Fechar
Publicidade

Domingo, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

2004 Diniz Lopes em Mauá. Márcio Chaves ganha, mas não leva. Leonel Damo finalmente assume. Chiquinho do Zaíra bem que tentou...


Ademir Medici

08/10/2021 | 05:45


Em 6 de dezembro de 2005, por decisão da Justiça Eleitoral de Mauá, Leonel Damo (PV) assumiu como prefeito.

Diniz Lopes (PL), até então prefeito interino, voltou a ocupar a presidência da Câmara Municipal, substituindo Carlos Polisel (PSDB).

Márcio Chaves (PT), o mais votado no primeiro turno, declarou ao Diário que “ninguém esperava por isso”.

Tito Costa, advogado de Leonel Damo, considerou o desfecho uma vitória muito especial.

Damo, aliviado, declarou ao tomar posse: “Demorou um ano, mas estou aqui”.

Chiquinho do Zaíra (PSB), terceiro colocado no primeiro turno, entrava com recurso no Tribunal Regional Eleitoral solicitando a realização do segundo turno entre ele e Leonel Damo.

O certo é que Damo completaria o mandato, governando Mauá até 2008.
 

861 – Na eleição de 3 de outubro de 2004, Mauá levou às urnas seis candidatos a prefeito. Em disputa a sucessão do professor Oswaldo Dias (PT), que completava o seu segundo mandato.

862 – No primeiro turno, Marcio Chaves (PT), foi o mais votado: 91.303 votos (45,74%), seguido por Leonel Damo (PV), com 79.104 (39,63%). Desenhava-se a realização do segundo turno, em 31 de outubro.

863 – Os demais candidatos tiveram as seguintes votações: Chiquinho do Zaíra (PSB), 20.152 votos (10,10%); Admir Jacomussi (PPS), 7.942; Catarina do Coqueiro (PCO), 679; e Diego (PSTU), 416 votos.

864 – Conhecidos os resultados, iniciava-se a campanha do segundo turno. Escrevia o Diário: ‘Por afinidade ideológica, Chiquinho do Zaíra e Admir Jacomussi tenderiam a apoiar Márcio Chaves. Já Leonel Damo esperava que sua amizade com Admir e Chiquinho prevalecesse e se transformasse em apoio para a campanha do PV no segundo turno’.

865 – O equilíbrio de forças podia ser sentido no resultado da eleição dos vereadores: dos 17 eleitos, sete estavam na coligação que apoiou Damo e sete na de Chaves.

866 – A Câmara de Mauá alcançava uma renovação de 53%. Entre os oito reeleitos, os irmãos Manoel e Diniz Lopes. Vanessa Damo, filha de Leonel, foi a mais votada da cidade, com 6.020 votos. Átila Jacomussi, filho de Admir Jacomussi e futuro prefeito, também foi eleito, assim como Cássia Rubinelli, mulher do deputado federal Wagner Rubinelli.

867 – E veio a bomba, transformada em manchete na edição de 31 de outubro do Diário: ‘Justiça de Mauá cancela a realização do segundo turno’.
Márcio Chaves tinha sua candidatura cassada na véspera do segundo turno pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), acusado de ter violado a Lei eleitoral numa exposição comemorativa aos 50 anos de emancipação da cidade – Chaves era vice-prefeito e a feira teria sido usada para a sua propaganda eleitoral, infringindo o artigo 73 da Lei Eleitoral, que caracteriza o ato de propaganda institucional proibida.

868 – Mauá reforçou a segurança na posse da nova Câmara, em 1º de janeiro de 2005. Diniz Lopes, eleito presidente da Câmara, assumia minutos depois a Prefeitura e governaria Mauá até o início de dezembro.

869 – A disputa na Justiça Eleitoral arrastou-se por 14 meses, até a posse definitiva de Leonel Damo em 6 de dezembro de 2005, com Leni Walendy de vice-prefeita.

870 – Na cobertura da posse de Leonel Damo, o Diário substituiu o logotipo ‘Eleições 2004’ por ‘Nova Direção’. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;