Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Japão está comprometido p/ superar a deflação



11/10/2013 | 03:51


As autoridades do Japão mantiveram o compromisso de lutar para superar a deflação e atingir as expectativas de inflação, disse o presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda.

" A deflação no Japão tem sido extremamente persistente", afirmou Kuroda em um discurso para o Conselho de Relações Exteriores de Nova York.

O presidente do BoJ observou que o custo de uma viagem de metrô em Tóquio era 160 ienes em 1995 e permanece inalterado até então, enquanto em Nova York, o custo passou de US$ 1,50 para US$ 2,50.

Além disso, Kuroda afirmou que o BC japonês se esforçará para garantir que a sua meta de inflação em 2% seja alcançada "o mais rápido possível." Ele reforçou que, ao contrário de anos anteriores, a economia está avançando desemprego está caindo e a confiança do consumidor está em alta.

Para o presidente do BoJ, há sinais de melhoria em termos de inflação e apontou para o índice de preços ao consumidor, que voltou ao terreno positivo em junho e aumentou para 0,8% em agosto. Kuroda acrescentou que as taxas de juros reais estão em declínio para estimular e reforçar a economia. Ele definiu a política monetária como ousada e mais propensa a ser bem sucedida.

Sobre as medidas de estímulo, Kuroda afirmou que a política fiscal flexível e as reformas estruturais são " interligadas ", mas ao mesmo tempo independentes. Para ele, a mais difícil das medidas de estímulo a serem implementadas é a reforma estrutural, que "tende a afetar a economia e o público em geral no curto prazo. Kuroda espera que os salários começarão a subir na primavera.

Em relação a questão do iene, Kuroda repetiu que a política monetária tem como objetivo estabelecer o crescimento. obre o possível calote dos EUA, o presidente do BoJ disse que não acredita nesta possibilidade. Fonte: Market News International.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Japão está comprometido p/ superar a deflação


11/10/2013 | 03:51


As autoridades do Japão mantiveram o compromisso de lutar para superar a deflação e atingir as expectativas de inflação, disse o presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda.

" A deflação no Japão tem sido extremamente persistente", afirmou Kuroda em um discurso para o Conselho de Relações Exteriores de Nova York.

O presidente do BoJ observou que o custo de uma viagem de metrô em Tóquio era 160 ienes em 1995 e permanece inalterado até então, enquanto em Nova York, o custo passou de US$ 1,50 para US$ 2,50.

Além disso, Kuroda afirmou que o BC japonês se esforçará para garantir que a sua meta de inflação em 2% seja alcançada "o mais rápido possível." Ele reforçou que, ao contrário de anos anteriores, a economia está avançando desemprego está caindo e a confiança do consumidor está em alta.

Para o presidente do BoJ, há sinais de melhoria em termos de inflação e apontou para o índice de preços ao consumidor, que voltou ao terreno positivo em junho e aumentou para 0,8% em agosto. Kuroda acrescentou que as taxas de juros reais estão em declínio para estimular e reforçar a economia. Ele definiu a política monetária como ousada e mais propensa a ser bem sucedida.

Sobre as medidas de estímulo, Kuroda afirmou que a política fiscal flexível e as reformas estruturais são " interligadas ", mas ao mesmo tempo independentes. Para ele, a mais difícil das medidas de estímulo a serem implementadas é a reforma estrutural, que "tende a afetar a economia e o público em geral no curto prazo. Kuroda espera que os salários começarão a subir na primavera.

Em relação a questão do iene, Kuroda repetiu que a política monetária tem como objetivo estabelecer o crescimento. obre o possível calote dos EUA, o presidente do BoJ disse que não acredita nesta possibilidade. Fonte: Market News International.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;