Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

IGP-M sobe 0,64% em outubro, após -0,64% em setembro, afirma FGV



28/10/2021 | 08:39


O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) avançou 0,64% em outubro, após cair 0,64% em setembro, informou nesta quinta-feira, 28, a Fundação Getulio Vargas. O resultado ficou acima do teto das estimativas do mercado coletadas pelo Projeções Broadcast, de 0,61%. A mediana da pesquisa indicava alta de 0,30%.

Com o resultado, o IGP-M acumulado em 12 meses desacelerou de 24,86% em setembro para 21,73% em outubro, acima da mediana da pesquisa, de 21,36%. Em 2021, o índice acumula inflação de 16,74%.

A aceleração do IGP-M foi puxada pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), que saiu de deflação de 1,21% em setembro para alta de 0,53% em outubro. O índice avança 26,0% em 12 meses e 19,78% no acumulado de 2021.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) arrefeceu de 1,19% para 1,05% no período e acumula inflação de 9,50% em 12 meses e de 7,41% em 2021. O indicador acumula alta de 9,50% em 12 meses e de 7,41% no ano.

O Índice Nacional de Custos da Construção (INCC-M) acelerou de 0,56% em setembro para 0,80% em outubro, como informou a FGV nesta terça-feira, 26. O indicador acumula alta de 15,35% em 12 meses e de 12,88% em 2021.

Eletricidade puxa desaceleração do IPC-M

A desaceleração do IPC-M foi puxada pela descompressão do grupo Habitação (2,0% para 1,04%), sustentada pelo arrefecimento da tarifa de eletricidade residencial (5,75% para 2,90%).

Além de Habitação, também mostraram desaceleração nas taxas entre setembro e outubro os grupos Transportes (1,31% para 1,07%), puxado pela gasolina (2,77% para 2,05%), e Saúde e Cuidados Pessoais (0,38% para 0,22%), influenciado por artigos de higiene e cuidado pessoal (0,67% para 0,28%).

Em contrapartida, a FGV apurou aceleração em Educação, Leitura e Recreação (1,85% para 2,93%), com passagem aérea (16,22% para 22,84%); Vestuário (0,31% para 0,65%), puxado por calçados (0,36% para 1,15%); Alimentação (1,10% para 1,21%), com contribuição de hortaliças e legumes (1,57% para 8,28%); Comunicação (0,21% para 0,40%), devido à tarifa de telefone residencial (0,13% para 3,91%); e Despesas Diversas (0,28% para 0,29%), pela aceleração de cigarros (0,48% para 1,13%).

Influências individuais

As maiores pressões para baixo sobre o IPC-M de outubro partiram dos itens perfume (-0,69% para -0,86%), arroz (-0,97% para -1,19%), cebola (-3,70% para -4,97%), acém (0,13% para -1,33%) e alface (-0,07% para -3,58%).

Na outra ponta, puxaram o índice para cima tomate (0,65% para 20,93%) e gás de botijão (2,47% para 3,61%), além de passagem aérea, tarifa de eletricidade residencial e gasolina.

IPA-M

Nas aberturas por origem dos produtos, os preços ao produtor industrial medidos pelo IPA-M Industrial inverteram o sinal do mês anterior (-2,02% para 0,66%). O IPA-M agropecuário se manteve em campo positivo, mas desacelerou de 0,77% em setembro para 0,21% nesta leitura.

Com o resultado, o IPA-M industrial acumula inflação de 20,66% em 2021 e sobe 26,04% nos 12 meses encerrados em outubro. Os preços agropecuários avançam 17,69% no ano e 25,90% em 12 meses.

Nas aberturas por estágios de processamento, as matérias-primas brutas desaceleraram a deflação e recuaram 1,87% em outubro, após terem cedido 5,74% em setembro. O grupo sobe 12,45% no ano e 17,87% em 12 meses.

Os bens finais desaceleraram de 1,62% para 1,08% no período, puxados pelo subgrupo alimentos processados (1,83% para 0,92%). Os bens intermediários aceleraram de 1,66% para 2,65%, devido ao avanço da taxa de combustíveis e lubrificantes (0,02% para 5,29%).

Os bens intermediários acumulam alta de 32,49% em 2021 e de 40,44% em 12 meses. Para os bens finais, as taxas são de 15,89% no acumulado de janeiro a outubro e de 21,49% em 12 meses.

Óleo diesel (0,00% para 6,61%), café em grão (8,33% para 10,19%) e adubos ou fertilizantes (3,15% para 9,02%) foram os itens que mais contribuíram para a alta do IPA-M de outubro. Cana-de-açúcar (1,43% para 2,93%) e mandioca (3,36% para 8,05%) completam a lista.

Em contrapartida, minério de ferro (-21,74% para -8,47%), bovinos (-1,55% para -5,92%) e milho em grão (-3,18% para -4,52%) ajudaram a limitar o avanço do índice, seguidos por feijão em grão (2,07% para -3,90%) e ovos (-0,79% para -1,64%).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;