Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 11 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com cautela fiscal e exterior negativo no radar, antes de feriado

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


20/04/2021 | 09:44


Os investidores ajustam posições compradas em dólar nesta terça-feira, 20, apoiando a alta das cotações, após acumular perdas nas últimas cinco sessões. Os ajustes para cima nesta véspera de feriado nacional precificam cautela fiscal e o exterior negativo, segundo operador de câmbio. Lá fora, a moeda americana opera com viés de alta ante divisas principais e algumas emergentes e ligadas a commodities, como peso mexicano, rublo, lira turca e rand sul africano, em meio à queda das bolsas europeias, futuros de Nova York e juro dos Treasuries longos, enquanto o petróleo sobe.

Ontem à noite, governo e Congresso fecharam acordo que pode elevar a mais de R$ 125 bilhões os gastos de combate à pandemia de covid-19 fora da meta fiscal e do teto de gastos. O governo também cedeu à pressão dos parlamentares e deve preservar R$ 16,5 bilhões em emendas dentro do Orçamento a partir de cortes em suas próprias despesas de custeio e investimento.

Além disso, mais despesas são esperadas após a Câmara derrubar um veto presidencial de 11 anos atrás, ainda do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deve gerar uma despesa de R$ 2,7 bilhões para a União neste ano ao permitir uma reestruturação de carreiras na Receita.

Com o acordo para destravar o Orçamento deste ano, que deve ser sancionado até quinta-feira (22), o ministro da Economia, Paulo Guedes, fica no radar porque ele e sua equipe saem mais enfraquecidos dessas negociações políticas. Há expectativa sobre a explicação de Guedes para o desfecho da novela do Orçamento, uma vez que tem mostrado resiliência no cargo e pode se submeter a mais essa derrota no governo. A ver.

Em contrapartida, o governo conseguiu adiar a instalação da CPI da Covid no Senado, que estava prevista para esta semana, para o dia 27 de abril. O objetivo é tentar mudar o relator da comissão, o senador Renan Calheiros, que tem dito a interlocutores que pretende atuar na CPI no sentido de produzir um relatório "cirúrgico" na exposição de eventuais crimes e omissões do governo federal no combate à covid-19. O senador, por ora, rejeita falar em impeachment ou em qualquer ação drástica uma vez que os trabalhos da comissão ainda nem começaram.

Às 9h27 desta terça-feira, o dólar á vista subia 0,28%, a R$ 5,5668, após máxima a R$ 5,5883. O dólar futuro para maio ganhava 0,34%, a R$ 5,5690, ante máxima em R$ 5,5915.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com cautela fiscal e exterior negativo no radar, antes de feriado


20/04/2021 | 09:44


Os investidores ajustam posições compradas em dólar nesta terça-feira, 20, apoiando a alta das cotações, após acumular perdas nas últimas cinco sessões. Os ajustes para cima nesta véspera de feriado nacional precificam cautela fiscal e o exterior negativo, segundo operador de câmbio. Lá fora, a moeda americana opera com viés de alta ante divisas principais e algumas emergentes e ligadas a commodities, como peso mexicano, rublo, lira turca e rand sul africano, em meio à queda das bolsas europeias, futuros de Nova York e juro dos Treasuries longos, enquanto o petróleo sobe.

Ontem à noite, governo e Congresso fecharam acordo que pode elevar a mais de R$ 125 bilhões os gastos de combate à pandemia de covid-19 fora da meta fiscal e do teto de gastos. O governo também cedeu à pressão dos parlamentares e deve preservar R$ 16,5 bilhões em emendas dentro do Orçamento a partir de cortes em suas próprias despesas de custeio e investimento.

Além disso, mais despesas são esperadas após a Câmara derrubar um veto presidencial de 11 anos atrás, ainda do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deve gerar uma despesa de R$ 2,7 bilhões para a União neste ano ao permitir uma reestruturação de carreiras na Receita.

Com o acordo para destravar o Orçamento deste ano, que deve ser sancionado até quinta-feira (22), o ministro da Economia, Paulo Guedes, fica no radar porque ele e sua equipe saem mais enfraquecidos dessas negociações políticas. Há expectativa sobre a explicação de Guedes para o desfecho da novela do Orçamento, uma vez que tem mostrado resiliência no cargo e pode se submeter a mais essa derrota no governo. A ver.

Em contrapartida, o governo conseguiu adiar a instalação da CPI da Covid no Senado, que estava prevista para esta semana, para o dia 27 de abril. O objetivo é tentar mudar o relator da comissão, o senador Renan Calheiros, que tem dito a interlocutores que pretende atuar na CPI no sentido de produzir um relatório "cirúrgico" na exposição de eventuais crimes e omissões do governo federal no combate à covid-19. O senador, por ora, rejeita falar em impeachment ou em qualquer ação drástica uma vez que os trabalhos da comissão ainda nem começaram.

Às 9h27 desta terça-feira, o dólar á vista subia 0,28%, a R$ 5,5668, após máxima a R$ 5,5883. O dólar futuro para maio ganhava 0,34%, a R$ 5,5690, ante máxima em R$ 5,5915.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;