Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Ibovespa cai 0,62%, a 105.704,96 pontos, menor nível desde 13 de novembro



28/10/2021 | 17:57


Em meio ao impasse sobre a votação da PEC dos Precatórios, com o governo parecendo encontrar dificuldade para reunir quórum para uma aprovação segura, o Ibovespa, o câmbio e os juros futuros voltaram a mostrar nervosismo nesta quinta-feira quanto à evolução do fiscal em 2022, no dia seguinte à elevação da Selic a 7,75% ao ano, com sinalização do Copom para outro aumento de 1,5 ponto porcentual em dezembro - indicação que não convenceu o mercado, que aposta em ajuste maior tanto em dezembro como em fevereiro.

Os dados sobre as contas públicas divulgados no início da tarde, com superávit primário em setembro, chegaram a contribuir para que o índice de referência da B3 oscilasse levemente para o positivo, mas o pessimismo voltou a se impor depois do meio da tarde, com pressão sobre o câmbio e a curva de juros.

Assim, o Ibovespa seguiu pelo terceiro dia no negativo nesta quinta-feira, ao fechar em baixa de 0,62%, aos 105.704,96 pontos, menor nível de encerramento desde 13 de novembro de 2020 (104.723,00). Na semana, cai 0,56%, cedendo 4,75% no mês e 11,19% no ano.

Moderado, o giro financeiro ficou em R$ 29,4 bilhões nesta véspera de fim de outubro, em que o Ibovespa parece irremediavelmente a caminho do quarta perda mensal seguida, algo não visto desde o intervalo entre novembro de 2013 e fevereiro de 2014. Nesta quinta, oscilou entre mínima de 105.282,37 e máxima de 107.209,64, com abertura a 106.369,01 pontos.

"A curva de juros está indicando taxa de 12,40% para 2023. O BC continua atrás da curva e, sozinho, sem a âncora fiscal, não está conseguindo segurar a ponta longa. Os preços dos ativos estão cada vez mais baixos, mas o ruim sempre pode ficar pior", diz Ricardo Campos, CEO da Reach Capital. "O governo não está mostrando comando da base no Congresso, uma dificuldade que sempre teve. E se fala até em MP para estender auxílio emergencial. Sem a âncora fiscal, é preciso ver até onde irá a vontade, o apetite por reeleição, e as emendas parlamentares", acrescenta.

Combinada à leitura de anteontem sobre a arrecadação federal em setembro, no maior nível para o mês na série iniciada em 1995, o superávit primário no mesmo mês, ainda que conjuntamente à arrecadação não seja o suficiente para reverter temores sobre o fiscal, foi bem-vindo em dia no qual ressurgiram rumores quanto à prorrogação do auxílio emergencial na falta de apoio à PEC dos Precatórios, essencial à modelagem de financiamento ao Auxílio Brasil. Nesta quinta, mais uma vez a votação da PEC foi adiada na Câmara, agora para a próxima quarta-feira - "logo depois de feriado, quando se sabe como é difícil votar em semana com feriado", observa Campos, da Reach Capital.

Em outro desdobramento negativo para esta quinta-feira, destaque também para nova leitura preocupante sobre a inflação, divulgada pela manhã, com o IGP-M acima do teto das projeções para outubro.

Assim, com a falta de horizonte claro sobre o fiscal, e inflação pressionada, no dia seguinte à deliberação do Copom o mercado de juros futuros já precifica dose maior de correção da Selic, para as reuniões de dezembro e fevereiro - o que afeta diretamente o apetite por renda variável, deixando em segundo plano a temporada em geral favorável de balanços do terceiro trimestre no Brasil, vistos já como retrovisor de percurso longínquo, descolando assim a B3 da reação positiva vista em Nova York para as empresas americanas.

"A alta de 1,5 ponto porcentual (na Selic ontem) e o compromisso de mais um aumento não foi suficiente para o mercado. Mostrou um BC reativo ao cenário econômico - inflação alta e aumento do risco fiscal -, e não proativo para antecipar os problemas. Somente acompanhar o rumo certamente fará o Copom 'correr atrás da curva'", observa Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora.

"Diante da piora recente da inflação no Brasil e no mundo, e dos acontecimentos recentes no palco político - no caso, a proposta do governo de alteração da regra do teto de gastos, que aumentou a percepção de risco fiscal -, alguns analistas esperavam um recado mais forte em relação ao controle inflacionário e aos próximos passos do Copom", aponta Rachel de Sá, chefe de Economia da Rico Investimentos.

"Em bom português: para os diretores do Banco Central, o risco fiscal que chamava atenção há bastante tempo, ainda não se concretizou de fato, mas as discussões sobre mudanças nas regras fiscais afetam a perspectiva de agentes na economia sobre onde os preços estarão no futuro - impactando o esforço do controle de preços", acrescenta Rachel.

À espera do balanço trimestral após o fechamento da quinta-feira, Petrobras (ON +0,96%, PN +0,94%) foi a exceção positiva entre as empresas de maior liquidez. Na ponta do Ibovespa, destaque para Ambev (+9,72%), após resultados considerados fortes para o terceiro trimestre, seguida por BRF (+6,56%) e Klabin (+1,37%), movidas pelo dólar a R$ 5,6253 (+1,26%) no fechamento desta quinta-feira; entre as duas, Multiplan (+1,77%). Na face oposta do Ibovespa, Americanas ON (-8,60%), Lojas Americanas (-7,41%) e PetroRio (-7,26).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;