Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

A cada 16 candidatos a vereador, um é barrado pela Justiça Eleitoral

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ribeirão Pires tem pior cenário ao apontar 123 inaptos à disputa entre 391 postulantes por vaga na Câmara


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

31/10/2020 | 00:01


A praticamente 15 dias do pleito municipal, um a cada 16 candidatos à vereança no Grande ABC está com registro indeferido pela Justiça Eleitoral. No total, são 3.734 nomes na disputa por vaga nas câmaras. Destes, 229 nomes aparecem como inaptos no momento a concorrer na data do páreo, o que representa 6,13% dos participantes.

O cenário prévio de Ribeirão Pires é o mais emblemático da região. Mostra 123 figuras nestas condições entre os 391 postulantes, quase um terço, incluindo oito dos 17 detentores de mandato no Legislativo – a maioria encontra-se nesta situação em decorrência da falta de certidões exigidas pelo órgão.

A lista de parlamentares enquadrados em Ribeirão é composta por Amaury Dias (PSDB), Danilo da Casa da Sopa (PL), Paixão (Patriota), Flávio Gomes (PSDB), Rato Teixeira (PTB, presidente da Câmara), Rogério do Açougue (PSB), Zé Nelson (PSD) e Professor Paulo César (PL). Os pedidos de registro foram negados com base na ausência da apresentação de documentos necessários para entrar na corrida. Além deles, o ex-vereador Gerson Constantino (PSD) integra rol. Aliás, a Justiça barrou também as candidaturas majoritárias do prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) e de Carlos Sacomani, o Banana (PSL).

“O nosso indeferimento ocorreu por causa do envio de alguns documentos por parte do partido, o que já foi solucionado. Estamos aguardando apenas a retificação no sistema do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A campanha segue sem qualquer prejuízo”, ponderou Amaury.

Santo André apresenta menor panorama da região neste quesito, tendo cinco indeferidos entre 611 concorrentes (0,82%) – nenhum deles é vereador. Em termos de proporção, São Bernardo surge na sequência. São 19 inaptos dentro de contexto de 873 candidatos (2,18%). Mauá e São Caetano acumulam 15 (de 642, ou 2,34%) e 12 (de 377, portanto, 3,18%), respectivamente. Em solo mauaense, Bodinho (Patriota) é o único parlamentar – há ainda a Cabo Fátima Pérola Neggra (PP), postulante a vice-governadora na eleição de 2018, então pelo DC.

Já São Caetano computa o vereador Sidão da Padaria (PSD, confira mais abaixo), bem como o vice-prefeito Beto Vidoski (PSDB), que busca retornar à casa e para isso tenta recurso para suspender os efeitos de condenação sofrida em segunda instância. Ex-parlamentar e ex-superintendente do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), Angelo Pavin (Avante) é outro quadro que compõe essa lista.

Em Diadema, o número é de 25 indeferidos na esteira de 603 candidatos (4,15%). Entre eles, o ex-prefeiturável Silvino Roque Neto, o Russo (PMN), e Otávio Gambra, o Rambo (PRTB). Rio Grande da Serra tem 30 (12,66%). Os vereadores Israel Mendonça (PDT) e Silvio Meneses (PDT), além dos ex-vereadores Messias Cabeleireiro (Cidadania) e Edvaldo Guerra (Podemos) aparecem no rol. 

Sidão é enquadrado na Ficha Limpa

Ex-presidente da Câmara de São Caetano, Sidão da Padaria (PSD) teve registro de candidatura a vereador indeferido com base na Lei da Ficha Limpa devido a contas rejeitadas do período em que comandou o Legislativo. O pessedista chefiou a casa por quatro anos consecutivos, entre 2011 e 2014. No primeiro exercício, por exemplo, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) deu parecer negativo, principalmente por excesso de cargos em comissão na estrutura.

A decisão é da juíza Ana Lucia Fusaro, em processo de impugnação proposto pelo MPE (Ministério Público Eleitoral). O órgão defendeu que Sidão não pode ter aval à candidatura justamente porque teve as contabilidades rejeitadas nos anos de 2011, 2012 e 2013.

“É facilmente constatado, pela documentação juntada aos autos, que a rejeição teve fundamento similar em três anos consecutivos, o que demonstra a renitência do requerente em acolher as recomendações. Observo, em especial, a questão relativa ao número excessivo de servidores comissionados e ao pagamento de verbas indevidas, com considerável prejuízo ao erário, além da ofensa à lei de licitações”, pontuou a magistrada.

A Lei Complementar 64/90 determina que ficam inelegíveis os que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa, e por decisão irrecorrível do órgão competente, salvo se esta houver sido suspensa ou anulada pelo Poder Judiciário, para as eleições que se realizarem nos oito anos seguintes, contados a partir da data da decisão.

Nos autos, a defesa de Sidão alegou que não houve o preenchimento dos requisitos necessários para a caracterização da causa de inexigibilidade. Procurado, ele não retornou aos contatos da equipe do Diário. Ele pode recorrer da sentença em primeira instância eleitoral. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A cada 16 candidatos a vereador, um é barrado pela Justiça Eleitoral

Ribeirão Pires tem pior cenário ao apontar 123 inaptos à disputa entre 391 postulantes por vaga na Câmara

Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

31/10/2020 | 00:01


A praticamente 15 dias do pleito municipal, um a cada 16 candidatos à vereança no Grande ABC está com registro indeferido pela Justiça Eleitoral. No total, são 3.734 nomes na disputa por vaga nas câmaras. Destes, 229 nomes aparecem como inaptos no momento a concorrer na data do páreo, o que representa 6,13% dos participantes.

O cenário prévio de Ribeirão Pires é o mais emblemático da região. Mostra 123 figuras nestas condições entre os 391 postulantes, quase um terço, incluindo oito dos 17 detentores de mandato no Legislativo – a maioria encontra-se nesta situação em decorrência da falta de certidões exigidas pelo órgão.

A lista de parlamentares enquadrados em Ribeirão é composta por Amaury Dias (PSDB), Danilo da Casa da Sopa (PL), Paixão (Patriota), Flávio Gomes (PSDB), Rato Teixeira (PTB, presidente da Câmara), Rogério do Açougue (PSB), Zé Nelson (PSD) e Professor Paulo César (PL). Os pedidos de registro foram negados com base na ausência da apresentação de documentos necessários para entrar na corrida. Além deles, o ex-vereador Gerson Constantino (PSD) integra rol. Aliás, a Justiça barrou também as candidaturas majoritárias do prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) e de Carlos Sacomani, o Banana (PSL).

“O nosso indeferimento ocorreu por causa do envio de alguns documentos por parte do partido, o que já foi solucionado. Estamos aguardando apenas a retificação no sistema do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A campanha segue sem qualquer prejuízo”, ponderou Amaury.

Santo André apresenta menor panorama da região neste quesito, tendo cinco indeferidos entre 611 concorrentes (0,82%) – nenhum deles é vereador. Em termos de proporção, São Bernardo surge na sequência. São 19 inaptos dentro de contexto de 873 candidatos (2,18%). Mauá e São Caetano acumulam 15 (de 642, ou 2,34%) e 12 (de 377, portanto, 3,18%), respectivamente. Em solo mauaense, Bodinho (Patriota) é o único parlamentar – há ainda a Cabo Fátima Pérola Neggra (PP), postulante a vice-governadora na eleição de 2018, então pelo DC.

Já São Caetano computa o vereador Sidão da Padaria (PSD, confira mais abaixo), bem como o vice-prefeito Beto Vidoski (PSDB), que busca retornar à casa e para isso tenta recurso para suspender os efeitos de condenação sofrida em segunda instância. Ex-parlamentar e ex-superintendente do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), Angelo Pavin (Avante) é outro quadro que compõe essa lista.

Em Diadema, o número é de 25 indeferidos na esteira de 603 candidatos (4,15%). Entre eles, o ex-prefeiturável Silvino Roque Neto, o Russo (PMN), e Otávio Gambra, o Rambo (PRTB). Rio Grande da Serra tem 30 (12,66%). Os vereadores Israel Mendonça (PDT) e Silvio Meneses (PDT), além dos ex-vereadores Messias Cabeleireiro (Cidadania) e Edvaldo Guerra (Podemos) aparecem no rol. 

Sidão é enquadrado na Ficha Limpa

Ex-presidente da Câmara de São Caetano, Sidão da Padaria (PSD) teve registro de candidatura a vereador indeferido com base na Lei da Ficha Limpa devido a contas rejeitadas do período em que comandou o Legislativo. O pessedista chefiou a casa por quatro anos consecutivos, entre 2011 e 2014. No primeiro exercício, por exemplo, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) deu parecer negativo, principalmente por excesso de cargos em comissão na estrutura.

A decisão é da juíza Ana Lucia Fusaro, em processo de impugnação proposto pelo MPE (Ministério Público Eleitoral). O órgão defendeu que Sidão não pode ter aval à candidatura justamente porque teve as contabilidades rejeitadas nos anos de 2011, 2012 e 2013.

“É facilmente constatado, pela documentação juntada aos autos, que a rejeição teve fundamento similar em três anos consecutivos, o que demonstra a renitência do requerente em acolher as recomendações. Observo, em especial, a questão relativa ao número excessivo de servidores comissionados e ao pagamento de verbas indevidas, com considerável prejuízo ao erário, além da ofensa à lei de licitações”, pontuou a magistrada.

A Lei Complementar 64/90 determina que ficam inelegíveis os que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa, e por decisão irrecorrível do órgão competente, salvo se esta houver sido suspensa ou anulada pelo Poder Judiciário, para as eleições que se realizarem nos oito anos seguintes, contados a partir da data da decisão.

Nos autos, a defesa de Sidão alegou que não houve o preenchimento dos requisitos necessários para a caracterização da causa de inexigibilidade. Procurado, ele não retornou aos contatos da equipe do Diário. Ele pode recorrer da sentença em primeira instância eleitoral. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;