Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Dono de fazenda nega maus-tratos e diz que búfalos morreram de 'velhice'; MP investiga



03/12/2021 | 15:53


O Ministério Público de São Paulo (MPSP) abriu inquérito civil, nesta quinta-feira, 2, para apurar denúncia de maus-tratos contra centenas de búfalos, culminando na morte de dezenas de animais, na fazenda Água Sumida, em Brotas, interior de São Paulo. O inquérito vai apurar também possíveis crimes ambientais na propriedade, onde carcaças de búfalos mortos foram mal enterradas ou abandonadas a céu aberto, contaminando cursos de água.

O dono da fazenda, Luiz Augusto Pinheiro de Souza, nega os maus-tratos. Ele afirma que alguns animais morreram de forma natural, por velhice.

O promotor de Justiça de Brotas, Cássio Serra Sartori, marcou uma reunião na próxima segunda-feira, 6, para análise do caso, com a presença do prefeito da cidade, do delegado da Polícia Civil, do comando da Polícia Ambiental e de representantes da ONG Ara - Amor e Respeito Animal, atual responsável pelos búfalos.

Ele pediu ainda a presença de um veterinário ligado à ONG. O promotor determinou o envio de cópia do expediente ao Ministério Público do Trabalho (MPT) e à Polícia Federal para apuração de eventual crime de trabalho análogo ao de escravo na propriedade.

O drama dos animais foi revelado no dia 5 de novembro, quando a Polícia Militar Ambiental, após receber denúncias anônimas, fiscalizou a fazenda e encontrou centenas de búfalos em situação de maus-tratos, debilitados devido à fome, sem conseguir se levantar, em uma área pequena.

Ao menos 22 animais já estavam mortos, segundo o relatório. O proprietário foi multado em R$ 2,1 milhões e chegou a ser preso, mas pagou fiança de R$ 10 mil e responde em liberdade. Posteriormente ele recebeu novas multas por reincidência nos maus tratos e por danos ao meio ambiente, perfazendo um total de quase R$ 4 milhões em autuações.

Por decisão judicial, a tutela dos animais foi transferida à ONG Ara. O dono da fazenda e seus funcionários foram impedidos de intervir nos cuidados com os animais, já que estariam atrapalhando o trabalho dos voluntários.

O promotor de Brotas realizou duas visitas à fazenda, a última delas no dia 2 deste mês, constatando que o trabalho realizado pela Polícia Civil e pela sociedade, sobretudo voluntários, médicos veterinários e organizações não governamentais, tem garantido a recuperação de boa parte dos animais.

Nesta quinta, em sobrevoo à fazenda, a Polícia Ambiental encontrou uma carcaça aparentemente de um búfalo em uma lavoura de soja. Também encontrou dois animais vivos dentro de um ribeirão, em local de difícil acesso. O resgate será feito por terra.

Os búfalos mais combalidos estão sendo tratados em um hospital veterinário montado na fazenda. A ONG conseguiu autorização para construir piscinões na fazenda a fim de melhorar o bem estar dos animais.

O drama dos búfalos tem atraído a atenção das autoridades. O presidente da ONG Ara, Alex Parente, postou em sua rede social que, além do promotor Cássio Sartori, o prefeito de Brotas, Leandro Correa (DEM), o vereador paulistano Roberto Tripoli (PV) e o delegado da cidade, Douglas Amaral, estiveram no local da fazenda em que os animais estão sendo cuidados, nesta quinta-feira. Também compareceu a promotora de Justiça Federal do Trabalho, Guiomar Guimarães. "Foi um dia cheio de esperanças e vitórias", postou Parente.

Proprietário nega maus-tratos e contesta denúncia

Através de seu advogado, o dono da fazenda, Pinheiro de Souza, negou os maus tratos e contestou a denúncia de abandono dos animais, assim como os danos ambientais. Segundo ele, a propriedade trabalha com a criação de gado há 50 anos e jamais havia sido acusada de maus-tratos.

Em razão da estiagem histórica que assola a região desde 2020, associadas às geadas deste ano, os pastos secaram, mas a alimentação das búfalas foi complementada com ração, sorgo e outros alimentos. Ele disse ter apresentado 48 notas fiscais comprovando a compra dos insumos.

Souza enviou fotos e vídeos mostrando a estrutura da fazenda, incluindo um bebedouro que fornece 7 mil litros de água por hora. Segundo ele, as vacas que morreram estavam velhas, após terem procriado vários bezerros.

Ele tinha a opção de enviar os animais ao matadouro, mas preferiu que morressem naturalmente, de velhice, recebendo cuidados na própria fazenda. O pecuarista assumiu a criação dos búfalos em 2011 e, desde então, direcionou o rebanho para a produção de leite, por isso as fêmeas são a grande maioria. Atualmente, a maior parte do plantel de 1.056 animais tem entre 17 e 22 anos e já é um rebanho velho.

Segundo o criador, as várias intervenções realizadas por ONGs e pela polícia na fazenda afetaram a estrutura do local e comprometeram a saúde das vacas. Ele disse que os ativistas usaram machado para arrebentar os cadeados das porteiras.

Ao fazer a mudança dos búfalos para um local próximo do hospital de campanha, eles permitiram que muitos animais invadissem uma lavoura de soja e se perdessem nos confins da fazenda. Souza disse que houve erros de interpretação por parte dos policiais.

Dois funcionários foram presos quando faziam a renovação de um pasto degradado, usando um trator com grade, técnica comum nas fazendas de gado. Conforme o criador, a polícia entendeu que eles estavam estragando o pasto para matar os animais de fome.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;