Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

'2016 será a passagem para alguma coisa melhor', diz Barros sobre a crise

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/03/2016 | 14:01


Recorrendo a uma imagem do Cristo Redentor no início de sua apresentação no 10º Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento (CMEP), organizado pela Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), o economista-chefe do Bradesco, Octavio de Barros, disse que o Brasil conta com uma certa proteção divina e vive perigosamente por ser um país historicamente sem vocação reformista.

"Esse é o grande dilema do Brasil. Ele é percebido globalmente como um país que não tem nenhuma vocação ... as reformas do Brasil sempre têm um caráter inteiramente incremental. O Brasil nunca vai além do incremental", disse, acrescentando que este é um lado muito ruim história.

De acordo com Barros, a pergunta que ele sempre se faz é se 2016 será um ano de transição, de resolução das incertezas. Para ele, o Brasil passou por momentos tão dramáticos em 2015 que sua intuição pessoal é que 2016 vai ter esse caráter, de uma passagem para alguma coisa melhor. "Até porque, as crises favorecem uma mudança de atitudes", disse Barros. Segundo ele, "dada a importância da diversidade setorial da economia brasileira, da maturidade já adquirida na parte corporativa brasileira, vejo como um jogo de rúgbi". "Cometeu alguns pecados fica dez minutos fora e depois volta para o jogo", explicou.

Na avaliação do economista do Bradesco, o Brasil vai voltar para o jogo. "Nós temos apenas que superar essa que é a quarta maior crise política da história republicana brasileira. Teve a queda do Estado Novo, o golpe de 64, o impeachment do Collor e essa crise agora que a gente não sabe no que vai resultar", relatou.

O entendimento de Barros é o de que muitas das ameaças à economia brasileira foram dissipadas. "A ameaça de aumento de juros nos Estados Unidos virou realidade; tínhamos a ameaça da queda do Joaquim Levy, ela virou realidade; tínhamos a ameaça da perda do grau de investimentos, ela virou realidade; a ameaça de que alguma figura política e empresarial poderia ser presa, virou realidade". "Ameaça de que as metas de primário não fossem alcançadas, virou realidade", disse Barros, acrescentando na lista das ameaças dissipadas o agravamento da situação da Petrobras e a deterioração do cenário global.

"Portanto, não há mais ameaças e as coisas daqui para frente só podem melhorar. Temos é que pensar como partir desta situação onde já estamos atravessando um momento de grande delicadeza, reconhecendo que essa crise não pode ser desperdiçada", disse. Segundo Barros, é preciso fazer com que os investidores voltem a recolocar o Brasil no radar dos investimentos. "Eu acho que para isso a mãe de todas as incertezas é de natureza fiscal", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.