Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com exterior e repercussão de ruído entre Guedes e Campos Neto

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


26/11/2020 | 09:36


O dólar opera em alta alinhada a tendência no exterior, com investidores repercutindo ainda o ruído entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, por causa do problema fiscal e das contas do governo.

"O presidente Campos Neto sabe qual é o plano. Se ele tiver um plano melhor, peça a ele qual é o plano dele. Pergunte a ele qual é o plano dele que vai recuperar a credibilidade. Porque o plano nós sabemos qual é. O plano nós já temos", afirmou Guedes, ao ser questionado sobre a declaração do presidente do BC de que é ponto-chave para o Brasil "conquistar credibilidade com um plano que dê uma clara percepção aos investidores de que o País está preocupado com a trajetória da dívida

Os ajustes acontecem em meio à liquidez global e interna mais fraca, por causa do fechamento das bolsas em Nova York pelo feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos.

O avanço da moeda americana é moderado no exterior, após a queda de ontem, e pode estar refletindo discussões sobre a possibilidade do Fed remanejar a sua política de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês).

Ontem, segundo a ata, o Fed sinalizou que vai continuar com sua política monetária acomodatícia, mantendo a taxa de juros em níveis historicamente baixos e aumentando a compra de títulos a fim de sustentar a recuperação econômica nos EUA. "A mensagem que eles enviam é que provavelmente veremos mais mudanças (leia-se "aumentos") no QE logo na reunião de meados de dezembro", resume o estrategista global do Rabobank, Michael Every, em relatório.

Hoje, outros bancos centrais de economias avançadas, como o da Coreia do Sul e da Suécia, também anunciaram estímulos a fim de apoiar suas economias em meio ao aumento de casos de covid-19.

Também o aumento da inflação é monitorado. O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou alta de 3,40% em outubro, informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado de outubro foi o mais elevado de toda a série histórica, iniciada em janeiro de 2014.

Às 9h24, o dólar à vista subia 0,52%, a R$ 5,3478. O dólar futuro para dezembro ganhava 0,44%, a R$ 5,3480.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com exterior e repercussão de ruído entre Guedes e Campos Neto


26/11/2020 | 09:36


O dólar opera em alta alinhada a tendência no exterior, com investidores repercutindo ainda o ruído entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, por causa do problema fiscal e das contas do governo.

"O presidente Campos Neto sabe qual é o plano. Se ele tiver um plano melhor, peça a ele qual é o plano dele. Pergunte a ele qual é o plano dele que vai recuperar a credibilidade. Porque o plano nós sabemos qual é. O plano nós já temos", afirmou Guedes, ao ser questionado sobre a declaração do presidente do BC de que é ponto-chave para o Brasil "conquistar credibilidade com um plano que dê uma clara percepção aos investidores de que o País está preocupado com a trajetória da dívida

Os ajustes acontecem em meio à liquidez global e interna mais fraca, por causa do fechamento das bolsas em Nova York pelo feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos.

O avanço da moeda americana é moderado no exterior, após a queda de ontem, e pode estar refletindo discussões sobre a possibilidade do Fed remanejar a sua política de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês).

Ontem, segundo a ata, o Fed sinalizou que vai continuar com sua política monetária acomodatícia, mantendo a taxa de juros em níveis historicamente baixos e aumentando a compra de títulos a fim de sustentar a recuperação econômica nos EUA. "A mensagem que eles enviam é que provavelmente veremos mais mudanças (leia-se "aumentos") no QE logo na reunião de meados de dezembro", resume o estrategista global do Rabobank, Michael Every, em relatório.

Hoje, outros bancos centrais de economias avançadas, como o da Coreia do Sul e da Suécia, também anunciaram estímulos a fim de apoiar suas economias em meio ao aumento de casos de covid-19.

Também o aumento da inflação é monitorado. O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou alta de 3,40% em outubro, informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado de outubro foi o mais elevado de toda a série histórica, iniciada em janeiro de 2014.

Às 9h24, o dólar à vista subia 0,52%, a R$ 5,3478. O dólar futuro para dezembro ganhava 0,44%, a R$ 5,3480.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;