Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 11 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Estado reduz ICMS da gasolina e litro deve cair R$ 0,48 na bomba

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Alíquota baixou de 25% para 18%; governador Rodrigo Garcia afirma que Procon irá fiscalizar preços cobrados pelos postos


Beatriz Mirelle
Especial para o Diário

28/06/2022 | 08:20


 O governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), implementou a redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) da gasolina de 25% para 18%. O Estado é o primeiro a aplicar a lei sancionada pelo presidente da República Jair Bolsonaro (PL) e projeta que o preço médio desse combustível ficará abaixo de R$ 6,50. A medida interfere em R$ 4,4 bilhões de arrecadação.

"Nossa expectativa é que essa decisão cause um efeito na bomba de gasolina de redução de cerca de R$ 0,48. Se hoje nós temos a gasolina em São Paulo em um preço médio de R$ 6,97, portanto teremos um preço médio abaixo de R$ 6,50, com essa decisão que o Governo do Estado toma hoje", afirmou Garcia em coletiva de imprensa ontem (28) sobre o ICMS do combustível.

Disse também que o Procon (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor) estará nas ruas avaliando e divulgando os valores em São Paulo. O objetivo é "informar o consumidor para que ele possa lutar pela expectativa de redução de preço da gasolina na bomba", destacou o governador.

O Regran (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Grande ABC), comentou a afirmação do governador e, por nota, sugeriu que o Procon também vistorie as distribuidoras de combustíveis, que segundo a entidade, são as primeiras a elevar o preço.

Tiago Slavov, doutor em contabilidade pela USP (Universidade de São Paulo) e professor do programa de mestrado em Ciências Contábeis da Fecap (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado), relata que a alteração feita no projeto de lei 18/2022 prevê agora que combustíveis, energia elétrica, comunicação e transporte coletivo são bens e serviços essenciais à população. "Antes eles eram estabelecidos como supérfluos, igual cigarros, perfumes e bebidas alcoólicas. Com essa alteração, eles passam a ser tributados nos Estados com as alíquotas comuns. Em São Paulo, a maioria dos produtos opera com taxa de 18%", explica.

Do ponto de vista político, estima-se a redução dos preços de maneira geral. Por outro lado, a redução da alíquota em si e as mudanças apresentadas não são garantias de melhoria. "Os valores são influenciados por questões cambiais, determinadas pelo governo federal, e também por pressões exteriores. Pode ser que, em breve, os preços voltem ao cenário anterior mesmo com a redução do ICMS, em razão dos aumentos do petróleo no mercado internacional."

Contrária a decisão, a CNM (Confederação Nacional dos Municípios) indica perdas anuais de cerca de R$ 20 bilhões para os cofres municipais. Reforça, em nota, a preocupação com os impactos decorrentes dessa medida. "O movimento municipalista destaca que os sacrifícios para reduções da carga tributária ­ que notadamente precisam ocorrer no País, mas a partir de uma reforma tributária ampla, efetiva e responsável ­ vêm pesando excessivamente sobre os municípios", diz o presidente da instituição Paulo Ziulkoski, que reforça a campanha da entidade para monitorar os preços dos combustíveis antes e depois dessa decisão.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;