Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Prefeitura de Cuiabá perde disputa e seguirá decreto do Estado sobre covid-19



04/03/2021 | 09:08


O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) determinou nesta quarta-feira (3) que a Prefeitura de Cuiabá cumpra o decreto estadual que intensifica as medidas de combate à covid-19 e abandone medidas menos restritivas para tentar conter a doença. Na segunda-feira, dia 1º, o governo de Mato Grosso decretou o fechamento do comércio não essencial nos dias da semana das 19h às 5h e aos fins de semana a partir das 12h. A medida também inclui toque de recolher a partir das 21h, com exceção para os serviços de delivery que podem seguir até 23h, sob pena de multa. Na terça-feira, 2, a Prefeitura de Cuiabá publicou novo decreto com horários mais lenientes.

Segundo o desembargador Orlando Perri, autor da decisão, "ofende a lógica e o bom senso permitir que o Município de Cuiabá desdenhe da saúde dos demais entes que compõem o Estado de Mato Grosso, por meio de adoção de medidas mais flexíveis do que as fixadas no Decreto Estadual". O magistrado também ressaltou a importância que a capital representa para os esforços no restante do Estado. "Nesta questão, o Município tem autonomia para recrudescer o Decreto Estadual, nunca para abrandá-lo ou atenuá-lo, de modo a comprometer o todo", completou Perri. Em nota, a Prefeitura afirmou que irá cumprir a decisão liminar do desembargador.

No momento, o Estado registra taxa de ocupação de 87% dos leitos de UTI e de 44% dos de enfermaria. Até a noite desta quarta-feira, foram registrados 255.712 casos da doença no Estado e 5.904 óbitos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Prefeitura de Cuiabá perde disputa e seguirá decreto do Estado sobre covid-19


04/03/2021 | 09:08


O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) determinou nesta quarta-feira (3) que a Prefeitura de Cuiabá cumpra o decreto estadual que intensifica as medidas de combate à covid-19 e abandone medidas menos restritivas para tentar conter a doença. Na segunda-feira, dia 1º, o governo de Mato Grosso decretou o fechamento do comércio não essencial nos dias da semana das 19h às 5h e aos fins de semana a partir das 12h. A medida também inclui toque de recolher a partir das 21h, com exceção para os serviços de delivery que podem seguir até 23h, sob pena de multa. Na terça-feira, 2, a Prefeitura de Cuiabá publicou novo decreto com horários mais lenientes.

Segundo o desembargador Orlando Perri, autor da decisão, "ofende a lógica e o bom senso permitir que o Município de Cuiabá desdenhe da saúde dos demais entes que compõem o Estado de Mato Grosso, por meio de adoção de medidas mais flexíveis do que as fixadas no Decreto Estadual". O magistrado também ressaltou a importância que a capital representa para os esforços no restante do Estado. "Nesta questão, o Município tem autonomia para recrudescer o Decreto Estadual, nunca para abrandá-lo ou atenuá-lo, de modo a comprometer o todo", completou Perri. Em nota, a Prefeitura afirmou que irá cumprir a decisão liminar do desembargador.

No momento, o Estado registra taxa de ocupação de 87% dos leitos de UTI e de 44% dos de enfermaria. Até a noite desta quarta-feira, foram registrados 255.712 casos da doença no Estado e 5.904 óbitos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;