Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

André Rieu e seu violino estão de volta

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Músico holandês faz temporada em São Paulo de 3 a 12 de outubro, no Ginásio


Vinícius Castelli
Do Diário do Grande ABC

26/09/2014 | 07:00


Dono de espetáculos sempre com casa lotada, o violinista, maestro e compositor holandês André Rieu volta ao Brasil para série de shows. O artista é atração em São Paulo, no Ginásio do Ibirapuera (Rua Manoel da Nóbrega, 1.361. Tel.: 4003 1212), de 3 a 12 de outubro (segunda a sábado às 21h, e domingos a partir das 19h). Os ingressos custam de R$ 80 a R$ 800 e podem ser comprados no Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br).

O artista ilustra o repertório do concerto com uma jornada musical ao redor do mundo. Valsas de Strauss e Franz Lehár. “Eu escolhi minhas valsas prediletas como Snow Valse, Gold And Silver, Second Waltz e By The Beautiful Blue Danube, vamos ver quão bem o público pode dançar”, brinca ele, em entrevista ao Diário.

Além de operetas e trilhas sonoras de filmes, temas como Granada, Besame Mucho, This Land Is Mine e Non Ti Scordar Di Me também estão nos planos do show. É claro que uma música brasileira bem conhecida não ficará de fora, avisa o holandês.

Além de seu violino Stradivarius, Rieu será acompanhado por solistas da Europa, Argentina, Chile, Austrália e a solista brasileira Carmen Monarcha. E não é só. A Johann Strauss Orquestra e um coro também estão com ele. “Acabei de descobrir que a Johann Strauss Orchestra é a maior orquestra particular do mundo. Ninguém é tão maluco a ponto de ter sua própria orquestra.”

Animado com o retorno ao País, ele conta ter boa relação com a música brasileira. “Quando eu era criança, estive no Rio de Janeiro por seis meses com Jacques Klein (compositor e pianista brasileiro) e sua família. Ele me colocou em contato com muita música brasileira”, diz Rieu, que revela amar a obra de Tom Jobim.

O artista afirma que sua relação com os fãs brasileiros é ótima. Em 2012, realizou 30 concertos apenas em São Paulo. “Foi inacreditável. Nós nunca tocamos tantos concertos na mesma cidade no mesmo ano”, conta. “E veja só, eu tenho cerca de 1,4 milhão de curtidas em minha página do Facebook e a maior parte é do Brasil”, afirma.

Além de ter planos para tocar um dia na lua – sim, esse é um sonho de Rieu –, ele se prepara para colocar novo disco no mercado. “O álbum será lançado em breve, mas acho que você já pode encontrá-lo na internet. Se chama Love in Venice. Escolhi as músicas mais românticas da Itália, como Volare, Azzurro, Santa Lucia, o Lagune Valse e O Sole Mio. É todo instrumental”, conta.

Além disso, o álbum tem três faixas inéditas: a homônima, a La Gondola e a Bella Tarantella, todas dedicados a Veneza. “Minha mulher acha que o título da canção é a peça mais romântica que já fiz. O álbum é muito querido por mim e também é agradecimento a ela pelos 40 anos de casamento.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

André Rieu e seu violino estão de volta

Músico holandês faz temporada em São Paulo de 3 a 12 de outubro, no Ginásio

Vinícius Castelli
Do Diário do Grande ABC

26/09/2014 | 07:00


Dono de espetáculos sempre com casa lotada, o violinista, maestro e compositor holandês André Rieu volta ao Brasil para série de shows. O artista é atração em São Paulo, no Ginásio do Ibirapuera (Rua Manoel da Nóbrega, 1.361. Tel.: 4003 1212), de 3 a 12 de outubro (segunda a sábado às 21h, e domingos a partir das 19h). Os ingressos custam de R$ 80 a R$ 800 e podem ser comprados no Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br).

O artista ilustra o repertório do concerto com uma jornada musical ao redor do mundo. Valsas de Strauss e Franz Lehár. “Eu escolhi minhas valsas prediletas como Snow Valse, Gold And Silver, Second Waltz e By The Beautiful Blue Danube, vamos ver quão bem o público pode dançar”, brinca ele, em entrevista ao Diário.

Além de operetas e trilhas sonoras de filmes, temas como Granada, Besame Mucho, This Land Is Mine e Non Ti Scordar Di Me também estão nos planos do show. É claro que uma música brasileira bem conhecida não ficará de fora, avisa o holandês.

Além de seu violino Stradivarius, Rieu será acompanhado por solistas da Europa, Argentina, Chile, Austrália e a solista brasileira Carmen Monarcha. E não é só. A Johann Strauss Orquestra e um coro também estão com ele. “Acabei de descobrir que a Johann Strauss Orchestra é a maior orquestra particular do mundo. Ninguém é tão maluco a ponto de ter sua própria orquestra.”

Animado com o retorno ao País, ele conta ter boa relação com a música brasileira. “Quando eu era criança, estive no Rio de Janeiro por seis meses com Jacques Klein (compositor e pianista brasileiro) e sua família. Ele me colocou em contato com muita música brasileira”, diz Rieu, que revela amar a obra de Tom Jobim.

O artista afirma que sua relação com os fãs brasileiros é ótima. Em 2012, realizou 30 concertos apenas em São Paulo. “Foi inacreditável. Nós nunca tocamos tantos concertos na mesma cidade no mesmo ano”, conta. “E veja só, eu tenho cerca de 1,4 milhão de curtidas em minha página do Facebook e a maior parte é do Brasil”, afirma.

Além de ter planos para tocar um dia na lua – sim, esse é um sonho de Rieu –, ele se prepara para colocar novo disco no mercado. “O álbum será lançado em breve, mas acho que você já pode encontrá-lo na internet. Se chama Love in Venice. Escolhi as músicas mais românticas da Itália, como Volare, Azzurro, Santa Lucia, o Lagune Valse e O Sole Mio. É todo instrumental”, conta.

Além disso, o álbum tem três faixas inéditas: a homônima, a La Gondola e a Bella Tarantella, todas dedicados a Veneza. “Minha mulher acha que o título da canção é a peça mais romântica que já fiz. O álbum é muito querido por mim e também é agradecimento a ela pelos 40 anos de casamento.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;