Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Vale tem lucro de R$ 4,83 bilhões no 4º trimestre e encerra 2020 no azul



25/02/2021 | 22:29


Com o impulso da alta no preço das commodities, a mineradora Vale reportou nesta quinta-feira, 25, um lucro líquido de R$ 4,83 bilhões no quarto trimestre do ano passado, revertendo prejuízo de R$ 6,4 bilhões anotados no mesmo intervalo de 2019. O ganho, contudo, caiu 69% em relação ao trimestre imediatamente anterior por conta de gastos referentes ao acordo firmado com o Estado de Minas Gerais, relacionado à tragédia de Brumadinho (MG). No ano, o lucro da Vale somou R$ 24,9 bilhões, revertendo prejuízo de R$ 8,7 bilhões em 2019.

O acordo relativo à tragédia de 25 de janeiro de 2019, que resultou na morte de 270 pessoas e gerou grandes passivos ambientais, teve um efeito negativo de R$ 19,8 bilhões no resultado da Vale. Segundo a mineradora, desse montante, R$ 5,4 bilhões serão liquidados com a liberação dos depósitos judiciais.

A receita líquida da produtora de minério de ferro, ainda no intervalo de outubro a dezembro, foi a R$ 78,94 bilhões, expansão de 92% em comparação com o ano anterior. A alta tanto no faturamento quanto no resultado final veio apesar de a mineradora não ter conseguido entregar crescimento de sua produção, por causa da pandemia e ainda pelos efeitos da tragédia de Brumadinho, que em janeiro completou dois anos.

"Foi um ano em que demos passos importantes para nos tornarmos um operador mais confiável. Ao estabelecer o Acordo Global de Brumadinho, melhorando nossos padrões de segurança e retomando parcialmente todas as nossas operações de minério de ferro interrompidas em 2019, avançamos na redução do risco de nossos negócios", destacou o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, no documento que acompanhou o demonstrativo financeiro da empresa.

Produção

Em 2020, a Vale produziu 300,385 milhões de toneladas de minério de ferro, queda de 0,5% ante 2019. O volume ficou dentro da meta revisada pela companhia em dezembro do ano passado. A estimativa inicial da empresa, divulgada antes da pandemia, projetava uma produção entre 310 milhões e 330 milhões de toneladas.

Passados dois anos do desastre que matou 272 pessoas, a Vale ainda tem o desafio de recuperar sua capacidade de produção. Após Brumadinho, a empresa teve uma série de operações paralisadas por ordens da Justiça ou da Agência Nacional de Mineração (ANM). No fim do ano passado, a mineradora divulgou uma estimativa de produção entre 315 milhões a 355 milhões de toneladas para 2021, abaixo do divulgado anteriormente.

O plano de retomada da Vale prevê encerrar o ano com uma capacidade de até 350 milhões de toneladas da commodity e envolve a recuperação de capacidades em Vargem Grande, Timbopeba, Brucutu e Fábrica, todas em Minas Gerais, além de 4 milhões de toneladas no Sistema Norte. (Colaboraram Mariana Durão, do Rio, e Wagner Gomes, de São Paulo)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vale tem lucro de R$ 4,83 bilhões no 4º trimestre e encerra 2020 no azul


25/02/2021 | 22:29


Com o impulso da alta no preço das commodities, a mineradora Vale reportou nesta quinta-feira, 25, um lucro líquido de R$ 4,83 bilhões no quarto trimestre do ano passado, revertendo prejuízo de R$ 6,4 bilhões anotados no mesmo intervalo de 2019. O ganho, contudo, caiu 69% em relação ao trimestre imediatamente anterior por conta de gastos referentes ao acordo firmado com o Estado de Minas Gerais, relacionado à tragédia de Brumadinho (MG). No ano, o lucro da Vale somou R$ 24,9 bilhões, revertendo prejuízo de R$ 8,7 bilhões em 2019.

O acordo relativo à tragédia de 25 de janeiro de 2019, que resultou na morte de 270 pessoas e gerou grandes passivos ambientais, teve um efeito negativo de R$ 19,8 bilhões no resultado da Vale. Segundo a mineradora, desse montante, R$ 5,4 bilhões serão liquidados com a liberação dos depósitos judiciais.

A receita líquida da produtora de minério de ferro, ainda no intervalo de outubro a dezembro, foi a R$ 78,94 bilhões, expansão de 92% em comparação com o ano anterior. A alta tanto no faturamento quanto no resultado final veio apesar de a mineradora não ter conseguido entregar crescimento de sua produção, por causa da pandemia e ainda pelos efeitos da tragédia de Brumadinho, que em janeiro completou dois anos.

"Foi um ano em que demos passos importantes para nos tornarmos um operador mais confiável. Ao estabelecer o Acordo Global de Brumadinho, melhorando nossos padrões de segurança e retomando parcialmente todas as nossas operações de minério de ferro interrompidas em 2019, avançamos na redução do risco de nossos negócios", destacou o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, no documento que acompanhou o demonstrativo financeiro da empresa.

Produção

Em 2020, a Vale produziu 300,385 milhões de toneladas de minério de ferro, queda de 0,5% ante 2019. O volume ficou dentro da meta revisada pela companhia em dezembro do ano passado. A estimativa inicial da empresa, divulgada antes da pandemia, projetava uma produção entre 310 milhões e 330 milhões de toneladas.

Passados dois anos do desastre que matou 272 pessoas, a Vale ainda tem o desafio de recuperar sua capacidade de produção. Após Brumadinho, a empresa teve uma série de operações paralisadas por ordens da Justiça ou da Agência Nacional de Mineração (ANM). No fim do ano passado, a mineradora divulgou uma estimativa de produção entre 315 milhões a 355 milhões de toneladas para 2021, abaixo do divulgado anteriormente.

O plano de retomada da Vale prevê encerrar o ano com uma capacidade de até 350 milhões de toneladas da commodity e envolve a recuperação de capacidades em Vargem Grande, Timbopeba, Brucutu e Fábrica, todas em Minas Gerais, além de 4 milhões de toneladas no Sistema Norte. (Colaboraram Mariana Durão, do Rio, e Wagner Gomes, de São Paulo)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;