Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Com aval de comissão, Sto.André dá novo passo para implantar PPP do lixo

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Estudo estima investimento de R$ 460 mi da iniciativa privada, em concessão de 30 anos


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

19/04/2021 | 07:00


Com aval de comissão técnica interna, o governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), deu outro passo para implantação do projeto de PPP (Parceria Público-Privada) do lixo, que integra processo, em trâmite, de manifestação de interesse da Peralta Ambiental, única empresa que formalizou proposta aos estudos sobre modelo em questão. O texto de aprovação dos termos foi publicado no Diário Oficial, e trata da adequação da legislação existente no município frente à possibilidade concreta de concessão do plano apresentado pela firma, que já presta serviços na cidade.

O principal objetivo do levantamento é encontrar tecnologia capaz de solucionar, principalmente impasse em relação à limitada vida útil do aterro sanitário. Entre os estudos já avalizados está simulação dos valores previstos ao longo da concessão – o período deve variar entre 30 e 35 anos. A proposta em avaliação estima investimento da ordem de R$ 5 bilhões, sendo que os relativos à iniciativa privada está em torno de R$ 460 milhões. A diferença no volume está relacionada à operação do sistema no período. O montante refere-se, além da coleta de resíduos, varrição, limpeza de feiras, coleta seletiva, manutenção de ecopontos, uma solução para “nova rota tecnológica”, na qual se prevê a construção de equipamentos capazes de processar todos os resíduos gerados no município com geração de energia e produção de compostos orgânicos.

O procedimento burocrático registrado pela administração tucana envolve justamente a elaboração de projetos sobre a gestão de resíduos sólidos no município, indicando solução para manejo, destinação e tratamento final adequado. Os estudos foram divididos em cinco blocos e já foram vencidas quatro etapas. Após essa fase atual, segundo o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) – órgão responsável por encaminhar o projeto –, será protocolado por parte da empresa, o estudo que abrange os editais referentes a uma provável licitação para concessão da gestão de resíduos na cidade, caso o governo municipal confirme considerar o projeto viável.

Santo André produz cerca de 660 toneladas de lixo por dia. A cidade é a única do Grande ABC que possui aterro sanitário próprio, localizado no bairro Cidade São Jorge, mas que se encontra em fase final de sua vida útil. “É urgente e necessário encontrar soluções no campo de novas rotas tecnológicas para que o município continue sendo referência nacional. Como os valores a serem investidos para buscar uma solução de curto e médio prazos são muito altos, a Prefeitura busca encontrar no setor privado a parceria necessária para consolidar solução que seja boa para os nosso munícipes e para o meio ambiente”, relatou o governo, por nota.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com aval de comissão, Sto.André dá novo passo para implantar PPP do lixo

Estudo estima investimento de R$ 460 mi da iniciativa privada, em concessão de 30 anos

Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

19/04/2021 | 07:00


Com aval de comissão técnica interna, o governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), deu outro passo para implantação do projeto de PPP (Parceria Público-Privada) do lixo, que integra processo, em trâmite, de manifestação de interesse da Peralta Ambiental, única empresa que formalizou proposta aos estudos sobre modelo em questão. O texto de aprovação dos termos foi publicado no Diário Oficial, e trata da adequação da legislação existente no município frente à possibilidade concreta de concessão do plano apresentado pela firma, que já presta serviços na cidade.

O principal objetivo do levantamento é encontrar tecnologia capaz de solucionar, principalmente impasse em relação à limitada vida útil do aterro sanitário. Entre os estudos já avalizados está simulação dos valores previstos ao longo da concessão – o período deve variar entre 30 e 35 anos. A proposta em avaliação estima investimento da ordem de R$ 5 bilhões, sendo que os relativos à iniciativa privada está em torno de R$ 460 milhões. A diferença no volume está relacionada à operação do sistema no período. O montante refere-se, além da coleta de resíduos, varrição, limpeza de feiras, coleta seletiva, manutenção de ecopontos, uma solução para “nova rota tecnológica”, na qual se prevê a construção de equipamentos capazes de processar todos os resíduos gerados no município com geração de energia e produção de compostos orgânicos.

O procedimento burocrático registrado pela administração tucana envolve justamente a elaboração de projetos sobre a gestão de resíduos sólidos no município, indicando solução para manejo, destinação e tratamento final adequado. Os estudos foram divididos em cinco blocos e já foram vencidas quatro etapas. Após essa fase atual, segundo o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) – órgão responsável por encaminhar o projeto –, será protocolado por parte da empresa, o estudo que abrange os editais referentes a uma provável licitação para concessão da gestão de resíduos na cidade, caso o governo municipal confirme considerar o projeto viável.

Santo André produz cerca de 660 toneladas de lixo por dia. A cidade é a única do Grande ABC que possui aterro sanitário próprio, localizado no bairro Cidade São Jorge, mas que se encontra em fase final de sua vida útil. “É urgente e necessário encontrar soluções no campo de novas rotas tecnológicas para que o município continue sendo referência nacional. Como os valores a serem investidos para buscar uma solução de curto e médio prazos são muito altos, a Prefeitura busca encontrar no setor privado a parceria necessária para consolidar solução que seja boa para os nosso munícipes e para o meio ambiente”, relatou o governo, por nota.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;