Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Volpi cancela reajuste salarial até dezembro de 2021

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Decreto da Prefeitura de Ribeirão impede aumento nos vencimentos e contratação de servidores diante do cenário de pandemia de Covid-19


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

21/04/2021 | 00:18


O governo do prefeito de Ribeirão Pires, Clóvis Volpi (PL), publicou ontem decreto que veda o reajuste de salário de servidores públicos até 31 de dezembro. A publicação ainda impede a criação de cargos, contratação de funcionários ou instituir bônus à categoria.

A justificativa da administração foi uma notificação do TCE (Tribunal de Contas do Estado), que alertou que a Prefeitura descumpria exigências feitas em legislação federal que regulamentou os repasses da União aos municípios para o enfrentamento do novo coronavírus. Conforme a gestão Volpi, era para o ex-prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) ter confeccionado o decreto no ano passado.

“O decreto editado hoje (ontem) foi publicado para corrigir uma falha da gestão anterior. A lei federal de número 173 de 2020 exige que os governos municipais que receberam verba para o combate à pandemia, obrigatoriamente, não podem repassar aumento salarial que não seja pela inflação. Isso deveria ter sido regulamentado por meio de decreto. Como recebemos apontamento do TCE, publicamos o decreto”, alegou a gestão Volpi.

Pelas regras do documento, majoração salarial só pode ser aplicada se houver decisão judicial nesse sentido. A contratação de servidores está autorizada apenas para reposição de funções de chefia, de direção e de assessoramento (ou seja, comissionados), sem que haja aumento da despesa.

Para a presidente do Sineduc (Sindicato dos Trabalhadores da Educação) de Ribeirão Pires, Perla de Freitas, o decreto impacta de forma negativa em toda estrutura dos servidores públicos. “É um decreto absurdo, que expõe a intenção do governo do (presidente) Jair Bolsonaro em atentar sobre as classes de trabalhadores públicos. Infelizmente a gestão teve que publicar, pois a ação está atrelada ao dinheiro enviado para a cidade”, declarou, poupando Volpi em suas críticas.

O cenário de congelamento de despesas com pessoal dentro da Prefeitura de Ribeirão é acompanhado pela situação crítica, segundo Volpi, das finanças municipais. Em fevereiro, o prefeito revelou ter herdado R$ 238,8 milhões em dívidas, sendo R$ 87,3 milhões em restos a pagar (passivo de curto prazo). O volume do deficit representa 64% do orçamento deste ano previsto para Ribeirão (R$ 372,8 milhões), sendo que essa quantia já foi classificada como superestimada pela atual equipe econômica da Prefeitura.

No mês passado, o governo viveu o ápice da crise financeira diante do aumento do número de casos e de internações por Covid-19. Sem recursos para custear o hospital de campanha montado para atender pacientes acometidos pelo novo coronavírus, o Paço chegou a anunciar que fecharia a unidade se não houvesse aporte financeiro de outros entes. Estado e União se comprometeram a auxiliar a cidade, que manteve a estrutura ativa. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Volpi cancela reajuste salarial até dezembro de 2021

Decreto da Prefeitura de Ribeirão impede aumento nos vencimentos e contratação de servidores diante do cenário de pandemia de Covid-19

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

21/04/2021 | 00:18


O governo do prefeito de Ribeirão Pires, Clóvis Volpi (PL), publicou ontem decreto que veda o reajuste de salário de servidores públicos até 31 de dezembro. A publicação ainda impede a criação de cargos, contratação de funcionários ou instituir bônus à categoria.

A justificativa da administração foi uma notificação do TCE (Tribunal de Contas do Estado), que alertou que a Prefeitura descumpria exigências feitas em legislação federal que regulamentou os repasses da União aos municípios para o enfrentamento do novo coronavírus. Conforme a gestão Volpi, era para o ex-prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) ter confeccionado o decreto no ano passado.

“O decreto editado hoje (ontem) foi publicado para corrigir uma falha da gestão anterior. A lei federal de número 173 de 2020 exige que os governos municipais que receberam verba para o combate à pandemia, obrigatoriamente, não podem repassar aumento salarial que não seja pela inflação. Isso deveria ter sido regulamentado por meio de decreto. Como recebemos apontamento do TCE, publicamos o decreto”, alegou a gestão Volpi.

Pelas regras do documento, majoração salarial só pode ser aplicada se houver decisão judicial nesse sentido. A contratação de servidores está autorizada apenas para reposição de funções de chefia, de direção e de assessoramento (ou seja, comissionados), sem que haja aumento da despesa.

Para a presidente do Sineduc (Sindicato dos Trabalhadores da Educação) de Ribeirão Pires, Perla de Freitas, o decreto impacta de forma negativa em toda estrutura dos servidores públicos. “É um decreto absurdo, que expõe a intenção do governo do (presidente) Jair Bolsonaro em atentar sobre as classes de trabalhadores públicos. Infelizmente a gestão teve que publicar, pois a ação está atrelada ao dinheiro enviado para a cidade”, declarou, poupando Volpi em suas críticas.

O cenário de congelamento de despesas com pessoal dentro da Prefeitura de Ribeirão é acompanhado pela situação crítica, segundo Volpi, das finanças municipais. Em fevereiro, o prefeito revelou ter herdado R$ 238,8 milhões em dívidas, sendo R$ 87,3 milhões em restos a pagar (passivo de curto prazo). O volume do deficit representa 64% do orçamento deste ano previsto para Ribeirão (R$ 372,8 milhões), sendo que essa quantia já foi classificada como superestimada pela atual equipe econômica da Prefeitura.

No mês passado, o governo viveu o ápice da crise financeira diante do aumento do número de casos e de internações por Covid-19. Sem recursos para custear o hospital de campanha montado para atender pacientes acometidos pelo novo coronavírus, o Paço chegou a anunciar que fecharia a unidade se não houvesse aporte financeiro de outros entes. Estado e União se comprometeram a auxiliar a cidade, que manteve a estrutura ativa. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;