir de uma autoridade maior, isto é, Raúl Castro", afirmou.

O deputado Lincoln Díaz Balart disse que era importante ouvir uma testemunha "corroborar diretamente a participaçao do governo cubano em atividades de narcotráfico". Membros do comitê disseram que há sinais de que o governo cubano se envolveu no tráfico de drogas.

A deputada Ileana Ros Lehtinen citou o flagrante de um embarque de 7,5 toneladas de cocaína na Colômbia no dia 3 de dezembro de 1998. Membros da comissao acreditam que a carga deveria passar por águas cubanas antes de chegar aos Estados Unidos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados