Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

O termômetro do setor de papelão


Do Diário do Grande ABC

29/11/2021 | 23:59


O setor de papelão é termômetro da economia, como sabemos. E vice-versa, como podemos acompanhar agora. O desaquecimento em todos os outros setores, fruto de dificuldades diversas, vai afetar severamente os resultados dos fabricantes de embalagens, já que o número de vendas e, por consequência, de produtos para embalar, está em queda generalizada.


Para começar, ainda há reflexos persistentes da pandemia sem prazo para acabar. A desorganização provocada na logística mundial continua provocando falta de insumos em linhas de produção de diversos setores clientes das empresas de embalagens. O setor de eletrodomésticos, por exemplo, muito relevante nesse contexto, sofre com a falta de matéria-prima ou aumentos de até 200% em alguns componentes. O desemprego e a severa redução na renda no País, criados durante a crise sanitária e agravados por circunstâncias que se seguiram, também serão sentidos duramente pelo varejo por anos.


Além disso, temos problemas internos graves, que fazem o Brasil estar na lanterna da corrida pela recuperação econômica no mundo. Nossa inflação está acima de dois dígitos, os juros seguem colados e o dólar não cai. Junte-se a isso o custo da energia – tanto elétrica como os combustíveis –, a ameaça de apagão e ambiente político que mais parece caldeirão prestes a explodir. A verdade é que não há indicativos de que a situação vá melhorar, pelo menos não em breve.


A macroeconomia é a prioridade para o setor de papelão e embalagens no momento. Os empresários da área devem se unir ao esforço por soluções estruturais e avanços para o Brasil. É preciso engrossar o debate, demonstrar enfaticamente que a indústria não sobrevive com custos tão elevados. Que é urgente garantir fluxos de abastecimento e desburocratizar os processos, além de desonerar a produção.


Também é fundamental restabelecer alguma previsibilidade para a nossa economia. Reconquistar a confiança dos investidores com fundamentos sólidos e segurança jurídica. Redirecionar, enfim, o barco para a modernidade e as boas práticas observadas no mundo desenvolvido. E, principalmente, garantir renda e empregos para a enorme parcela da população que se encontra mais fragilizada do que nunca. Cenário foi mostrado em recente levantamento que tem o Brasil com a quarta maior taxa de desemprego do mundo, em ranking com 44 países.


Não é possível retomada plena com tamanha desigualdade e tantos brasileiros sobrevivendo sem as condições mínimas para se levantar. É preciso reagir, não apenas como setor de papelão e como a economia. Mas como sociedade. Como país.

Eduardo Mazurkyewistz é diretor da empresa Mazurky, em São Bernardo.


PALAVRA DO LEITOR

21 vereadores
A recente e indecente decisão da Câmara andreense em aumentar o número de vereadores na cidade nos leva a refletir sobre quem se beneficiará e quem perderá com mais essa excrescência. Serão beneficiados: partidos políticos, que enxergam maior poder de barganha junto ao Executivo com a possibilidade de aumentar seus vereadores e filiados; os próprios vereadores, que, com a redução do quociente eleitoral, veem aumentada suas chances de reeleição; os ‘candidatos culposos’, aqueles que concorrem sem a intenção de se eleger, apenas visando uma das vagas de comissionados para viverem à custa do erário. Finalmente, perderá o povo, que arcará com os custos de mais essa sem-vergonhice política.
Vanderlei A. Retondo
Santo André


O mais caro
O Poder Judiciário brasileiro é o que divulga ser o mais caro do mundo, com o maior número de funcionários por ministro, com a escolha de vários ministros inabilitados para a função e usando-a para fazer política e não para o seu fim, a justiça. A perseguição antidemocrática à corrente política oponente à sua é muito clara e incontestável. Além da quantidade absurda de funcionários à sua disposição, a Suprema Corte é também a que presta um dos piores serviços judiciais do mundo.
Benone Augusto de Paiva
Capital


Impedimento
Como de praxe, mais uma vez o Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo), por meio de ação civil pública, tomando como base a Lei do Ato Médico, ingressou com pedido de liminar, em junho de 2020, para impedir que enfermeiros habilitados fossem autorizados a utilizar DEGs (Dispositivos Extraglóticos) e pinça Magil com auxílio de laringoscopia; e a executar cricotireoidostomia por punção, para acessar a via aérea de pacientes. Esses procedimentos são autorizados pelo Cofen (Conselho Federal de Enfermagem) por meio da resolução 641/2020, publicada no Diário Oficial da União, em 4 de junho de 2020, que estabelece a utilização dos dispositivos extraglóticos e outras técnicas para acesso à via aérea, restritas à situação de iminente risco de morte do paciente. A não utilização dos dispositivos extraglóticos, em situação de iminente risco de morte, culminará na morte do paciente.
Roberto Canavezzi
São Caetano


Extrapolando
Com frequência, extrapolando a Constituição, as múltiplas funções do STF (Supremo Tribunal Federal) desrespeitam os poderes Executivo e Legislativo, sob o olhar complacente do Senado, que, constitucionalmente, é o único que pode disciplinar o STF. O STF agindo assim, sem ser responsabilizado, é autêntico ditador. Os três poderes, em respeito à Carta Magna, deveriam funcionar independentes e harmonicamente, restrito à sua área, respeitando os demais.
Humberto Schuwartz Soares
Vila Velha (ES)


Inércia irritante
Gostaria de resposta da Prefeitura de Santo André, que tem tratado o munícipe com pouco caso. Digo isso porque já faz um tempo que nós, moradores do local, reclamamos. E nada de solução. Falo da tampa de bueiro na Avenida Capitão Mário Toledo de Camargo, em frente à Travessa Cervantes, na Vila Silvestre, que, solta, tem causado desespero aos moradores. Isso porque os carros passam sobre ela, o que produz barulho insuportável, dificultando até mesmo o sono de quem precisa trabalhar no outro dia. Qual a dificuldade de arrumar um problema tão simples? Temos que pagar? Qual o valor? Se fosse pedido de moradores de bairros nobres da cidade ou do Centro, será que ainda estaria pendente? Quantas vezes mais precisaremos abordar esse assunto? Por que essa inércia? Estão esperando a eleição, para promover algum candidatozinhpo mequetrefe? Acordem! A população aprendeu a reagir?
Dulce Rocha
Santo André 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;