Fechar
Publicidade

Domingo, 7 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Raí afirma que não cogitou demitir Diniz e nega existência de problemas internos



21/01/2021 | 18:44


O diretor executivo de futebol do São Paulo, o ex-meia Raí, garantiu nesta quinta-feira que o clube tem total confiança no trabalho do técnico Fernando Diniz e na capacidade do elenco em reagir. Após perder por 5 a 1 para o Internacional pelo Campeonato Brasileiro na última quarta em pleno Morumbi e de deixar escapar a liderança da competição, o time vai passar por um período de análise para conseguir se recuperar.

Em entrevista coletiva virtual, Raí descartou a possibilidade de demitir o treinador e assegurou que a diretoria sequer cogitou essa possibilidade em reuniões internas. "Tanto na conversa depois do jogo e hoje (quinta-feira) de manhã, que a diretoria se reuniu com o Diniz, nem se tocou nesse assunto. A confiança é total, o foco é na recuperação, no que pode ser melhorado", disse o dirigente.

O São Paulo chegou a ter sete pontos de vantagem na primeira posição e agora está dois atrás do Inter. A queda de rendimento começou após a eliminação para o Grêmio na semifinal da Copa do Brasil. "Quando você tem uma queda de rendimento desse nível, é difícil apontar uma razão apenas. Atingiu a confiança aquela derrota para o Grêmio, e é isso que temos que recuperar. Para isso é só trabalho, o que o Diniz sabe mais fazer com a comissão técnica. A confiança é total", garantiu.

Na opinião do dirigente, mesmo com essa queda de rendimento, o São Paulo tem chances de reagir e terminar como campeão. "Temos sete jogos pela frente, temos tudo para recuperar. Nós já tivemos momentos muito complicados, como esse. Reconhecemos que foi um golpe muito duro, mas podemos conseguir reagir", disse.

O ex-meia afirmou que o problema do São Paulo está vinculado a problemas exclusivamente no campo e descartou interferência de questões nos bastidores. Recentemente o clube teve mudança de presidente, com a chegada de Julio Casares e trocas de dirigentes. Entre essas novidades, Muricy Ramalho assumiu como coordenador de futebol. Além disso, a equipe teve semanas atrás uma desavença pública entre Fernando Diniz e o meia Tchê Tchê.

"Diniz e Tchê Tchê já é caso resolvido, se conhecem há muitos anos. O Diniz reconheceu, falou com ele, elenco, diretoria, explanou tudo", disse Raí. "Não há problema fora de campo. A gente sabe que o time atingiu a primeira colocação, passou a ser um time muito estudado, e o Diniz continua dando várias alternativas. É dentro de campo, no trabalho no dia a dia. Assim que vamos resolver tudo", afirmou.

Raí prometeu realizar cobranças internamente e procurar conversar com os jogadores. Mas evitou dar detalhes de como seria esse processo. "Obviamente existe a cobrança, mas tem de ser em todos os pontos. Temos que melhorar tudo. O que a gente vai fazer aqui de cobrança, e de que maneira será feita, isso decidimos internamente", disse o dirigente.

O São Paulo tem como próximo adversário o Coritiba, sábado, no Morumbi, pelo Brasileirão, às 19 horas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Raí afirma que não cogitou demitir Diniz e nega existência de problemas internos


21/01/2021 | 18:44


O diretor executivo de futebol do São Paulo, o ex-meia Raí, garantiu nesta quinta-feira que o clube tem total confiança no trabalho do técnico Fernando Diniz e na capacidade do elenco em reagir. Após perder por 5 a 1 para o Internacional pelo Campeonato Brasileiro na última quarta em pleno Morumbi e de deixar escapar a liderança da competição, o time vai passar por um período de análise para conseguir se recuperar.

Em entrevista coletiva virtual, Raí descartou a possibilidade de demitir o treinador e assegurou que a diretoria sequer cogitou essa possibilidade em reuniões internas. "Tanto na conversa depois do jogo e hoje (quinta-feira) de manhã, que a diretoria se reuniu com o Diniz, nem se tocou nesse assunto. A confiança é total, o foco é na recuperação, no que pode ser melhorado", disse o dirigente.

O São Paulo chegou a ter sete pontos de vantagem na primeira posição e agora está dois atrás do Inter. A queda de rendimento começou após a eliminação para o Grêmio na semifinal da Copa do Brasil. "Quando você tem uma queda de rendimento desse nível, é difícil apontar uma razão apenas. Atingiu a confiança aquela derrota para o Grêmio, e é isso que temos que recuperar. Para isso é só trabalho, o que o Diniz sabe mais fazer com a comissão técnica. A confiança é total", garantiu.

Na opinião do dirigente, mesmo com essa queda de rendimento, o São Paulo tem chances de reagir e terminar como campeão. "Temos sete jogos pela frente, temos tudo para recuperar. Nós já tivemos momentos muito complicados, como esse. Reconhecemos que foi um golpe muito duro, mas podemos conseguir reagir", disse.

O ex-meia afirmou que o problema do São Paulo está vinculado a problemas exclusivamente no campo e descartou interferência de questões nos bastidores. Recentemente o clube teve mudança de presidente, com a chegada de Julio Casares e trocas de dirigentes. Entre essas novidades, Muricy Ramalho assumiu como coordenador de futebol. Além disso, a equipe teve semanas atrás uma desavença pública entre Fernando Diniz e o meia Tchê Tchê.

"Diniz e Tchê Tchê já é caso resolvido, se conhecem há muitos anos. O Diniz reconheceu, falou com ele, elenco, diretoria, explanou tudo", disse Raí. "Não há problema fora de campo. A gente sabe que o time atingiu a primeira colocação, passou a ser um time muito estudado, e o Diniz continua dando várias alternativas. É dentro de campo, no trabalho no dia a dia. Assim que vamos resolver tudo", afirmou.

Raí prometeu realizar cobranças internamente e procurar conversar com os jogadores. Mas evitou dar detalhes de como seria esse processo. "Obviamente existe a cobrança, mas tem de ser em todos os pontos. Temos que melhorar tudo. O que a gente vai fazer aqui de cobrança, e de que maneira será feita, isso decidimos internamente", disse o dirigente.

O São Paulo tem como próximo adversário o Coritiba, sábado, no Morumbi, pelo Brasileirão, às 19 horas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;