Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 28 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Câmara aprova renegociação de dívidas do Fies e inclui 'jabuti' tributário



18/05/2022 | 07:28


A Câmara aprovou nesta terça-feira, 17, a medida provisória que permite o refinanciamento de dívidas de estudantes com o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A proposta abrange contratos firmados até o segundo semestre de 2017 e que estão com pagamentos atrasados há mais de 90 dias. O texto vai agora para o Senado.

Os descontos chegam a 99% para inscritos no CadÚnico e beneficiários do Auxílio Emergencial em 2021. De acordo com o governo, são 2,4 milhões de contratos do Fies até 2017. A taxa de inadimplência desses contratos que têm atraso superior a 90 dias gira em torno de 48,8%, o que significa R$ 7,3 bilhões em prestações não pagas.

A renegociação de dívidas do Fies é usada como bandeira de campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL), que concorre em outubro à reeleição. Os jovens estão entre os grupos que mais rejeitam o chefe do Executivo. O benefício foi citado por Bolsonaro em entrevistas a rádios do interior, virou tema de sua tradicional "live" de quinta-feira nas redes sociais e gerou até um embate entre o atual chefe do Executivo e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Lula chegou a afirmar que a MP havia sido editada após ele ter feito declarações a favor da renegociação das dívidas do Fies, programa que foi ampliado durante seu governo. Ao rebater, Bolsonaro disse, em 6 de janeiro, que o petista mentiu, frisou que a decisão havia sido discutida por meses pela equipe econômica e sugeriu que as conversas teriam sido vazadas para Lula.

'Jabutis'

O relator da MP, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), incluiu no texto medidas consideradas "jabutis", ou seja, estranhas ao conteúdo principal da medida. Uma delas permite que a Receita Federal proponha transação na cobrança de créditos tributários em contencioso administrativo, por adesão ou por iniciativa do devedor. Hoje, esse processo só pode ser feito pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

Para as transações tributárias, o relator inclui a possibilidade de utilização de créditos de prejuízo fiscal e de base de cálculo negativa da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), na apuração do Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da CSLL, até o limite de 70% do saldo remanescente após a incidência dos descontos, se houver.

Motta também acrescentou a possibilidade de uso nas transações tributárias de precatórios ou de direito creditório com sentença de valor transitada em julgado para amortização de dívida tributária principal, multa e juros.

O texto da MP ainda prevê a criação de um regime especial de regularização de dívidas das Santas Casas e entidades beneficentes que atuem na área da saúde.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;