Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Morte de jovem de 16 anos oito dias depois
de vacinação é investigada

Arquivo pessoal  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Isabelli Borges era moradora de São Bernardo e não tinha comorbidade; infectologista David Uip pede cautela e investigação para apurar o caso


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

17/09/2021 | 05:35


A morte da jovem Isabelli Borges Valentim, 16 anos, de São Bernardo, oito dias depois de receber a vacina da Pfizer contra a Covid, está sendo investigada por autoridades sanitárias estaduais e pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) por suspeita de ter sido causada por efeito adverso do imunizante. David Uip, um dos mais respeitados infectologistas do mundo, disse que é preciso ter cautela e que apenas apuração mais detalhada será capaz de assegurar se existe relação entre o óbito e a vacina.

“Qualquer suposição que façamos agora será prematura. É preciso uma investigação mais aprofundada, autópsia, antes de criar um alarde na população. Sabemos que qualquer vacina mede os riscos e os benefícios, isso é avaliado em todas as fases de testes clínicos e, seguramente, os benefícios superam e muito os riscos de ocasionar algum efeito adverso”, argumentou Uip, reitor da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC) e ex-secretário de Saúde do Estado.

De acordo com relato da mãe de Isabelli, Cristina Borges, 42 anos, o atestado de óbito mostra que a jovem morreu de três possíveis causas: choque cardiogênico, infarto agudo do miocárdio (ataque cardíaco) e anemia severa. Em julho, a Anvisa havia alertado para a ocorrência de casos de miocardite (inflamação do músculo cardíaco) e de pericardite (inflamação do tecido que envolve o coração), relatados em pacientes dos Estados Unidos que foram imunizados com vacinas que usam plataforma de RNA mensageiro (RNAm), como as da Pfizer e da Moderna.


Isabelli recebeu a vacina da Pfizer dia 25 de agosto/ Arquivo pessoal

Para a Anvisa, a situação indica necessidade de maior sensibilização por parte dos serviços e profissionais de saúde para o adequado diagnóstico, tratamento e notificação de casos. A agência, na ocasião, manteve a recomendação de continuidade da vacinação com a Pfizer, dentro das indicações descritas em bula.
Cristina disse ao Diário que Isabelli não tinha comorbidade. Ela foi vacinada em 25 de agosto e no dia seguinte apresentou reações como tontura ao andar, dor de cabeça, falta de ar e sonolência. No domingo, dia 29, a mãe levou a jovem ao Hospital Coração de Jesus, em Santo André, após queixa de formigamento no corpo. “O médico que a atendeu disse que estes sintomas poderiam ser psicológicos devido a vacina e que ela teria alta. Antes de sair do hospital, a Isabelli desmaiou”, disse a mãe.

Foi feita a transferência da jovem para o Hospital Vida’s, em São Paulo, onde foi constatado que Isabelli estava com 30% de oxigenação e níveis extremamente baixos de hemácias e hemoglobina, sendo recomendada a transfusão de oito bolsas de sangue. Após convulsão, ela foi levada a UTI (Unidade de Terapia Intensiva), mas não resistiu e morreu dia 2 de setembro.

Cristina disse que Isabelli recebeu a vacina porque se preparava para realizar o sonho de ir para a Disney. A jovem, escrevia poemas e, em 2016, teve alguns dos seus textos selecionados para a fase final da Olimpíada da Língua Portuguesa. “Ela sempre foi muito dedicada. Éramos apenas nós duas. Ela era a minha vida, minha razão de viver”, lamentou Cristina.

SUSPENSÃO

Com base em reações indesejadas da vacina para pessoas de 12 a 17 anos, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, suspendeu a imunização da faixa etária, indicando apenas para jovens com comorbidade, com deficiência permanente ou privados de liberdade. A decisão não será cumprida pelo governo do Estado nem pelas cidades do Grande ABC (leia abaixo).

A Anvisa discordou da decisão e manteve a aprovação da vacina da Pfizer para adolescentes de 12 a 17 anos. “No momento, não há relação causal definida entre este caso (da morte de Isabelli) e a administração da vacina. Os dados recebidos ainda são preliminares e necessitam de aprofundamento para confirmar ou descartar a relação causal com a vacina”, explicou a agência. 

Queiroga revela que suspensão partiu de Bolsonaro

O ministro da Saúde confirmou, em transmissão nas redes sociais ontem à noite, que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pediu a reavaliação da vacinação, suspensa para jovens de 12 a 17 anos, sem comorbidades. A decisão foi criticada por especialistas, pelo Conasems (Conselhos Nacional de Secretários Municipais de Saúde) e pelo Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde). 

 Salvador e Natal mandaram parar a imunização. Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Maranhão e São Paulo criticaram a decisão do ministério. “A minha conversa com o Queiroga não é imposição. Levo para ele o meu sentimento, o que eu leio, o que eu vejo, o que chega ao meu conhecimento”, disse Bolsonaro. 

 A vacina da Pfizer, único imunizante autorizado no Brasil para uso em adolescentes, já foi amplamente testada. Outros países como Estados Unidos, Chile, Canadá, França e Israel também a usam. 

 O Ministério da Saúde alegou que ao menos 1.400 adolescentes de 12 a 17 anos receberam vacinas que não foram aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para a faixa etária, ou seja, 0,04% dos imunizados.

 Segundo o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Arnaldo Medeiros, houve 114 casos de eventos adversos nessa faixa etária, que compreendem qualquer ocorrência indesejada após a vacinação, que não necessariamente tenha relação causal com o imunizante. Febre e dor de cabeça são exemplos. 

 Os jovens que receberam dose da Janssen, Astrazeneca ou Coronavac serão monitorados pelo ministério e não devem receber a segunda dose, de acordo com Queiroga. “Não vou autorizar a intercambialidade nessas idades”, disse. (do Estadão Conteúdo)

Região já imunizou 62% dos adolescentes

As cidades do Grande ABC vão seguir a determinação do governo do Estado e continuar a imunização de jovens de 12 a 17 anos contra a Covid-19. Até ontem, de acordo com informações das prefeituras, 154.581 moradores da faixa etária já haviam sido protegidos de um público estimado de 246.754, ou seja, 62,6% de cobertura – nos números não constam informações de Rio Grande da Serra, único município que não retornou à demanda do Diário.

 A cidade com a campanha mais avançada na faixa etária é Santo André, que já imunizou 72,9% dos moradores de 12 a 17 anos, seguida de Ribeirão Pires, com cobertura de 69,1%; São Caetano, com 66,4%; Diadema, com 59,7%; São Bernardo, com 59,4%; e Mauá, com 57,3%. Nenhum município relatou eventos adversos.

 De acordo com nota emitida pelo governo do Estado, não há razão para que seja suspensa a vacinação da faixa etária, assim como orientou ontem o Ministério da Saúde. “A medida (suspensão) cria insegurança e causa apreensão em milhões de adolescentes e famílias que esperam ver os seus filhos imunizados, além de professores que convivem com eles”, diz a nota do governo paulista. Ainda segundo o Estado, “três a cada dez adolescentes que morreram com Covid não tinham comorbidades em São Paulo”. O governo aponta também que esse público responde por 6,5% dos casos no Estado e, assim como os adultos, “está em fase de retomada do cotidiano, com retorno às aulas e atividades socioculturais”.

 A vacinação de adolescentes em São Paulo começou em 18 de agosto. Já foram imunizadas cerca de 2,4 milhões de pessoas ou seja, 72% do total.

 ATUALIZAÇÃO DOS CASOS

 Os boletins epidemiológicos das prefeituras do Grande ABC registraram mais oito mortes e 345 novos casos de Covid ontem. Com isso, desde o início da pandemia 10.142 moradores da região perderam a luta para o coronavírus e 254.888 receberam o diagnóstico positivo para a doença, sendo que 238.736 estão recuperados.

 As mortes de ontem foram reportadas por Santo André (cinco), São Bernardo (duas) e São Caetano (uma). Rio Grande da Serra não emitiu boletim.

 O governo do Estado informou que houve mudança na forma de apuração de dados no sistema do Ministério da Saúde e casos de março a julho que estavam represados foram adicionados às contas. Desta maneira, desde o início da pandemia são 4.325.189 infectados em São Paulo, sendo que 4.105.705 estão recuperados e 147.811 morreram.

 No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde foram registrados 34.407 novos casos de Covid e 643 mortes em período de 24 horas. Com isso, o total de diagnósticos positivos é de 21.069.017 e o de óbitos foi a 589.240. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;