Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 14 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Fux derruba liminar do TJ-SP e volta proibir a venda de bebida alcoólica após 20h

Arquivo/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/12/2020 | 17:48


O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, afirmou que a liminar do Tribunal de Justiça de São Paulo que havia permitido a venda de bebidas alcóolicas após às 20h no Estado representava ''potencial risco à saúde pública''. Na tarde desta quinta, 17, Fux derrubou a decisão e restabeleceu a proibição, decretada pelo governador João Doria (PSDB) na última sexta, 11, após o aumento do número de casos de covid-19.

A liminar derrubada foi assinada pelo desembargador Renato Sartorelli, que atendeu a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) na última segunda, 14. Para ele, a proibição imposta por Doria foi feita ''sem amparo em qualquer tipo de estudo ou dados científicos'' e com base ''em puro achismo e opinião pessoal equivocada''.

Fux, porém, apontou que a pandemia do novo coronavírus impôs a governadores e prefeitos a tomada de medidas que devem ser voltadas ao bem comum, para garantir o direito à saúde da população. No caso da proibição do consumo de bebidas, o presidente do Supremo disse que o decreto não era desproporcional para o cenário - diferente da liminar.

"A decisão atacada representa potencial risco de violação à ordem público-administrativa, no âmbito do requerente, bem como à saúde pública, dada a real possibilidade que venha a desestruturar as medidas por ele adotadas como forma de fazer frente a essa epidemia em seu território", anotou o ministro.

O decreto baixado por Doria prevê que bares devem fechar mais cedo, passando das 22h para 20h, e restaurantes podem continuar abertos até às 22h, mas não podem vender bebidas alcóolicas após às 20h. A medida foi tomada diante da elevação de casos, internações e mortes decorrentes da covid-19 no Estado.

O objetivo, explicou a gestão Doria na semana passada, é reduzir as aglomerações, circunstância em que a doença pode ser espalhada mais facilmente.

Nesta quarta, 16, o governo estadual confirmou o primeiro caso de reinfecção pelo novo coronavírus em São Paulo. Trata-se de uma mulher de 41 anos, moradora de Fernandópolis, no interior do Estado. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, ela apresentou a doença pela primeira vez em junho, se recuperou, e testou positivo novamente em novembro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Fux derruba liminar do TJ-SP e volta proibir a venda de bebida alcoólica após 20h


17/12/2020 | 17:48


O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, afirmou que a liminar do Tribunal de Justiça de São Paulo que havia permitido a venda de bebidas alcóolicas após às 20h no Estado representava ''potencial risco à saúde pública''. Na tarde desta quinta, 17, Fux derrubou a decisão e restabeleceu a proibição, decretada pelo governador João Doria (PSDB) na última sexta, 11, após o aumento do número de casos de covid-19.

A liminar derrubada foi assinada pelo desembargador Renato Sartorelli, que atendeu a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) na última segunda, 14. Para ele, a proibição imposta por Doria foi feita ''sem amparo em qualquer tipo de estudo ou dados científicos'' e com base ''em puro achismo e opinião pessoal equivocada''.

Fux, porém, apontou que a pandemia do novo coronavírus impôs a governadores e prefeitos a tomada de medidas que devem ser voltadas ao bem comum, para garantir o direito à saúde da população. No caso da proibição do consumo de bebidas, o presidente do Supremo disse que o decreto não era desproporcional para o cenário - diferente da liminar.

"A decisão atacada representa potencial risco de violação à ordem público-administrativa, no âmbito do requerente, bem como à saúde pública, dada a real possibilidade que venha a desestruturar as medidas por ele adotadas como forma de fazer frente a essa epidemia em seu território", anotou o ministro.

O decreto baixado por Doria prevê que bares devem fechar mais cedo, passando das 22h para 20h, e restaurantes podem continuar abertos até às 22h, mas não podem vender bebidas alcóolicas após às 20h. A medida foi tomada diante da elevação de casos, internações e mortes decorrentes da covid-19 no Estado.

O objetivo, explicou a gestão Doria na semana passada, é reduzir as aglomerações, circunstância em que a doença pode ser espalhada mais facilmente.

Nesta quarta, 16, o governo estadual confirmou o primeiro caso de reinfecção pelo novo coronavírus em São Paulo. Trata-se de uma mulher de 41 anos, moradora de Fernandópolis, no interior do Estado. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, ela apresentou a doença pela primeira vez em junho, se recuperou, e testou positivo novamente em novembro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;