Fechar
Publicidade

Sábado, 13 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

'Vão sobrar uns 5 ou 10 bancos digitais', avalia presidente do Next



02/07/2022 | 11:00


O ano de 2022 será de transformação para o Next, o maior dos bancos digitais do Bradesco, que tem ainda Bitz e Digio no portfólio. A ideia, segundo o CEO, Renato Ejnisman, é ampliar a oferta de produtos e avançar no crédito, tudo para que o Next avance no "pelotão da frente" dos neobancos. "Vai ter espaço para cinco, dez grandes players digitais. Está se criando um pelotão da frente, e o Next está, na minha opinião, neste pelotão", disse Ejnisman ao Olhar de Líder, do Estadão/Broadcast.

Confira, a seguir, os principais trechos da entrevista:

Como o sr. vê o cenário para o restante de 2022?

O ano de 2021 foi muito focado em crescimento, porque tínhamos a visão de que esse é um negócio de escala. Saímos de 3,7 milhões de clientes para 10 milhões. Isso nos permitiu estar no pelotão da frente. Entrei no Next em março de 2021, e falava que precisávamos ter um crescimento sustentável. Hoje, o foco é muito mais em monetizar. Esse monetizar tem um aspecto financeiro, para termos um negócio saudável e sustentável.

E qual é o foco atual?

Temos investimentos, conta corrente, seguros, um marketplace, uma plataforma de promoções e experiência (para o usuário). Não dá para falar que vamos pegar um só produto e que isso vai nos fazer atingir os nossos objetivos. Este ano é bastante importante, de transformação, e vamos aumentar a nossa base de produtos. Tem muita coisa que estamos vendo em seguros, e uma frente muito relevante é PJ (pessoa jurídica).

Como o sr. vê a chegada de concorrentes estrangeiras?

Com muita naturalidade. Há cinco anos, o mercado financeiro era muito bem descrito por cinco grandes bancos. Hoje, só em instituições que estão habilitadas no Pix, estamos falando de mais de 700. Pela mudança de legislação e de tecnologias, a barreira de entrada deixou de existir, ou passou a existir de outra forma. Vai ter espaço para cinco, dez grandes players digitais. Está sE criando um pelotão da frente, e o Next está, na minha opinião, neste pelotão.

O Next visa a quais públicos?

Não é muito diferente dos demais bancos digitais. É um público que tende a ser mais jovem, principalmente se comparado a um banco incumbente, e de mais baixa renda.

Vai haver mais cautela no crédito?

Até julho do ano passado, o Next não tinha uma política de crédito própria, era uma política do Bradesco adaptada. Nossa primeira política começou em julho de 2021, e já estamos na quinta versão. O que fizemos foi estabelecer uma dinâmica digital, testamos no menor tempo possível. Com isso, conseguimos crescer a nossa carteira, em relação a antes de julho, em quase quatro vezes. Durante muito tempo, vimos uma queda na inadimplência, porque, com um modelo focado no público do Next, conseguimos aumentar a concessão para o melhor tomador. Mas, nessas últimas semanas, estamos de olho se essa tendência vai virar.

A princípio, o cenário continua o mesmo?

Estamos fazendo um monitoramento semanal da nossa carteira. É uma cabeça muito digital, não temos medo de fazer ajustes se forem necessários.

O Bradesco tem bebido da fonte do Next?

Hoje, a abertura digital das contas do Bradesco tem muito do que foi aprendido no Next. No caso da carteira de crédito, sem dúvida, é uma via de duas mãos. Temos uma dinâmica muito boa com o pessoal do crédito do Bradesco, e eles acompanham algumas das nossas iniciativas. Eu não tenho dúvida de que isso vai fomentar, e tem fomentado, uma série de mudanças na forma de conceder crédito do Bradesco.

Depois da Aarin, há outras aquisições no radar?

Temos. Fizemos dois movimentos. O primeiro foi essencialmente a compra da carteira de clientes pessoa física do BS2. Eu e o Marcos (Magalhães), CEO deles, nos conhecíamos, foi um papo muito fácil. Como eles estavam querendo sair desse negócio e para nós fazia sentido, foi um ganha-ganha. Nesse negócio da Aarin, eles vão dar uma série de soluções quando tivermos a oferta de pessoa jurídica. Mas também estamos olhando outras frentes e novos mercados.

Mercados novos significa internacionalização?

A internacionalização seria interessante, é algo que sempre faz coçar a cabeça. O próprio Octavio (de Lazari Junior, presidente do Bradesco) já mencionou. Não é tão difícil replicar esse modelo. Faz muito sentido, mas temos uma oportunidade tão grande aqui no Brasil que, apesar de estar sempre no radar, por enquanto resolvemos não apertar o botão.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;