Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 26 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Asilo clandestino de S.Bernardo é fechado


Verônica Fraidenraich
Do Diário do Grande ABC

27/04/2005 | 11:46


O Pensionato de Idosos de Geni, no bairro Nova Petrópolis, em São Bernardo, foi interditado terça-feira por funcionar clandestinamente. Além da falta de licença de funcionamento, foram identificadas várias irregularidades na adaptação do imóvel e falta de médicos e enfermeiros. A interdição foi uma ação conjunta da Promotoria de Justiça do Idoso, Vigilância Sanitária e Sedesc (Secretaria de Assistência Social) de São Bernardo, e contou com fiscais do Coren (Conselho Regional de Enfermagem).

Familiares dos 14 idosos – três homens e 11 mulheres – têm até sexta-feira para retirar os parentes. Assistentes sociais da Sedesc ficarão no local para exigir a assinatura de um termo de responsabilidade, onde constará o destino das pessoas transferidas.

“Eles têm 10 dias para começar a regularização. Até lá, a interdição é total”, explica a promotora de Justiça do Idoso de São Bernardo, Maricelma Rita Meleiro. Ela diz que o asilo não tinha médico, enfermeira de plantão nem nutricionista. Dois pacientes diabéticos deveriam ter cardápio especial, exigência para qualquer asilo estar em funcionamento.

A equipe encontrou uma cópia da carteira de trabalho do médico Miguel Werner Johnen, de registro 29.887, que será investigado. Uma enfermeira, cujo nome aparece no livro de registros médicos e que prescrevia medicamentos, também será investigada por estar com a inscrição vencida e cancelada, de acordo com Edmilson Viveiros, fiscal do Conselho Regional de Enfermagem. Viveiros levou o livro para apreensão no 1º Distrito de Polícia de São Bernardo, onde iria registrar boletim de ocorrência contra a enfermeira por exercício ilegal da profissão.

A promotora Maricelma diz que uma idosa com as pernas inchadas comentou que há muito tempo não recebe a visita de um médico. “Não achamos fichas de evolução nem de prescrição médica”, diz a promotora. Ela completa que o livro de registros médicos comprova a falta de profissionais de saúde. Não explica a que horas e quais as dosagens dadas dos medicamentos.

Segundo a promotora, o pensionato é de propriedade de Maria Eugênia Alves Graciano, que já teve um asilo há seis anos notificado por apresentar irregularidades. “Por meio de uma denúncia anônima, soubemos que ela havia voltado à atividade há cerca de quatro meses, em outro endereço no mesmo bairro. Espaço que parecia ser uma escola infantil”, afirma a promotora.

Há 20 dias, a Vigilância Sanitária visitou o local e constatou que era um asilo funcionando de forma clandestina e inadequada. Na ocasião, a Vigilância exigiu a regularização do espaço. Terça-feira, ao voltar ao asilo, soube que eles haviam mudado de endereço.

“Só sabíamos o nome da rua, mas encontramos o local porque vimos pela janela vários idosos sentados num sofá”, diz Maricelma. O asilo é particular. Parente de um dos idosos disse à promotora que pagava R$ 500 por mês.

Algumas das irregularidades identificadas foram: imóvel em obras; mal iluminado e sem ventilação; ausência de piso antiderrapante; e falta de privacidade aos idosos. “A casa tem só dois banheiros, um dentro da suíte, e um dos quartos fica na área da sala, na entrada da casa”, diz a funcionária da Vigilância Sanitária, que preferiu não se identificar. A alimentação encontrada era suficiente para apenas mais um dia.

Uma mulher que se identificou como Júlia Alves afirmou à reportagem ser proprietária do asilo. Ela não explicou a razão de não haver médico ou enfermeiros no local e disse que o único problema da casa eram as obras que logo terminariam e o pensionato voltaria a funcionar. A Guarda Municipal da cidade foi acionada e ficará de prontidão na casa até sexta-feira. A promotora Maricelma lembra que denúncias anônimas para verificação de asilos irregulares podem ser feitas nos telefones 4339-4466 (Vigilância Sanitária) ou 4122-4622 (Promotoria de Justiça do Idoso).

Este é o segundo asilo interditado em São Bernardo desde o início deste ano. O primeiro foi o Cantinho da Felicidade, no dia 7. No asilo localizado no Jardim da Represa também foram encontrados alimentos com data de validade vencida.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;