Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

PIB cresce 7,7%, mas não repõe perdas; crescimento em 2021 depende da vacina



04/12/2020 | 07:00


A continuidade da reabertura das atividades, depois do auge da pandemia, e o impulso do auxílio emergencial no consumo fizeram a economia registrar no terceiro trimestre o maior crescimento em duas décadas. O Produto Interno Bruto (PIB, o valor de tudo o que é produzido na economia) saltou 7,7% ante o segundo trimestre, maior alta da série histórica, iniciada em 1996, informou ontem o IBGE.

Mesmo recorde, o avanço foi insuficiente para recuperar as perdas do primeiro semestre. No terceiro trimestre, o nível de atividade ainda estava 4,1% abaixo do fim de 2019, segundo o IBGE. O ritmo da retomada será ditado pelo sucesso das vacinas contra a covid-19, disseram economistas.

A alta ficou abaixo das projeções de analistas, que esperavam salto de 8,8%, conforme o Projeções Broadcast. Em relação ao terceiro trimestre de 2019, o PIB caiu 3,9%. Para 2020 fechado, economistas esperam retração de 4,5%, conforme levantamento do Projeções Broadcast concluído na tarde de ontem. Se confirmada, será a maior retração anual da história.

Além de insuficiente para recuperar as perdas acumuladas, a retomada ainda enfrenta a incerteza sobre a pandemia. O avanço da economia em todo o mundo no ano que vem está diretamente ligado à vacina contra a covid-19.

"A lição que ficou do que estamos vendo na Europa é que o risco de um 'lockdown' horizontal é menor e, ao mesmo tempo, as campanhas de vacinação no mundo estão andando rápido", disse Guilherme Loureiro, economista-chefe da Trafalgar Investimentos.

Embora os planos de vacinação estejam avançando em países como a Inglaterra, está pouco claro quando isso se dará no Brasil. Mais casos e mortes, com novas restrições ao contato social, podem prejudicar a retomada. Por ora, economistas ainda veem como pequeno o impacto das novas restrições em São Paulo e no Paraná.

"No curtíssimo prazo, vai haver arrefecimento da mobilidade, de dados de alta frequência, queda marginal da confiança, do consumo e da produção, mas muito diferente do começo da pandemia. A questão da vacina altera a perspectiva dessa desaceleração, coloca um teto nas incertezas", disse a economista-chefe do Credit Suisse no Brasil, Solange Srour.

A composição da retomada do terceiro trimestre serviu como lembrete da incerteza atrelada à doença. Impulsionado pelo auxílio emergencial para trabalhadores informais, o consumo das famílias avançou 7,6% sobre o segundo trimestre, puxando a retomada, mas ainda de forma desorganizada.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PIB cresce 7,7%, mas não repõe perdas; crescimento em 2021 depende da vacina


04/12/2020 | 07:00


A continuidade da reabertura das atividades, depois do auge da pandemia, e o impulso do auxílio emergencial no consumo fizeram a economia registrar no terceiro trimestre o maior crescimento em duas décadas. O Produto Interno Bruto (PIB, o valor de tudo o que é produzido na economia) saltou 7,7% ante o segundo trimestre, maior alta da série histórica, iniciada em 1996, informou ontem o IBGE.

Mesmo recorde, o avanço foi insuficiente para recuperar as perdas do primeiro semestre. No terceiro trimestre, o nível de atividade ainda estava 4,1% abaixo do fim de 2019, segundo o IBGE. O ritmo da retomada será ditado pelo sucesso das vacinas contra a covid-19, disseram economistas.

A alta ficou abaixo das projeções de analistas, que esperavam salto de 8,8%, conforme o Projeções Broadcast. Em relação ao terceiro trimestre de 2019, o PIB caiu 3,9%. Para 2020 fechado, economistas esperam retração de 4,5%, conforme levantamento do Projeções Broadcast concluído na tarde de ontem. Se confirmada, será a maior retração anual da história.

Além de insuficiente para recuperar as perdas acumuladas, a retomada ainda enfrenta a incerteza sobre a pandemia. O avanço da economia em todo o mundo no ano que vem está diretamente ligado à vacina contra a covid-19.

"A lição que ficou do que estamos vendo na Europa é que o risco de um 'lockdown' horizontal é menor e, ao mesmo tempo, as campanhas de vacinação no mundo estão andando rápido", disse Guilherme Loureiro, economista-chefe da Trafalgar Investimentos.

Embora os planos de vacinação estejam avançando em países como a Inglaterra, está pouco claro quando isso se dará no Brasil. Mais casos e mortes, com novas restrições ao contato social, podem prejudicar a retomada. Por ora, economistas ainda veem como pequeno o impacto das novas restrições em São Paulo e no Paraná.

"No curtíssimo prazo, vai haver arrefecimento da mobilidade, de dados de alta frequência, queda marginal da confiança, do consumo e da produção, mas muito diferente do começo da pandemia. A questão da vacina altera a perspectiva dessa desaceleração, coloca um teto nas incertezas", disse a economista-chefe do Credit Suisse no Brasil, Solange Srour.

A composição da retomada do terceiro trimestre serviu como lembrete da incerteza atrelada à doença. Impulsionado pelo auxílio emergencial para trabalhadores informais, o consumo das famílias avançou 7,6% sobre o segundo trimestre, puxando a retomada, mas ainda de forma desorganizada.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;