Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 12 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

FGV: confiança empresarial cai 1,8 ponto em fevereiro ante janeiro, a 91,1 pontos

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


01/03/2021 | 08:44


O Índice de Confiança Empresarial (ICE) recuou 1,8 ponto em fevereiro ante janeiro, para 91,1 pontos, informou nesta segunda-feira, dia 1º, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o indicador teve queda de 1,5 ponto no mês.

"A queda da confiança empresarial em fevereiro reflete a desaceleração do nível de atividade no primeiro trimestre de 2021 e o avanço de uma nova onda de covid-19. A preocupação é maior no setor de Serviços e, dentro dele, nos segmentos mais dependentes de consumo presencial, como alojamento, alimentação fora do domicílio e serviços pessoais em geral. Enquanto outros setores se beneficiarão mais diretamente da melhora no ambiente de negócios com a chegada de recursos de ''auxílio emergencial'', estes segmentos continuarão enfrentando um período muito difícil até que os efeitos da campanha nacional de imunização sejam sentidos e o número de hospitalizações e mortes se reduza consistentemente no país", avaliou Aloisio Campelo Júnior, superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O Índice de Confiança Empresarial reúne os dados das sondagens da Indústria, Serviços, Comércio e Construção. O cálculo leva em conta os pesos proporcionais à participação na economia dos setores investigados, com base em informações extraídas das pesquisas estruturais anuais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a FGV, o objetivo é que o ICE permita uma avaliação mais consistente sobre o ritmo da atividade econômica.

Em fevereiro, o Índice de Situação Atual Empresarial (ISA-E) caiu 1,9 ponto, para 93,4 pontos, a terceira queda consecutiva. Já o Índice de Expectativas (IE-E) recuou 0,9 ponto, para 91,8 pontos.

A confiança da indústria recuou 3,4 pontos em fevereiro ante janeiro, enquanto os serviços encolheram 2,3 pontos. A confiança da construção diminuiu 0,5 ponto. Já o comércio avançou 0,2 ponto.

Em fevereiro, a confiança avançou em 37% dos 49 segmentos integrantes do ICE. A coleta do Índice de Confiança Empresarial reuniu informações de 3.956 empresas dos quatro setores entre os dias 1º e 24 de fevereiro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

FGV: confiança empresarial cai 1,8 ponto em fevereiro ante janeiro, a 91,1 pontos


01/03/2021 | 08:44


O Índice de Confiança Empresarial (ICE) recuou 1,8 ponto em fevereiro ante janeiro, para 91,1 pontos, informou nesta segunda-feira, dia 1º, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o indicador teve queda de 1,5 ponto no mês.

"A queda da confiança empresarial em fevereiro reflete a desaceleração do nível de atividade no primeiro trimestre de 2021 e o avanço de uma nova onda de covid-19. A preocupação é maior no setor de Serviços e, dentro dele, nos segmentos mais dependentes de consumo presencial, como alojamento, alimentação fora do domicílio e serviços pessoais em geral. Enquanto outros setores se beneficiarão mais diretamente da melhora no ambiente de negócios com a chegada de recursos de ''auxílio emergencial'', estes segmentos continuarão enfrentando um período muito difícil até que os efeitos da campanha nacional de imunização sejam sentidos e o número de hospitalizações e mortes se reduza consistentemente no país", avaliou Aloisio Campelo Júnior, superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O Índice de Confiança Empresarial reúne os dados das sondagens da Indústria, Serviços, Comércio e Construção. O cálculo leva em conta os pesos proporcionais à participação na economia dos setores investigados, com base em informações extraídas das pesquisas estruturais anuais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a FGV, o objetivo é que o ICE permita uma avaliação mais consistente sobre o ritmo da atividade econômica.

Em fevereiro, o Índice de Situação Atual Empresarial (ISA-E) caiu 1,9 ponto, para 93,4 pontos, a terceira queda consecutiva. Já o Índice de Expectativas (IE-E) recuou 0,9 ponto, para 91,8 pontos.

A confiança da indústria recuou 3,4 pontos em fevereiro ante janeiro, enquanto os serviços encolheram 2,3 pontos. A confiança da construção diminuiu 0,5 ponto. Já o comércio avançou 0,2 ponto.

Em fevereiro, a confiança avançou em 37% dos 49 segmentos integrantes do ICE. A coleta do Índice de Confiança Empresarial reuniu informações de 3.956 empresas dos quatro setores entre os dias 1º e 24 de fevereiro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;