Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

A importância da 2ª dose


Do Diário do Grande ABC

13/04/2021 | 23:59


São preocupantes os dados revelados ontem por este Diário sobre a quantidade de moradores do Grande ABC que deixaram de tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Apenas em Santo André, o número extrapola a dezena de milhar. Ao que tudo indica, os cidadãos parecem não saber da necessidade de se completar o processo de imunização. Falta-lhes informação. É por isso que especialistas ouvidos pelo jornal defendem campanha ampla de esclarecimento junto à população. Sob risco de se quebrar a cadeia de proteção regional contra o novo coronavírus.

Trata-se de questão de lógica. Quanto mais pessoas deixarem de tomar a segunda dose, menos o vírus terá barreiras a enfrentar em sua sanha mortal na conquista de terreno. O assunto é sério. Só quando 60% a 70% da população estiver imunizada é que o agente causador da Covid-19 começará a encontrar dificuldades para circular, dando à humanidade uma chance real de derrotar a pandemia que, apenas no Grande ABC, já ceifou mais de 6.000 vidas.

Nas sete cidades, segundo levantamento do jornal, 5,7% das pessoas que tomaram a primeira dose da vacina faltaram no dia agendado para a segunda. Com isso, seguem expostas ao coronavírus e podem se transformar em vetores de proliferação da doença, comprometendo os esforços das autoridades sanitárias de se alcançar a tão sonhada imunidade de rebanho. Comunicar é, portanto, caminho necessário para reduzir a evasão.

Os problemas decorrentes da falta de boa comunicação das campanhas de vacinação, que podem colocar em risco a eficácia do programa nacional de imunização, preocupam tanto as autoridades que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou a Lei 14.124, de 10 de março, que facilita ao poder público, entre outras medidas, contratar projetos de comunicação social e publicitários capazes de alertar a sociedade sobre o cronograma de imunização. Instruir os cidadãos é importante a qualquer tempo, mas se torna ainda mais quando a vida de todos depende disso. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A importância da 2ª dose

Do Diário do Grande ABC

13/04/2021 | 23:59


São preocupantes os dados revelados ontem por este Diário sobre a quantidade de moradores do Grande ABC que deixaram de tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Apenas em Santo André, o número extrapola a dezena de milhar. Ao que tudo indica, os cidadãos parecem não saber da necessidade de se completar o processo de imunização. Falta-lhes informação. É por isso que especialistas ouvidos pelo jornal defendem campanha ampla de esclarecimento junto à população. Sob risco de se quebrar a cadeia de proteção regional contra o novo coronavírus.

Trata-se de questão de lógica. Quanto mais pessoas deixarem de tomar a segunda dose, menos o vírus terá barreiras a enfrentar em sua sanha mortal na conquista de terreno. O assunto é sério. Só quando 60% a 70% da população estiver imunizada é que o agente causador da Covid-19 começará a encontrar dificuldades para circular, dando à humanidade uma chance real de derrotar a pandemia que, apenas no Grande ABC, já ceifou mais de 6.000 vidas.

Nas sete cidades, segundo levantamento do jornal, 5,7% das pessoas que tomaram a primeira dose da vacina faltaram no dia agendado para a segunda. Com isso, seguem expostas ao coronavírus e podem se transformar em vetores de proliferação da doença, comprometendo os esforços das autoridades sanitárias de se alcançar a tão sonhada imunidade de rebanho. Comunicar é, portanto, caminho necessário para reduzir a evasão.

Os problemas decorrentes da falta de boa comunicação das campanhas de vacinação, que podem colocar em risco a eficácia do programa nacional de imunização, preocupam tanto as autoridades que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou a Lei 14.124, de 10 de março, que facilita ao poder público, entre outras medidas, contratar projetos de comunicação social e publicitários capazes de alertar a sociedade sobre o cronograma de imunização. Instruir os cidadãos é importante a qualquer tempo, mas se torna ainda mais quando a vida de todos depende disso. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;