Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vereador quer fim do feriado da consciência negra em Ribeirão


Arthur Lopez
Do Diário do Grande ABC

23/02/2005 | 13:40


A maior polêmica na Câmara Municipal de Ribeirão Pires trata de um projeto de lei que ainda nem foi elaborado e deve ser apresentado somente na próxima semana. Trata-se da idéia do vereador Antonio Muraki (PPS) de revogar o feriado de 20 de novembro, dia da Consciência Negra. Entidades de defesa da igualdade racial prometem resistir e já organizam um ato para terça-feira, dia 1º de março.

Segundo o vereador, o mês de novembro abriga três feriados em Ribeirão e isso prejudica a economia da cidade. “Este é o calcanhar de Aquiles para combatermos o desemprego, nosso pior problema”, diz. Muraki acredita que a medida poderá melhorar em 10% o nível de emprego no município. “Prefiro um feriado a menos e mais empresas em Ribeirão”, afirma, embora admita que ainda não tem dados sobre quantas empresas deixaram de se instalar na cidade por conta dessa data. O feriado da Consciência Negra foi instaurado no ano passado.

A proposta de Muraki se ampara em um abaixo-assinado de comerciantes do município entregue terça-feira à Acirp (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Pires). “São mais de 500 assinaturas contra o feriado, que poderia ser transformado em dois finais de semana com festa cultural e homenagem”, explica o vereador, que ainda avalia o documento.

“Não queremos festa e sim respeito com a data que marca a morte do maior líder negro da nossa história, Zumbi dos Palmares”, reage a vereadora Elza da Silva Carlos, a professora Elzinha (PT), autora do projeto que criou o feriado em 2002. “Aprovamos por unanimidade na Câmara e em acordo com a Aciarp e o Conselho de Desenvolvimento Econômico”, diz. Para a parlamentar, numa cidade turística pode-se potencializar o feriado para todo o comércio ganhar com ele. “Tem que ter criatividade”, diz.

Elzinha lembra que a proposta de suspensão do feriado aparece justamente no Ano Nacional de Promoção da Igualdade Racial, quando se discute na Câmara dos Deputados, em Brasília, a instituição de feriado nacional para a data. Elzinha foi alertada sobre o abaixo-assinado pela comerciante Reginilde da Costa, a Roxa, que não assinou o documento por não concordar com a proposta do vereador. “O problema do comércio é o cheiro ruim que sai dos bueiros do centro, não o feriado”, afirma a comerciante, que não é afro-descendente.

O presidente da Aciarp, Ricardo Nardelli Júnior, o Nonô, diz que a entidade não organizou o abaixo-assinado. “É uma iniciativa de comerciantes e só agora chegou a nossas mãos”, afirma. Segundo Nonô, o documento seria analisado pela diretoria da entidade durante reunião na noite de terça-feira.

O primeiro impasse sobre o projeto foi registrado terça-feira, durante encontro entre o vereador Antonio Muraki e representantes das entidades Aversão Hip-hop, Centro de Referência Afro-indígena Quilomboca e Federação das Sociedades Amigos de Bairros.

“Todas as raças têm direitos, mas esse feriado causa transtornos para a população, que tem de ir a outras cidades para pagar contas”, alega o vereador. Os representantes das entidades não se convenceram com o argumento e prometem organizar um protesto programado para a próxima terça-feira.


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;