Fechar
Publicidade

Esportes

Publicado em sexta-feira, 19 de maio de 2017 às 19:35 Histórico

Corinthians adia pagamento da dívida pelo atacante Kazim para semana que vem

Processado pelo atraso de pagamento na compra de alguns jogadores, o Corinthians ainda acerta detalhes para quitar a dívida - de cerca de R$ 1,2 milhão - com o Coritiba pelo atacante turco Kazim. Segundo o diretor financeiro do clube, Emerson Piovezan, o acordo ainda não foi fechado e o caso deve ter um desfecho na próxima semana.

A forma de pagamento - integral ou parcelado - é uma das questões a serem resolvidas pelo Corinthians nos próximos dias. Durante a apresentação do atacante Clayson, na última quinta-feira, o diretor de futebol Flávio Adauto disse que as pendências financeiras com outros clubes seriam quitadas a partir desta sexta, incluindo o débito pelo jogador turco.

"Parte dessas dívidas começam a ser pagas amanhã (sexta-feira), como a do Kazim. Uma série de outras que incomodam quando você não está em dia também serão colocadas, resolvendo os problemas não totalmente, mas parcialmente. Sei que o (departamento) financeiro, com o Emerson Piovezan, está resolvendo esses problemas", disse.

O Coritiba continua no aguardo e vê a situação como indefinida até o momento. "Está em aberto. Para nós, eles não avisaram que iam pagar hoje (sexta-feira) nem que iam pagar semana que vem. Estamos aguardando. Não recebemos nenhuma notificação", disse o presidente Rogério Portugal Bacellar.

Além do caso envolvendo o Coritiba, o Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu que o Corinthians teria de pagar as pendências com Penapolense-SP e SEV-Hortolândia-SP pelas contratações do meia Marlone e do zagueiro Vilson, respectivamente.



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC