Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Presidente do BC fala em choques de combustíveis e energia nunca vistos antes



30/11/2021 | 12:47


Em apresentação durante o Encontro Anual de Dirigentes da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o choque dos preços de combustíveis e de energia elétrica no Brasil em 2021 é o maior da história. Segundo ele, supera até mesmo o observado em momentos recentes de pico inflacionário, como 2002 e 2015.

"Tivemos um choque de combustíveis e energia elétrica em 2021 que nunca tivemos antes", disse ele em sua fala.

O presidente da autoridade monetária lembrou ainda que a aceleração de preços neste ano diverge da observada em 2020, quando as altas se concentraram em produtos alimentícios.

Campos Neto disse também que a desancoragem das expectativas de inflação, que já se observa para 2022, é semelhante à vivida em 2017, primeiro ano de vigência do teto de gastos. "Em 2021 (para as expectativas de inflação) não existe mais nada que a política monetária possa fazer", comentou.

Entretanto, o presidente do BC afirmou que a relação entre a dívida pública e o PIB brasileiro tem tido trajetória melhor do que se esperava no final de 2020, e em linha com o que ele projetava ao chegar ao BC, em 2019, antes da pandemia da covid-19. "A gente tinha (em 2019) expectativa perto de 80% (de relação dívida/PIB), e estamos chegando a um número parecido."

Atividade

Campos Neto indicou que a autoridade monetária vai reduzir a estimativa para o PIB de 2022 em seu próximo Relatório Trimestral de Inflação (RTI), que será divulgado no dia 16 de dezembro. Entretanto, segundo ele, a estimativa deve ser mais otimista que a mediana do mercado financeiro. "Na parte de PIB, vemos um movimento de reprecificação consecutivo para baixo para o ano de 2022. Vamos ter novo número em duas semanas, provavelmente vai ser mais baixo que 2,1%, mas não tanto quanto a mediana do Focus", disse.

A previsão de alta de 2,1% no PIB brasileiro no ano que vem foi divulgada pelo BC na edição mais recente do RTI, de setembro. Desde então, o mercado vem cortando de forma sucessiva suas previsões.

No Relatório Focus divulgado na segunda-feira, a mediana das estimativas do mercado financeiro para a economia brasileira em 2022 passou de alta de 0,70% para 0,58%. Um mês antes, estava em 1,50%.

Ainda assim, Campos Neto comentou que o País vive um cenário melhor que o esperado do ponto de vista das contas públicas, graças ao aumento da arrecadação melhor que o esperado. "A consolidação fiscal no Brasil entre 2020 e 2021 é bastante grande", afirmou.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;