Fechar
Publicidade

Cultura & Lazer

Publicado em quinta-feira, 21 de abril de 2011 às 07:00 Histórico

Sem poupar coração

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Nana Caymmi, uma das vozes mais potentes - e certamente a mais sofisticada - da música popular brasileira, ganha hoje justa homenagem à sua história, com a estreia do documentário Nana Caymmi em Rio Sonata, com direção do franco-suíço Georges Gachot (o mesmo de Música é Perfume, sobre Maria Bethânia). O longa está sendo exibido apenas em salas da Capital.

Com o Rio de pano de fundo, visto de ângulos e em qualidades extremamente peculiares, a elegia é ao canto marcante de Nana e os seus caminhos musicais desde a década de 1960, quando estreou no meio, até hoje.

Entre momentos descontraídos, em casa ou nos estúdios, e o resgate de apresentações País afora, Gachot traça um paralelo sobre as influências do canto de Nana. Desde sua inclinação para a música clássica - ela conta que aprendeu a cantar aos 2 anos, quando entoou uma composição erudita e seus pais pensaram que ela era louca - até o momento em que a intérprete declara que não é cantora de movimentos, e que, apesar de estar próxima dos baianos Gal, Gil, Caetano e Bethânia (Nana foi casada com Gil), não se interessou pela Tropicália: "Se alguém sentar e me explicar o que é, talvez eu possa entender", depõe.

Paralelamente, um Rio cinzento é costurado à história. A neblina invadindo a mata, a chuva caindo solta pelos cartões-postais e o mar bravio da Cidade Maravilhosa, todos no mesmo contraste que a carioca de Grajaú Nana, com seu vozeirão que ultrapassa o samba e a bossa nova tão caracteristicamente cariocas.

Os instantes de descontração se mostram valiosos. Nana conserva fora dos palcos personalidade forte como sua voz - e fala palavrões a torto e à direita. Em determinado momento, jogando baralho com alguns amigos, ela conta que vira uma cafetina quando joga baralho e faz cara de destemida apostadora. Ao ouvir uma canção sua tocando no rádio, esquece as cartas e põe as mãos na cabeça. "Eu adoro me ouvir cantar", declara, para em seguida cantarolar junto.

Um depoimento que precede uma gravação evidencia a acuidade de Nana na seleção do seu repertório. "Eu tenho angústia de selecionar um projeto. No momento de ir no estúdio vai tudo muito bem, mas chega a hora do show e tudo pode mudar."

Em seguida, ao gravar Caju em Flor, de João Donato, Nana instaura uma perceptível tensão no estúdio, por temer fugir do tom exato que a canção exige.

Entre as canções executadas, estão clássicos como Medo de Amar (Vinicius de Moraes), Saveiros e Saudade de Amar (Dori Caymmi) e Não Se Esqueca de Mim (Erasmo e Roberto Carlos) e Estrada do Sol (Dolores Duran e Tom Jobim). Todas interpretadas em diferentes períodos e versões. Ao terminar de cantar Saudade de Amar, conta, com um suspiro: "Essa Letra quer dizer tudo. Não é que a gente queira um companheiro, mas o sentimento."

DEPOIMENTOS
Além de Donato e do irmão Dori Caymmi, Nana é contemplada por histórias de amigos como Maria Bethânia, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Erasmo Carlos, Mart'Nália e Tom Jobim.
"Nana tem seletividade, ela gosta das coisas muito elaboradas. Não precisa ficar cortejando músicas diferentes", conta Gil sobre a intérprete.
Ainda, há um brinde com imagens do pai de Nana, Dorival Caymmi, cantando É Doce Morrer no Mar, e o registro de seu último aniversário, quando ele, brincando com a sua fama de preguiçoso, conta que escapou por um dia de nascer no dia do trabalho, nascendo um dia antes, 30 de abril.



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC