Fechar
Publicidade

Sábado, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Maia e Eunício marcam extensa pauta de votações mesmo com crise política

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


19/05/2017 | 17:19


Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), marcaram extensa agenda de votações para a próxima semana, mesmo com a crise política que atinge o governo após a delação premiada da JBS. Na delação, executivos do frigorífico revelaram pagamento de propina ao presidente Michel Temer desde 2010 e disseram que ele deu aval para compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Na Câmara, Maia marcou para terça-feira, 23, a votação do projeto que regulariza benefícios fiscais concedidos por Estados sem autorização do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). A proposta será a pauta única do plenário nesse dia. Na quarta-feira, 24, e quinta-feira, 25, está pautada a votação, também no plenário, de pelo menos oito medidas provisórias (MPs) que estão próximas de perderem a validade.

No Senado, a principal pauta prevista é a votação em segundo turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata do fim do foro privilegiado. A proposta, relatada pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), mantém a prerrogativa de foro apenas para os presidentes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Eunício também convocou sessão do Congresso Nacional para quarta-feira, a partir das 19h30, para votar vetos presidenciais.

Obstrução

Em protesto contra Temer, parlamentares da oposição prometem obstruir as votações no plenário e nas comissões. A exceção, dizem opositores, será para a votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara da PEC que estabelece eleições diretas para presidente da República, caso o cargo fique vago até seis meses antes do fim do mandato. Hoje, a Constituição prevê que, nesse caso, o substituto deve ser eleito indiretamente.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados