Fechar
Publicidade

Setecidades

Publicado em terça-feira, 17 de março de 2015 às 07:07 Histórico

Homem é esfaqueado e alega crime de homofobia

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

O engenheiro Rodrigo Mariano Miguel, 33 anos, foi esfaqueado nas costas pelo vizinho Wanderson Pacheco de Oliveira, 39, enquanto esperava o elevador no prédio onde vive, no dia 10, no bairro Assunção, em São Bernardo. Miguel afirma que, após voltar do supermercado, foi surpreendido pelo impacto e não teve tempo de se defender. A vítima alega que a agressão foi motivada por homofobia.

Veja vídeo do momento do ataque.

“Saí para fazer compras e ele e a mulher dele estavam do lado de fora e ficaram me olhando. Quando retornei, escutei ela perguntando: ‘Tem certeza de que você quer fazer isso? Se quer, vai em frente.’ Assim que parei em frente ao elevador, senti a pancada nas costas e cai na mesma hora”, contou.

Miguel mora há oito anos no local e explica que houve um desentendimento com Oliveira, em novembro, por causa de barulho. Desde então eles não se falavam. Porém, para ele a motivação para a agressão não partiu disso. “Sou homossexual e ele sabia, tanto que na nossa briga ele ficava me chamando de nomes pejorativos, como ‘bixinha’. Depois que ele me deu a facada e eu caí no chão ele me falou: ‘Isso é para você aprender a nunca mais encarar um homem de verdade.’ Foi quando fiquei desesperado e tive certeza de que ele ia me matar.”

O zelador do prédio, Marcos Pires, 47, chegou logo depois de Oliveira acertar Miguel. Ele tinha ouvido gritos da mulher do agressor pedindo ajuda e conseguiu imobilizá-lo. “Trabalho aqui há 11 anos e nunca tinha presenciado algo assim. Quando cheguei, o Rodrigo estava no chão e ele ia dar outra facada. O Wanderson até que é tranquilo, mas tinha momentos em que ficava descontrolado.”

Segundo outro vizinho, que preferiu não se identificar e que mora no térreo, foi possível ouvir os gritos. “A gente escutou uma pessoa batendo na porta e pedindo ajuda. Quando chegamos ao local, vimos o zelador imobilizando o Wanderson, que estava com uma faca na mão.”

A equipe do Diário esteve no apartamento, porém, foi informada de que Oliveira não mora mais no local. O imóvel está à venda. “Dizem que ele voltou para o Rio de Janeiro, que é a cidade natal dele”, afirmou o zelador.

Após o ocorrido, Miguel levou três pontos e ficou sete dias internado no Pronto-Socorro Central de São Bernardo. Ele recebeu alta ontem e vai precisar ficar com o colar cervical por mais três meses.
“Estou desempregado, vão ser mais três meses da minha vida que vou precisar ficar parado. Fora que o médico me falou que por pouco eu não fiquei tetraplégico”, disse.

O caso foi registrado no 3º DP (Assunção) como lesão corporal. Segundo o delegado titular, Wagner Milhardo Alves, a intimação para Miguel depor já foi feita. “Até o presente momento, ele não compareceu ao DP. Ele precisa depor e também passar por um exame de corpo de delito. Logo depois vamos instaurar o inquérito.”

Segundo a advogada da ONG ABCD’S (Ação Brotar pela Cidadania e Diversidade Sexual) Cristiane Leandro de Novaes, que é responsável pelo caso, será solicitado um aditamento do boletim de ocorrência. “Isso porque constou lesão corporal dolosa e o correto seria tentativa de homicídio e crime de homofobia. Também vamos nos reunir com o Ministério Público nas próximas semanas para falar sobre esse e outros casos.”

Alves afirmou que nada impede que a classificação seja alterada. “O delegado de plantão entendeu que não houve flagrante, já que a vítima não estava lá. Além disso, havia informações de que ele (Miguel) não corria risco de vida. O acusado foi ouvido e liberado, já que estavam pendentes algumas questões. Nada impede que depois do depoimento ou durante o inquérito tenha essa alteração”, explicou.

No mesmo distrito há um inquérito instaurado por causa de briga entre os envolvidos.
 



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC